Pesquisar
Close this search box.
/
/
Excesso de canais é armadilha para a omnicanalidade

Excesso de canais é armadilha para a omnicanalidade

Proporcionar uma experiência única e fluida em todos os canais disponíveis para o cliente é desafio diário para as empresas

A palavra omnicanalidade está presente no vocabulário da maioria das empresas, mas na prática isso é diferente. Ser omnicanal é estar disponível para o cliente em todos os lugares e momentos, oferecendo a mesma experiência a partir de uma jornada fluida, ou seja, sem fricções. Implementar o conceito no dia a dia se torna um grande desafio.

Lucas Mancini, Diretor da M&Q Métricas e Qualidade: Consultoria de Processos, lembra que nos últimos anos a multicanalidade foi uma “aventura” e agora se mostra uma armadilha. “A empresa precisa estar disponível com o mesmo legado de conhecimento em todos os canais que foram criados quando se falava em dar mais opções de interação com o cliente. Mas o desafio se tornou dar conta de todos os contatos de maneira racional e satisfatória, entregando melhores serviços e experiência para o cliente”, afirma.

Mediador do painel “Customer experience na trilha da omnicanalidade: aprendizados e desafios”, no CONAREC 2022, Mancini abordou o tema de forma crítica ao lado de Bruno Cunha, Superintendente executivo de cliente e atendimento do Banco Pan; Jeferson Amendolara, CEO da Hybri; Vitor Simão, Head da Qualtrics Brasil; e William Malfatti, Diretor de relacionamento com clientes e médicos, comunicação e marketing do Grupo Fleury.

painel omnicanalidade

Para os executivos, a omnicanalidade faz parte de um conjunto de fatores bem estruturados dentro da empresa. Bruno Cunha, do Banco Pan, explica que cada canal tem a sua especificidade e, agora, é necessário integrá-los. “Isso só é possível a partir de boa tecnologia e gestão de dados, além de uma ferramenta para entender claramente o que aconteceu com o consumidor nas outras interações. O atendente precisa estar treinado e saber operar de acordo com a omnicanalidade, ou seja, de acordo com os contatos anteriores. O que não é comum e quando acontece o cliente elogia”, afirma.

Jeferson Amanedolara, da Hybri, ressalta que, nesse processo, apenas a tecnologia não é suficiente. “Persona, jornada de compras e cultura são essenciais. Se o cliente liga para um SAC é porque deseja resolver rápido. E se a empresa tem conhecimento profundo das personas, ela consegue desenhar jornadas assertivas para diferentes perfis. Sem uma cultura de customer centric, de empatia, nenhuma tecnologia resolve o problema.”

Dessa forma, o primeiro passo para a omnicanalidade efetiva é investir em tecnologia com propósito. Busca-se entender o que é valor para o cliente e, a partir disso, aproveitar do digital para criar experiências únicas que façam parte da empresa como um todo, e não de um canal específico.

Sua empresa está no caminho da omnicanalidade?

Quando se trata de CX e omnicanalidade, há a necessidade de entender que não se trata apenas de uma área, mas sim de uma estratégia 360º que está no DNA da empresa. “Áreas de CX, CRM e marketing são aproximadas para trabalharem de forma integrada. A governança de disparos é vital. No fim, o objetivo de todos deve ser cuidar bem dos canais, respeitar a especificidade de cada um e a jornada integrada. Tudo com muita informação do cliente”, afirma Bruno Cunha.

Na área da saúde, por exemplo, o Grupo Fleury entendeu que não existe uma fórmula exata para a experiência omnicanal. É preciso personalizar o máximo possível e estar com a atenção constantemente voltada aos sinais do cliente.

“Temos aprendido que tratar dados não é só na perspectiva de oferta de canais, mas também na melhora da produtividade da organização para ganhar fluidez nesses canais que já existem. Todos que trabalham com atendimento deveriam ser caçadores de fricção para que a experiência melhore sempre. Não há um padrão e é preciso estar preparado para tudo, por isso criamos experiências diferentes para cada região do Brasil, uma forma de gerar proximidade”, conta William Malfatti.

Porém, na corrida incessante por ter dados e conhecer melhor o cliente, o cuidado com a experiência deve estar em primeiro lugar. Lucas Mancini faz um alerta: “Existe hoje uma espécie de epidemia de cobrança para o cliente fazer uma avaliação. Está surgindo uma ditadura da métrica perigosa e com potencial de ‘matar’ o cliente pela intrusão de pedir a todo custo uma avaliação”.

Vitor Simão, da Qualtrics Brasil, vai além e afirma: “A métrica não adianta de nada. O NPS é muito importante, mas é só uma métrica. O que vale é o que você faz com o feedback do cliente. Cada vez mais acredito que a gente tem que olhar não tanto para o feedback direto do cliente, mas para os indiretos que ele passa. Coletar a experiência de maneira menos invasiva é cada vez mais importante”.

“Não podemos ficar escravos do Excel ou dos sistemas. Temos que estar muito atentos à cultura porque o ato de servir deve ser genuíno. O caminho é trabalhar a nossa essência para servir como a gente gostaria de ser servido”, completa William Malfatti.


+ Notícias 

Empresas digitais têm olhar atento para entregar o que o cliente precisa

O poder do digital para alavancar a experiência

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]