Pesquisar
Close this search box.
/
/
Por que a forma como resolvemos problema é um problema?

Por que a forma como resolvemos problema é um problema?

Entre os principais problemas, a falta de comunicação interna lidera como a grande vilã – citada por 45,4% dos participantes.

Há alguns meses venho notando um aumento da demanda por projetos sobre melhoria de processos nas empresas, que otimize a solução de problemas de forma colaborativa. Diante disso, comecei a achar que talvez existisse um problema na maneira como resolvemos problemas.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Para não ficar só no talvez, resolvi fazer uma pesquisa, entre os meses de setembro e outubro de 2020, envolvendo as maiores agências de publicidade do Brasil. CEOs, diretores de planejamento, atendimento e criação responderam colocando sua experiência para identificar dores e frustrações. Mas por que agências? A intenção foi a de entender o ponto de vista do outro – de quem ajuda as empresas a resolverem seus problemas de comunicação todos os dias. E, ao mesmo tempo, de considerar perfis criativos, necessários para a resolução de problemas, cada vez mais complexos.

Para a grande maioria, 63,7%, o nível de produtividade das reuniões e dos processos é abaixo do esperado (entre ruim e razoável). Entre os principais problemas, a falta de comunicação interna lidera como a grande vilã – citada por 45,4% dos participantes. Na sequência, com 18,2% das respostas, está o medo de errar, de perder o emprego. E ainda, citada por 9,1% da amostra, a falta de processos mais organizados, e a falta de autonomia de decisão (vide gráfico a seguir).

Quando analisei as respostas em mais profundidade, descobri que as respostas estavam unidas por um fator em comum: criamos processos sem entender de gente. Mais que isso, criamos processos para nos proteger das pessoas.

O que é a burocracia senão um conjunto de alavancas que buscam formas de comprovação e de duplicação de tarefas?

O que são hierarquias senão formas de comando e controle que buscam estabelecer relações de autoridade? Um sistema de mando e subordinação foi criado supondo que, assim, os processos seriam mais fluidos, mais respeitados e, portanto, mais produtivos. Só que uma questão importante foi esquecida: que somos pessoas, não robôs ainda. E que a autoridade espanta a espontaneidade, ajudando a construir relações de subserviência que levam ao consenso, ao óbvio, à previsibilidade que mata a criatividade.

Para entender melhor esse ponto, faço uma analogia com a natureza. Na palestra no Festival de Inovação Whow 2020, explico como a floresta é uma cultura, repleta de diferentes espécies e mecanismos próprios. Há muitos anos vivendo na Bahia, o suíço Ernest Götsch introduziu a prática da agricultura sintrópica, conseguindo transformar o solo degradado da sua fazendo em um lugar com espécies diversas e exuberantes. Ele simplesmente respeitou a cultura. Primeiro, procurou entender como a floresta funcionava e, ao entendê-la, criou mecanismos que colocaram a produção de alimentos para funcionar na engrenagem do planeta. O resultado não foi apenas abundância, mas a transformação de uma área de proteção permanente das pessoas, em uma área de inclusão permanente.

Assim como o Ernest, temos que conhecer como as pessoas funcionam para criar processos que colocam a solução de problemas para funcionar na engrenagem da cultura – promovendo a inclusão das pessoas. Para fazer isso, temos que repensar nossos paradigmas e nossas crenças. Entender que a cultura corporativa se sustenta nos mesmos pilares da cultura da floresta: a partir da variedade de estilos e espécies, da diferenciação e da espontaneidade.

Olhando para os processos atuais, vemos que eles matam a diversidade e a espontaneidade, focando na individualidade ao invés de buscar inspiração no coletivo.

Cada organização é uma cultura particular, composta por pessoas que a reafirmam diariamente, estabelecendo as regras, valores e formas de comunicação entre elas. E, por isso, é fundamental conhecer como as pessoas funcionam e, só a partir daí, criar processos que aproveitem as forças invisíveis que existem em nosso modelo mental, usando-as a favor da produtividade e da criatividade.

Na palestra, explico cada uma dessas forças invisíveis, a partir das descobertas da economia comportamental, a fim de exemplificar os motivos pelos quais a maneira como resolvemos problemas é realmente um problema. Mas, indo além, também mostro como podemos criar alavancas para transformar os processos em mecanismos mais fluidos e eficientes, incorporando os princípios de jogos na transformação dos processos. A cada passo, o que se busca é colocar a favor cada força invisível que carregamos dentro e que, muitas vezes as empresas as reforçam para o negativo, tais como: o imediatismo, o medo de errar, o consenso, o automatismo e o egoísmo. Ao entender suas origens, podemos criar dinâmicas para que esses mesmos impulsos funcionem a favor, produzindo melhores soluções aos problemas a resolver.

Além dos princípios dos jogos, há um outro elemento importante nessa jornada: o conceito por trás dos jogos finitos e infinitos e, como a combinação entre eles pode ser benéfica para criar uma cultura com um horizonte claro.

Em uma empresa, um jogo finito pode ser considerado uma das etapas de um processo de resolução de problema. Cada etapa tem um começo e um fim, com objetivos claros e um resultado esperado. Assim como o ciclo da natureza: a colheita não é o fim da horta, somente uma etapa dela. A horta não morre no inverno, mas se prepara silenciosamente para outra estação.

Assim como a horta, as etapas finitas, fazem parte de uma jornada mais longa, que segue uma visão a longo prazo de onde a empresa deseja ir. Como diz o autor da teoria dos jogos finitos e infinitos, James P. Carse: “O jogo finito é jogado com o objetivo de vencer, e o jogo infinito com o propósito de seguir jogando.”

O objetivo de qualquer cultura é seguir existindo, não morrer. Quanto mais a consciência infinita existe na cultura, mais se cria um ambiente aberto a surpresas, com flexibilidade para sair de um roteiro definido (finito), uma vez que há uma claridade sobre o horizonte no qual se deseja seguir (infinito). É assim que conseguiremos celebrar a espontaneidade, a criatividade e a diversidade para chegar nas melhores e mais relevantes soluções.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

*Por Graziela Di Giorgi, CGO e diretora Brasil da SCOPEN.


+ Artigos

(Ser) menos, é (ser) mais

A definição de lealdade mudou 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]