Pesquisar
Close this search box.
/
/
Garantia contratual: até onde vai a obrigação do consumidor?

Garantia contratual: até onde vai a obrigação do consumidor?

Muito comum na aquisição de produtos, especialmente eletrodomésticos e veículos, é a garantia contratual, que é a modalidade de garantia oferecida pelo fabricante do produto e que nada tem a ver com a garantia legal (prevista em lei), que é de 90 dias para produtos duráveis e 30 dias para produtos não duráveis.

Como o próprio nome diz, a garantia é contratual, ou seja, as regras válidas para essa modalidade de garantia são estabelecidas pela parte que a oferece, podendo haver, portanto, exclusões acerca do que está ou não coberto.

Todavia, isso não significa que o fornecedor poderá, de forma arbitrária, restringir os termos da garantia oferecida, tampouco poderá deixar de lado as regras básicas estabelecidas para os contratos, dentre elas, a linguagem clara e objetiva, de forma que o consumidor entenda o que está ou não contemplado pela garantia, bem como suas restrições e limitações. Essas últimas, aliá, devem estar em destaque, pois são cláusulas restritivas e, como em qualquer outro contrato, devem chamar a atenção do consumidor para a sua existência.

Uma das questões que, dia sim, dia não, vem à tona, no caso da garantia envolvendo veículos, é a que diz respeito à obrigatoriedade de se efetuar todas as revisões, durante o período de garantia, em oficina autorizada pelo fabricante ? normalmente, uma concessionária ?, sob pena de perda da garantia.

Sobre essa questão, alguns pontos devem ser destacados. O primeiro deles é o que, de fato, são as revisões periódicas dos veículos? Qual é a finalidade dessas revisões? Essas revisões são previstas pelo fabricante para que o veículo seja periodicamente avaliado, em alguns itens, a depender da quilometragem rodada, para que peças e fluidos sejam substituídos, se necessário, de tempos em tempos, de acordo com o período médio de depreciação de cada item, para que a segurança do veículo não seja comprometida, bem como sua vida útil seja estendida.

Entretanto, muitas vezes a garantia contratual oferecida pelos fabricantes pode parecer mais um ônus do que uma vantagem ao consumidor, pois muitas vezes veículos que possuem garantia de cinco anos, por exemplo, obrigam o consumidor a um sem número de revisões periódicas em concessionárias autorizadas pelo fabricante do veículo, o que, na maioria da vezes, custa mais caro, tanto na mão de obra quanto nas peças eventualmente substituídas. Então, o que parecia uma vantagem a princípio, torna-se uma armadilha, que obrigará o consumidor a gastar, por cinco longos anos, um valor exorbitante entre mão de obra e peças, simplesmente por uma imposição do fabricante.

Cabe aqui ressaltar, também, o lado do fornecedor. Se ele está oferecendo uma garantia ao consumidor, por um período longo, deve se assegurar de que as substituições e manutenções serão efetuadas de forma a não comprometer o funcionamento e a segurança do veículo, bem como da maneira que julga ser a ideal para manter o veículo em condições de não ocasionar nenhum problema, especialmente em relação ao seu dever de reparar a peça avariada. E uma das poucas formas que tem de fazer isso é autorizando a manutenção desse veículo apenas em suas oficinas autorizadas, que não por ele certificadas.

Como resolver esse impasse, então? Pelo bom sendo e pela boa-fé. O que se espera do fornecedor no momento em que ele se propõe a garantir que um veículo que é fabricado por ele tem excelente qualidade (ou não concederia uma garantia tão longa)? Boa-fé e bom senso. E o que se espera do consumidor que adquire esse veículo? O mesmo.

Podemos, então, concluir, de maneira simples, que a garantia contratual oferecida por um fabricante de veículos não pode ser excluída se, por exemplo, o consumidor efetuou uma das revisões, a qual previa apenas a troca do óleo do motor e a revisão e eventual troca das pastilhas dos freios, se o problema apresentado ocorreu na direção hidráulica do veículo, item nem mesmo verificado no momento da aludida revisão.

O contrário também deve ser verdadeiro. Se, porventura, o consumidor efetua uma revisão onde trocas as pastilhas e o óleo dos freios em lugar diferente do indicado pelo fabricante do veículo, e ocorre um problema justamente nos freios do veículo, o risco de exclusão da garantia é grande.

Portanto, no momento em que for adquirir um veículo, deve-se verificar, além do período de garantia, quanto isso irá custar ao longo do tempo ao consumidor. Muitas vezes, pode ser algo não muito vantajoso. Outras vezes, o próprio fabricante do veículo conta com uma tabela de revisões programadas, na qual o consumidor sabe exatamente quanto poderá gastar em cada uma dessas revisões, podendo mensurar se é ou não vantajosa a compra para ele. A meu ver, esta é a melhor forma de o fornecedor agir com transparência e dentro da boa-fé dele esperada.

Resumindo, caso o consumidor tenha adquirido um veículo e, por algum motivo, tenha efetuado uma das revisões fora das oficinas autorizadas, se essa manutenção em nada contribuiu para o problema ocorrido com o veículo, não me parece justa a exclusão da garantia. Não se pode esquecer, ainda, da questão dos vícios ocultos de fabricação. Mas este assunto fica para outro artigo.

* Gisele Friso Gaspar é especialista em direito do consumidor e responsável pela G. Friso Consultoria Jurídica

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]