Pesquisar
Close this search box.
/
/
DPDC pode investigar apagão do WhatsApp por desrespeito ao consumidor

DPDC pode investigar apagão do WhatsApp por desrespeito ao consumidor

Órgão ligado a Senacon analisa a possibilidade de investigação contra o Facebook por causa do apagão ocorrido na última segunda-feira. Procon São Paulo já notificou a empresa

O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão ligado a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), cogita abrir uma investigação contra o Facebook por causa do apagão ocorrido do mensageiro WhatsApp e das redes sociais Instagram e Facebook. Nesta terça-feira (5), o Procon São Paulo notificou a empresa fundada por Mark Zuckerberg e cogita multar a companhia em mais de R$ 10 milhões.

Segundo uma fonte, até às 20h desta terça-feira, não havia a confirmação informação sobre a abertura de uma investigação contra o Facebook no âmbito do governo federal.

Em São Paulo, no entanto, o início da investigação já começou. Em um vídeo, Fernando Capez, diretor do Procon São Paulo, confirmou a notificação e o início da apuração sobre o apagão.

“O Procon notifica hoje (5) o WhatsApp em razão da queda do sinal de mais de seis horas. Muitas pessoas sofreram prejuízos em razão da prestação deficiente do serviço. O Procon deseja saber qual foi a causa que levou a essa pane. Somente o caso fortuito externo, caso de um terremoto ou outro evento forte, poderia isentar o WhatsApp de responsabilidade. Falhas internas não exigem a responsabilidade da companhia”, afirma Capez.

Sobre as possíveis queixas de consumidores, Capez pediu cautela aqueles que se sentiram lesados. “O consumidor que se sentiu prejudicar deverá aguardar as informações prestadas pelo WhatsApp ao Procon e a manifestação se eventualmente haverá multa ou não”, afirma Capez, sem citar no vídeo qual direito do consumidor teria sido desrespeitado.

Especialistas

Especialistas ouvidos pela Consumidor Moderno sugerem que tanto os consumidores quanto os órgãos que defendem os consumidores atuem com cautela. Uma das sugestões é que os órgão notifiquem as empresas para, enfim, entender o que realmente ocorreu no apagão.

No entanto, os especialistas são unânimes em apontar possíveis desrespeitos ao consumidor na prestação do serviço com base no Código de Defesa do Consumidor (CDC), mesmo que a remuneração ocorra de uma maneira pouco convencional: o uso de dados pessoais.

Vitor Hugo do Amaral Ferreira, professor e advogado especialista em direito do consumidor, entende que a configuração do desrespeito ao CDC pelo apagão, em si, é muito amplo. Nesse sentido, ele sugere a notificação, investigação e análise das razões que levaram ao incidente e, principalmente, levantar eventuais danos aos consumidores, dentre eles o vazamento e/ou violações de dados.

“Existem conjunções possíveis. O Facebook presta-se como fornecedor de um serviço, ainda que não se pague diretamente por isso; ganha-se com os dados, as informações que os usuários/consumidores lá disponibilizam, a interligação de algoritmos e a funcionalidade da rede depende de quem a usa, estabelece-se entre outra sentidos a relação jurídica, que por sua vez também é uma relação jurídica de consumo”, explica.

O presidente Fórum Nacional das Entidades Civis de Defesa do Consumidor (FNECDC), Cláudio Pires Ferreira, explica que, por analogia, a falha na prestação de serviço poderia ser comparada ao fornecimento de energia elétrica – o que já resultou em queixas e até no pagamento de indenização ao consumidor.

“Primeiro lugar, não houve bloqueio, mas uma falha interna. Nesse sentido, eu entendo que se aplica o Código Civil e o Código de Defesa do Consumidor. Existem algumas possibilidades. Um exemplo: um monte de comerciantes tem o canal de venda pelo WhatsApp e, justamente nesse dia, ele deixou de vender o seu produto. Houve uma falha na prestação do serviço e esse seria o fato gerador. Aí a gente poderia pensar de maneira análoga: uma empresa de energia elétrica não ofereceu energia elétrica por cinco horas. Houve prejuízo ao consumidor”, afirma.

experiência-do-cliente

Claudio afirma que, embora não exista uma remuneração direta, o WhatsApp é um serviço essencial para a sociedade. Até por esse motivo, ela precisa dar explicações à sociedade. “O CDC não fala na continuidade de serviços pagos. Ele diz que serviços essenciais devem ser contínuos. Mesmo que não se pague, ele é colocado à disposição e é essencial”, afirma.

Na avaliação de Filipe Vieira, advogado especialista em direito do consumidor e ex-presidente da ProconsBrasil, existem duas abordagens possíveis de desrespeito ao direito do consumidor. Na primeira, existem empresas que pagam a rede social para publicar e direcionar determinados conteúdo e que foram prejudicados.

“Elas podem questionar isso judicialmente, discutindo os lucros cessantes, ou seja, o que ela deixou de ganhar em quase um dia inteiro de trabalho inoperante. A segunda abordagem é sobre aqueles consumidores que fizeram compras e que dependiam da relação de consumo travada pelo WhatsApp. Até por esse motivo, as lojas devem sempre cuidar e manter atualizados os seus canais e disponibilizar mais de um canal”, explica.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]