Pesquisar
Close this search box.
/
/
Escolas fecham o cerco ao celular

Escolas fecham o cerco ao celular

Várias localidades estão proibindo os alunos de usarem celular nas escolas, com o pretexto de que eles tenham mais foco e concentração.

Por todo o País, os alunos matriculados nas instituições educacionais retornaram, nesta semana, ao ambiente escolar para retomar suas atividades acadêmicas e receber conhecimento em disciplinas diversas. No entanto, uma restrição norteará o comportamento dos alunos, professores, coordenadores e toda direção de ensino. Essa proibição diz respeito ao uso do celular em sala de aula. Agora, o uso de aparelhos celulares dentro das dependências do colégio é vedado. E isso vale tanto para a cidade do Rio de Janeiro quanto o Rio Grande do Norte, inclusive nos momentos de intervalo, destinado ao descanso e lazer dos alunos.

No Estado de São Paulo também há bloqueios. E em todas as 645 cidades, os alunos estão proibidos de acessar as redes sociais e aplicativos de streaming, bem como de usar wi-fi e cabos para esse fim. Essa medida também se estende aos funcionários e alunos das escolas, com o objetivo de otimizar o uso da infraestrutura tecnológica.

Em Santa Catarina, o uso é vetado desde 25 de janeiro de 2008, consoante a Lei nº 14.363. Apesar de existir há 16 anos, essa legislação não cria nenhuma especificação a respeito dos limites de uso do celular, sendo bem breve com a determinação no seu artigo 1º, que diz: “Fica proibido o uso de telefone celular nas salas de aula das escolas públicas e privadas no Estado de Santa Catarina”.

Rio de Janeiro

No Rio, a novidade foi anunciada por meio do Decreto nº 53.918 publicado no Diário Oficial no dia 2 de fevereiro. Assinado pelo prefeito Eduardo Paes, o documento tem o objetivo de promover maior concentração dos estudantes em suas atividades educacionais. A medida entrará em vigor no início de março. A determinação revoga a normativa anterior, que estipulava que deveria que o uso do aparelho seria restrito apenas dentro da sala de aula.

A Secretaria Municipal de Educação tomou a decisão de proibir o celular com base em uma consulta pública que recebeu mais de 10 mil contribuições. Os resultados revelaram que 83% dos participantes foram favoráveis à proibição, 11% parcialmente favoráveis e 6% contrários. A ação se embasou também em estudos da Bélgica, Espanha e Reino Unido, os quais mostram que proibir telefones celulares nas escolas melhora o desempenho acadêmico, especialmente para estudantes com baixo desempenho.

O Rio é a primeira capital do país a tomar essa decisão.

Durante todo esse mês de fevereiro, até a implementação da medida, a Secretaria de Educação conduzirá atividades de adequação e regulamentação nas escolas.

Rio Grande do Norte

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte (ALRN) promulgou a lei que proíbe o uso de smartphones “para fins não pedagógicos” em salas de aula no estado no dia 17 de janeiro. O deputado estadual Hermano Morais (PV) é o autor da Lei nº 11.674.

Na prática, a nova norma proíbe a utilização de celular durante o período escolar nos níveis fundamental e médio, independentemente das escolas serem públicas ou privadas.

Para Hermano Morais, a medida “visa assegurar um ambiente propício para a concentração e aprendizado dos estudantes”

Propósito

Em todos os lugares, o objetivo é o mesmo: coibir os eventuais transtornos causados pelas distrações oferecidas pelos aparelhos celulares. E isso promoverá uma otimização maior do tempo destinado ao processo educacional.

Na prática, as leis pretendem conscientizar os alunos sobre a importância da dedicação integral às atividades escolares, sem interrupções desnecessárias. Afinal, a presença constante das tecnologias móveis no cotidiano dos estudantes pode impactar negativamente no seu engajamento e na capacidade de concentração necessária para absorver o conteúdo pedagógico.

A ideia, portanto, é ter um ambiente escolar mais focado, estimulante e propício ao aprendizado, evitando as possíveis distrações que os smartphones causam. Essa decisão visa, ainda, incentivar interações interpessoais entre os alunos durante os momentos de intervalo. Por consequência, é que haja um desenvolvimento de habilidades sociais e a criação de um senso de comunidade mais forte dentro do colégio. Os estudantes serão motivados a conversar e interagir uns com os outros, fortalecendo os laços de amizade e promovendo a troca de conhecimentos entre eles.

Polêmicas

Contudo, em nenhuma das legislações ficou especificado o que acontecerá com os alunos que transgredirem as regras. As regras não pontuam também se será permitido para educadores confiscar o celular.

De acordo com o artigo 88 da Lei nº 9.394, cada escola tem autonomia para fazer o seu regimento interno. Ou seja, estabelecer as próprias regras de convivência na sala de aula.

Tecnologia x Desempenho acadêmico

O Programa de Avaliação Internacional de Estudantes (Pisa) da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) aponta uma correlação negativa entre o uso excessivo de tecnologias e o desempenho acadêmico. Conforme a pesquisa, 45% dos alunos relataram que se sentem ansiosos ou nervosos se seus telefones não estivessem perto deles.

Dos entrevistados, 65% relataram serem distraídos pelo uso de dispositivos digitais quando estão na sala de aula.

Ademais, no Brasil, um levantamento da empresa McAfee mostrou que o país é o líder no uso de celulares por crianças e adolescentes. Hoje cerca de 96% dos menores de idade fazem uso de smartphones. O número é 19% maior que a média global de utilização entre os mais jovens.



Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]