Pesquisar
Close this search box.
/
/
Facebook reduz investimentos. E o culpado seria a expansão de leis que protegem os dados pessoais

Facebook reduz investimentos. E o culpado seria a expansão de leis que protegem os dados pessoais

O Facebook deverá reduzir em 30% os investimentos para a contratação de novos engenheiros para os próximos meses. E o motivo tem nome: framework global de proteção de dados

A Meta, proprietária do Facebook, parece ter sentido os recentes ventos contrários na direção do seu negócio. Em uma recente carta enviadas aos seus funcionários, Mark Zuckerberg teria afirmado que a companhia passa por uma “das piores crises que vimos na história recente” e que se prepara para “ventos contrários e ferozes” para o futuro. Para Mark, os culpados seriam: crise econômica global e os recentes impactos da privacidade e proteção de dados em seus negócios de anúncios.

O resultado dessa combinação já é sentida na companhia. A Meta estaria disposta a reduzir em 30% a quantidade de contratação de novos engenheiros para os próximos meses. A informação foi obtida pela Reuters.

Preocupação faz sentido

Especialistas ouvidos pela Consumidor Moderno explicam que, independentemente se a carta seria ou não verdadeira, a informação sobre a preocupação da empresa faz sentido dentro do contexto regulatório de proteção de dados pessoais.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Antes da lei de proteção de dados europeia, a GDPR, eram pontuais as preocupações com legislações sobre o tema. Agora, o cenário é outro.

Segundo informações da United Nations Conference on Trade and Development (UNCTD), organização intergovernamental ligada à ONU, 66% dos países no mundo possuem legislação relacionada à proteção de dados e privacidade nas redes. Além disso, outros 10% possuem legislação em elaboração ou em tramitação.

Por outro lado, o mesmo levantamento aponta que  19% não possuem nenhuma legislação e 10% não disponibilizam dados relacionados ao tema.

Os EUA é um dos países que não possuem lei federal sobre o tema – o que existem, na verdade, são estados, como a Califórnia, que possuem legislação local sobre o tema. Mas isso poderá mudar em breve. E há quem diga que a proposta em debate poderá ser mais restritiva que a GDPR.

“Ela (proposta norte-americana), por exemplo, considera o dado de geolocalização como uma informação sensível, algo que as normas da União Europeia não fazem”, explica Fabrício da Mota Alves, advogado especialista em direito digital e integrante da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD).

Hoje, o dado sensível é um das informações mais difíceis de acessar e com as maiores punições, segundo leis como a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Ambiente global de proteção de dados

Para Fabrício, a preocupação no memorando do Facebook, verdadeiro ou não, é legítima. Segundo ele, o mundo está criando um grande framework ou estrutura global de privacidade de dados.

“Dentro dos sistemas legais de proteção de dados, a maior preocupação está na transferência internacional de dados – em suma, entre outras coisas, trata-se de uma ideia em que governos e/ou empresas troquem dados de pessoas que migrem ou viagem para outros países. Então, você vê que há um esforço bastante intenso da comunidade global para proteger a informação do cidadão”, explica Fabrício.

No caso do Brasil, além da LGPD, a proteção de dados virou uma proteção garantida pela Constituição Federal. E o país não está sozinho na América do Sul. O Chile também incluiu a privacidade em sua carta magna. Antes, países como a Argentina já tinham leis que protegem as informações das pessoas.

Para empresas como Facebook, a expansão desse framework global de privacidade de dados teria sido um golpe duríssimo, inclusive com multas elevadas. No ano passado, o WhatsApp recebeu uma multa da Comissão de Proteção de Dados Irlandesa (DPC) no valor de € 225 milhões por compartilhar os dados com o Facebook.

“Vemos que o Facebook é uma empresa que sempre surfou na ausência de legislação e regulação sobre o tema. Temos grandes escândalos com o Mark tendo que depor em frente ao congresso americano sobre o desrespeito brutal ao uso de dados. Então acredito que quanto mais essa questão dos dados está sendo regulamentada mais a Meta perde espaço”, explica Cauê Batista, advogado especialista em proteção de dados do Zilveti Advogados.

Os novos rumos do Facebook

O avanço do debate sobre o uso da inteligência artificial e a chegada do 5G podem intensificar ainda mais o debate sobre o uso de informações pessoais, principalmente espera-se que a troca de dados seja ainda intensa dentro desse cenário.
Nesse cenário, empresas terão que repensar os seus negócios, algo que o próprio Mark Zuckerberg teria comentado no memorando interno.

Um deles é o metaverso, sendo que a empresa planeja monetizar a partir da publicidade e até receber um percentual sobre tudo o que será vendido na companhia. Existem notícias não confirmadas de que ela estaria disposta a cobrar uma taxa de 50% por cada produto vendido.

Outra iniciativa seria aumentar os esforços para monetizar o Reels, do Instagram, e assim entrar de vez na batalha de vídeos com o Tik Tok.

Outro investimento não muito claro seria na Inteligência Artificial da companhia, que poderá ficar mais robusta nos próximos anos.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente 


+ Notícias

Autoridade Nacional de Proteção de Dados virou uma autarquia: o que muda na prática? 

5 previsões de proteção de dados e cibersegurança para 2022 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]