Pesquisar
Close this search box.
/
/
Falta experiência do cliente na agenda ESG

Falta experiência do cliente na agenda ESG

A ideia central do conceito ESG tem valor, mas ele está escondido sob camadas de demagogia, pirotécnica de marketing e descolamento da vida real. Entenda

Em primeiro lugar, é absolutamente legítimo e necessário que as empresas assumam um compromisso real com a saúde do planeta, com iniciativas de inclusão, acesso e impacto social e, fundamentalmente, de transparência e governança de suas atividades e relacionamento com fornecedores, parceiros, acionistas e comunidades. Esse é o cerne da tão falada agenda ESG, sigla em inglês para ações Ambientais, Sociais e de Governança. Mas, infelizmente, à parte o compromisso ser legítimo, toda a narrativa e o desenvolvimento dessa agenda é um fenomenal exemplo de descolamento da realidade.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Falta consistência e senso de realidade às políticas ESG. Falta, sobretudo, a aplicação de estratégias básicas de experiência do cliente.

Porque tudo o que as empresas andam repercutindo, divulgando e desenvolvendo é tão etéreo, abstrato e distante do cotidiano e da percepção das pessoas, que fica a impressão de que as iniciativas nasceram dentro de quatro paredes, por voluntarismo pessoal.

Por outro lado, toda a ideia e o valor do CX partem do princípio elementar e inquestionável de que o cliente está no centro da estratégia.

Pensar o produto, o serviço, a jornada e o atendimento a partir do cliente para dentro da empresa já é uma ideia largamente disseminada (ok, mais disseminada do que praticada, mas é tendência em adoção acelerada).

Porém, com a agenda ESG, as iniciativas parecem desfocadas ou simplesmente atreladas a ideias vagas, que não conseguem conquistar o coração, a mente ou mesmo sensibilizar as pessoas comuns. Elas têm origem em uma suposta adequação de determinados programas aos acalores corporativos, portanto, de dentro da empresa para o mercado, no velho raciocínio linear e sequencial.

Não por acaso, ainda que alguns estudos tentem demonstrar o apreço dos consumidores a pautas de impacto social e ambiental conduzidas pelas empresas, poucos realmente foram produzidos sem vieses ou de forma a realmente compreender quais atividades são relevantes para os consumidores.

O problema é que os assuntos e temas trabalhados na agenda ESG não respondem aos problemas centrais da maioria das pessoas hoje em dia.

Inflação, desemprego, informalidade, custos da energia e do combustível, insegurança alimentar, moradias precárias, o flagelo das drogas, criminalidade, falta de representatividade democrática, descrença na eficiência política… São muitos os assuntos que afligem as pessoas comuns em seu cotidiano.

O foco deveria ser mostrar como atividades ligadas ao ESG podem colaborar para minimizar esses problemas reais. Por exemplo, de que forma o combate ao aquecimento global pode reduzir os custos da energia e tornar os veículos elétricos, conectados e autônomos mais acessíveis.

Mas não. O que vemos é uma imposição quase fanática de uma ilusória substituição acelerada de combustíveis fósseis, combinada com um despropositado controle da atividade agropecuária, que, por sua vez, retira renda e perspectivas de empreendedores sem qualquer contrapartida de curto prazo.

Pensando nos fatores críticos de sucesso das estratégias de CX, tempo, conveniência, facilidade, inclusão personalizada, valor percebido e gratificação, quais deles se aplicam hoje às várias atividades desenvolvidas pelas empresas em suas práticas de ESG? Quais delas criam conexões reais e emocionais com seus consumidores ferais, sem considerar um pequeno grupo de aficionados? Quais delas estimulam recorrência de compra, preferência, satisfação e encantamento?

É fundamental entender que o consumidor sabe que empresas não são “boazinhas”, que buscam lucros e a sustentabilidade do negócio. Ainda assim, o valor de atividades de impacto social vai além de ações de inclusão ou de respeito às agendas de identidade (essenciais).

É necessário ser realmente inclusivo, permitindo que os clientes tenham acesso universal aos canais digitais, condições de crédito, qualidade e transparência de informação e disponibilidade o máximo de tempo possível. Programas de formação profissional, respeito aos acordos e promessas também são imprescindíveis.

Por isso, o esforço de adesão à atividades, digamos, mais robustas pertencentes à agenda ESG deve estar acompanhada de informações que demonstrem os impactos imediatos na vida das pessoas. ESG não tem chance de se estabelecer sem obedecer aos ensinamentos e práticas de CX. Sem priorizar a experiência do cliente, as práticas de sustentabilidade e impacto social correm o risco de minguar até virar uma prática de empresas diletantes e de alcance reduzido.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Artigos

A ascensão de uma nova agenda social e sua conexão com os varejistas

Plástico marinho e ESG: conheça as boas práticas das empresas 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]