Pesquisar
Close this search box.
/
/
Economia digital e uma nova chance para o Brasil

Economia digital e uma nova chance para o Brasil

Estudo da Accenture mostra que país é pouco produtivo em tecnologia, mas tem potenciais únicos. Veja a entrevista

A agilidade e eficiência com que governo, empresas e pessoas de um país se apropriam da tecnologia para gerar novas riquezas é um ativo valioso. E numa lista de 20 economias avaliadas sob essa ótica, o Brasil ficou em 17º.

É o que mostrou um estudo feito pela consultoria e provedora de serviços digitais Accenture, que criou um índice para medir essa relação de cada economia com a tecnologia – o NAC Index (“Capacidade de Absorção Nacional”, na sigla em inglês).

Com uma escala que vai de zero a 100 pontos, o Brasil recebeu 32,4; à frente apenas de Itália (31,3), Índia (29,9) e Rússia (21,3). Na outra ponta, Estados Unidos (64), Suíça (63,9) e Finlândia (63,2) se revelaram os países mais ágeis e efetivos em converter recursos digitais em ganhos econômicos.

Para Armen Ovanessoff, diretor geral do braço de pesquisas da Accenture e coordenador do estudo, as razões que seguram o Brasil para baixo são velhas conhecidas dos brasileiros, como baixos níveis de educação, infraestrutura e produtividade. Mas Ovanessoff é otimista: em uma economia que será cada vez mais digital, o Brasil leva larga vantagem. “Não sabemos quais serão os trabalhos do futuro, mas sabemos que criatividade, emoção e empatia serão habilidades valiosas; e isso vocês têm como ninguém”, diz.

No entendimento da Accenture, a revolução digital por que passa o mundo é uma oportunidade sem precedentes para os países darem um salto em desenvolvimento, conforme tecnologias novas e antigas se unem, se espalham e se tornam mais simples, baratas e acessíveis. Internet das coisas, redes sociais, analytics, nuvem e inteligência artificial são algumas delas. “Vivemos uma revolução como a invenção da energia elétrica, só décadas depois de seu surgimento pudemos entender o que ela mudaria em nossas vidas. E não chegamos lá ainda para saber.”

Original da Inglaterra mas vivendo em São Paulo há dois anos, Ovanessoff participou da Futurecom 2016, que acontece entre os dias 17 e 20 de outubro na capital paulista. Entre uma palestra e outra, conversou com a Consumidor Moderno e falou sobre o potencial digital brasileiro, startups e tecnologia. Veja os principais trechos.

Ovanessoff e Mark Purdy, economista-chefe da Accenture Reseacrh, falaram durante a Futurecom 2016 (Foto: Divulgação)
Ovanessoff e Mark Purdy, economista-chefe da Accenture Reseacrh, falaram durante a Futurecom 2016 (Foto: Divulgação)

A que você credita a pontuação ruim do Brasil em aproveitamento digital?
Fizemos um estudo grande sobre o Brasil há alguns anos, e a conclusão foi toda sobre como sua principal limitação é a produtividade. Isso embute questões como educação, investimentos, infraestrutura; o que não é nenhuma surpresa. A surpresa é como o Brasil sobreviveu várias décadas sem mexer nisso. Mas, do ponto em que está agora, não tem nenhum outro caminho possível além de investir em produtividade. Por sorte, este é o momento para fazer isso. Há uma série de tecnologias, muitas das quais sempre estiveram por aí, e que agora são muito mais fáceis e acessíveis. E, se por um lado o Brasil tem deficiências, por outro tem ingredientes tão próprios e que não se acham em muitos países.

Quais são esses ingredientes?
Os brasileiros têm um apetite inacreditável por tecnologia. Estão entre os maiores mercados do mundo em mídias sociais e outras coisas desse gênero. Há também uma organização da economia, as coisas chegam a acontecem muito rápido. Mercado de consumo é um dos pontos-chave da economia digital, e o Brasil é intensivo nisso.  Outra coisa que me impressiona é a comunidade de startups que há aqui, ela é muito viva e dinâmica. No futuro, muitos novos tipos de trabalho que ainda não conhecemos vão surgir, ligados à tecnologia. Muitos também vão se perder, mas sabemos que criatividade, emoção e empatia serão habilidades valiosas; e isso vocês têm como ninguém.

Por que você diz que o ambiente de startups no Brasil te impressiona?
Há coisas fascinantes acontecendo, e não é só em São Paulo, mas em várias capitais. A Accenture tem um laboratório no Brasil onde compartilhamos experiências com startups e grandes companhias; e vemos esses empreendedores indo para fora, para o Vale do Silício, levar seus aplicativos e projetos. Porque eles são bons. São pessoas jovens, versáteis, dispostas a se internacionalizar. Contrasta com as grandes empresas tradicionais do Brasil, que se internacionalizaram bem menos do que outras na China ou na Índia. Para elas, o Brasil já é um grande mercado e acabam ficando aqui. Mas se internacionalizar não é só uma questão de ganhar vendas. É sobre acessar outras habilidades e tecnologias para trazer de volta e vender mais no Brasil mesmo.

Com nossas deficiências, como aproveitar esse “bônus digital”?
Há o lado técnico da questão, que exige políticas voltadas para educação e formação, mas há muito o que as empresas podem fazer também, no que diz respeito à adoção dessas tecnologias. O que vemos hoje são empresas correndo atrás de resolver diversos problemas diários, o que toma tempo e gasta dinheiro. Com a tecnologia, elas podem acompanhar e avaliar em tempo real se o que está sendo feito funciona ou não, e evitar perdas futuras. Quer dizer, não é só uma questão de recursos, é questão de cultura também.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]