Pesquisar
Close this search box.
/
/
EUA pode aprovar lei que aplica customer experience nos serviços públicos

EUA pode aprovar lei que aplica customer experience nos serviços públicos

Estudo da Forrester aponta que serviços públicos nos EUA chegaram ao pior nível histórico. Lei que implementa o customer experience estatal pode ser solução

O mais recente Índice Federal de Experiência do Cliente (CX) de 2020 da Forrester, com base nos serviços públicos e privados oferecidos nos EUA, aponta o que alguns cidadãos americanos já desconfiavam há algum tempo: a prestação dos serviços públicos passa por uma crise, possivelmente a maior de todos os tempos.

De acordo com o levantamento, o serviço público é o pior entre todos os setores da sociedade americana, incluindo varejo, indústria, serviços e outros. O assunto mexeu tanto com os brios dos americanos que virou até promessa de campanha do presidente eleito Joe Biden.

Felizmente, os americanos já teriam o remédio para solucionar o problema: o uso do customer experience nos serviços públicos, inclusive via projeto de lei. E isso já está em debate.

Trust in Public Service ou TIPS Act

Em meados de junho do ano passado, o senador Chris Murphy, Richard Blumenthal (conhecido por D-Conn), James Lankford e Jim Inhofe (o R-Okla) apresentaram um projeto de lei bipartidário, ou seja, de comum acordo entre republicanos e democratas, que pretende difundir os princípios do customer experience usado pelas empresas do setor privado nos serviços públicos de uma maneira em geral.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Em linhas gerais, a lei, que ganhou o nome de Trust in Public Service ou TIPS Act e possui 76 páginas, estabelece a experiência do cliente como meta de atuação para os órgãos federais que mais se relacionam com o público. A Lei TIPS visa melhorar a confiança do público nas instituições governamentais.

“Restaurar a confiança dos cidadãos americanos no governo começa ajudando as pessoas a se sentirem ouvidas e informando que os funcionários públicos estão aqui para ajudar a resolver seus problemas. Esta não é uma questão partidária, e estou feliz em trabalhar com meu colega senador Lankford nesta legislação”, informou Murphy em um comunicado divulgado à epoca. “Nosso projeto melhorará a experiência do cliente para todos que interagem com o governo federal e ajudará as agências federais a se comunicarem com o público sobre os serviços disponíveis para eles e como o governo pode melhorar suas vidas”.

O TIPS Act é o mais recente projeto de lei para abordar o que a norma define como a experiência federal do cliente. Ele se junta ao Federal Agency Customer Experience Act, que foi apresentado em meados de maio por Lankford e a senadora Maggie Hassan. Ambos os projetos têm pelo algum apoio bipartidário, com legisladores de todas as afiliações políticas concordando que a prestação de serviços federais deve corresponder mais ao setor privado.

“Isso tornará mais fácil para as agências avaliarem o desempenho dos funcionários, reconhecer aqueles que prestam serviços excepcionais e abordar áreas que precisam de melhorias. O Congresso deve trabalhar para uma experiência de atendimento ao cliente do século 21 para que o governo federal sirva melhor ao povo americano”, disse Lankford em comunicado.

Lei cria o CCO estatal

De acordo com o projeto de lei, a TIPS Act forneceria recursos e responsabilidade para as agências melhorarem suas pontuações de experiência do cliente e, além disso, criaria uma comissão consultiva federal para aconselhar os esforços de experiência do cliente.

A proposta também criaria o cargo de diretor de experiência do cliente dos EUA, que seria responsável por avaliar todas os serviços prestados ao público.

Também conhecido como chief customer officer, ele será o responsável por supervisionar o escritório de Customer Experience, órgão que seria criado pela medida. De acordo com a legislação, o diretor de experiência do cliente consultaria os chefes das agências e “serviria como o principal funcionário responsável por melhorar a confiança do público no governo federal”.

Embora existam vários diretores de experiência do cliente no nível de agência do governo, as funções do diretor de experiência do cliente do governo refletem as desempenhadas pelos diretores de cliente em empresas multinacionais.

Bases do customer experience estatal

Para a lei, a experiência federal do cliente é a maneira pela qual o Governo Federal e as agências consideram os clientes federais no centro do processo de tomada de decisão. Para tanto, a norma defende que o governo precisará adotar algumas medidas:

  • Entender as necessidades na perspectiva de um cliente federal;
  • Considerar toda a jornada de um cliente Federal, ao invés de simplesmente o ponto de atendimento;
  • Solicitar e considerar o feedback voluntário do cliente e;
  • Medir o desempenho

Além disso, a proposta sugere algumas mudanças na cultura estatal de prestação de serviço estatal. Uma delas é a adoção de uma “abordagem global, integrada e empresarial para a prestação de serviços”.

Além disso, o projeto defende o desenvolvimento de uma capacidade técnica do Governo Federal, assim como já foi feito com o estabelecimento do Serviço Digital dos Estados Unidos e do Serviço de Transformação Tecnológica da Administração de Serviços Gerais, que cria uma estratégia, responsabilidade e estrutura de desempenho para identificar e definir experiências e gerenciar melhorias nos sistemas de entrega das agências.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Há ainda a exigência do aprimoramento da experiência do cliente com base na compreensão das verdadeiras necessidades do público “e não apenas em mandatos individuais de agências ou programas”.

É preciso ainda identificar prioridades ambiciosas de experiência do cliente em todo o governo e agências. Há ainda a premente necessidade do desenvolvimento de abordagens consistentes para a experiencia do cliente em todo o Governo Federal, pois a consistência é fundamental para construir a confiança em todo o Governo.

Projeto já na Câmara

O projeto foi aprovado e já foi encaminhado para a Câmara Federal americana. Por lá, a proposta foi apresentada pelos deputados Gerry Connolly, Don Beyer, e Barry Loudermilk e Drew Ferguson.

“O Trust in Public Service Act finalmente capacitaria o governo federal a incorporar a experiência do cliente em toda a empresa federal com a criação de um Chief Customer Experience Officer dos Estados Unidos”, disse Connolly em comunicado.

“O povo americano tem o direito de esperar um alto nível de serviço e profissionalismo de nossas agências federais, uma vez que lidam com alguns dos aspectos mais sensíveis de nossas vidas”, disse o Loudermilk em comunicado.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Por que o iMessage da Apple está no centro de uma discussão sobre segregação social?

O que diz o estudo da Senacon sobre a regulamentação do superendividamento?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]