Pesquisar
Close this search box.
/
/
Erros que diminuem o debate sobre o direito do consumidor

Erros que diminuem o debate sobre o direito do consumidor

Não é de hoje que reportagens apontam que o direito do consumidor representa pouco mais de 4% do total de processos na Justiça brasileira. O percentual não apenas está equivocado, mas diminui a verdadeira importância do tema

Nas últimas semanas alguns jornais e até websites se aventuraram em traçar o total de ações que desrespeitam o Código de Defesa do Consumidor (CDC). Trata-se de uma conta que não possui uma resposta fácil e muito menos definitiva. No entanto, apesar das dificuldades, os números exibidos estão distantes da realidade e, de certa forma, diminuem o debate sobre o direito do consumidor.

A Consumidor Moderno listou alguns dos erros: há desde o uso incorreto dos dados e o fato de alguns processos não serem considerados nos levantamentos feitos por órgãos de imprensa.

Dados do ano passado

Um exemplo foi a recente reportagem de um conhecido jornal econômico que utilizou os dados do relatório “Justiça em Números 2020”, produzido pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). E aqui estaria o primeiro erro.

O tradicional relatório do CNJ utiliza dados do ano anterior, logo o Justiça em Números de 2020 utiliza dados dos processos judiciais em 2019. E o que aconteceu?

Embora a reportagem diga que os números sejam de 2019, na verdade ela publicou as informações de 2020.

“Segundo o relatório “Justiça em Números 2020”, do CNJ, o direito do consumidor figura entre os assuntos mais demandados em 2019, sobrecarregando o sistema. Nos tribunais de Justiça estaduais, ocupa o primeiro lugar, com 4,4% de 2,3 milhões de processos. Segundo o Conselho, o total de casos em 2020 chega a 5,6 milhões, pois ainda são considerados processos ajuizados em outros ramos da Justiça, como a federal e os tribunais superiores”, dizia a reportagem.


Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


De acordo com os dados do CNJ de 2019, o total de ações consumeristas foi de exatos 6.736.726. Em 2020, as ações caíram significativamente e chegaram a 5.585.938 de ações ou os quase 5,6 milhões citados pela reportagem. No entanto, o uso desses números também possui falhas importantes.

Casos novos

O relatório do Justiça em Números do CNJ é dividido em três grandes grupos de quantidade de processos: baixados (ou encerrados ou com trânsito julgado), além dos novos e pendentes.

Os casos novos são aqueles que os processos possuem menos de um ano em um determinado tribunal. Já os casos em andamento são aqueles que romperam a barreira dos 365 dias.

E por que entender isso é importante? Tudo indica que os dados utilizados pela reportagem se referem aos casos novos ou uma parte da verdadeira quantidade de processos em discussão no País.

A Consumidor Moderno pediu para a Associação Brasileira de Jurimetria (ABJ), responsável por um dos mais amplos levantamentos de ações consumeristas do CNJ, mostra que as demandas de direito do consumidor corresponderam a 10,1% do total de casos de primeiro grau no ano em 2020 – ou mais precisamente 5.585.938 de ações. Em outras palavras, os tais 5,6 milhões é o total de processos com base no direito do consumidor que entraram em 2020 nas Justiças Estaduais, incluindo o Juizado Especial, Justiça Federal e instâncias superiores (STJ ou STF).

A reportagem não necessariamente errou nos 5,6 milhões, mas equivoca-se ao afirmar que os 2,3 milhões de processos ingressaram em 2020 nos TJs do País. Nos Tribunais de Justiça, o número seria de 5,4 milhões.

Direito do consumidor: justiça em números do CNJ
Crédito: reprodução/ Justiça em Números do CNJ

Além disso, o percentual de 4,4% alegado pela reportagem é outro equívoco.

Conforme disse a ABJ, o direito do consumidor representa 10,1% do total de casos novos que entraram nos tribunais brasileiros em 2020. No entanto, se considerarmos apenas os tribunais estaduais, o peso do CDC é ainda maior para os TJs.

E por isso acontece?

Os TJs dos Estados representam a maior porta de entrada de processos consumeristas no País e não apenas pela Justiça convencional. Os números incluem os Juizados Especiais, que somente no ano passado tinham pouco mais de 1.57 milhão de processos consumeristas. Não à toa, os Jecs, como são conhecidos, ganharam o apelido de tribunal do consumidor.

“Se considerarmos somente a Justiça Estadual, a proporção sobe para 16,1%”, afirma Julio Trecenti, secretário geral da entidade e um dos mais renomados especialistas em dados jurimétricos.

Abaixo, veja a distribuição de processos em direito do consumidor dentro dos tribunais e instâncias.

Abaixo, veja os motivos de processos com base no direito do consumidor:

Direito do consumidor em outros tribunais

Alguns especialistas ainda apontam que a quantidade de processos que citam o direito do consumidor poderia ser ainda maior. Para que isso ocorra seria necessário incluir os processos que citam o direito do consumidor, mesmo que de forma indireta.

Mais uma vez, é preciso olhar para o estudo do CNJ. Nele, o Direito Civil foi o maior assunto que mais demandou casos novos em 2020, com 12 milhões de processos.

Dentro do Direito Civil existem muitos processos que utilizem o CDC, porém o código do consumidor se torna um assunto quase secundário no processo. Infelizmente, o CNJ não consegue separar as ações que citam o Direito do Consumidor de maneira indireta, mas o fato é expressivo.

Dentro do Direito Civil, um dos temas mais comuns é a discussão na Justiça sobre a obrigação prevista em contrato entre credor e endividado. Dentro desse tema, há desde alienação fiduciária (quando o devedor, com o escopo de garantia, transfere ao credor a propriedade do bem submetida à condição resolutiva, com 574 mil processos), compra e venda de algo (217 mil casos) e até mesmo cartões de crédito (mais de 50 mil processos).

Sobre alienação fiduciária, o próprio CDC cita o tema no artigo 53. Nele, basicamente fica expresso que é proibido incluir em contrato que o consumidor perder prestações já pagas em caso de inadimplemento.

E os casos em andamento?

Há ainda os casos pendentes (ou estoque) no Judiciário,  que representa aproximadamente 70% dos processos na Justiça brasileira. No entanto, ao contrário do que ocorre com os casos novos, o Justiça em Números não exibe detalhes percentuais do estoque.

Especialistas, no entanto, estimam que o direito do consumidor aparece em 30% dos processos, mesmo que de forma indireta. Isso colocaria o CDC como uma das maiores fontes de judiciailização no País.

O percentual pode parecer exagerado, porém ajuda a demonstrar o verdadeiro impacto do direito do consumidor na vida do brasileiro. E a lei do superendividamento, incluída no CDC, vem aí.


+ Notícias

Monitoramento da Lei Geral de Proteção de Dados começa em janeiro de 2022

LGPD for kids: o tratamento de dados de crianças e adolescentes nos games

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]