Pesquisar
Close this search box.
/
/
Conheça os seus direitos de consumidor em contratos com instituições de ensino

Conheça os seus direitos de consumidor em contratos com instituições de ensino

Confira dicas para que alunos e responsáveis fiquem por dentro de seus direitos em relação à matrícula, mensalidade e mais detalhes de contratos com instituições de ensino

É comum que os consumidores tenham muitas dúvidas em relação aos contratos com instituições de ensino, desde a matrícula nas escolas e universidades, até sobre como agir em situações que venham a ocorrer ao longo do ano letivo. Por conta disso, os Procons estaduais têm publicado cartilhas com orientações aos estudantes e responsáveis de alunos menores de idade para que eles fiquem bem informados sobre os seus direitos e deveres como consumidores.

Para facilitar, a Consumidor Moderno enumerou as principais recomendações trazidas pela a Cartilha Escolar 2023, lançada pelo Procon-RJ, que responde perguntas que o órgão tem recebido com frequência, envolvendo dúvidas sobre a lista de material escolar, matrículas, inadimplência e acessibilidade nas escolas, por exemplo. Juntamos a esse material às dicas publicadas pelo Procon-SP na cartilha Matrículas Abertas e separamos por temas, como vocês poderão observar a seguir.

Na hora da matrícula

  • O aluno já matriculado em uma unidade de ensino e adimplente tem o direito de renovar sua matrícula. A escola não pode restringir a renovação de forma unilateral, a não ser quando houver uma justificativa razoável.
    Caso o aluno não esteja em dia com o pagamento de suas obrigações, a lei não prevê o direito de renovação da matrícula.
  • As instituições de ensino não podem se negar a matricular alunos com deficiência. Este aluno terá direito a acompanhamento e apoio especializados, com recursos de acessibilidade. Nenhum valor adicional poderá ser cobrado por isso.
  • As escolas podem promover a reserva de matrícula para o próximo ano letivo já a partir do segundo semestre do ano anterior, o que é feito mediante a cobrança de uma taxa. Porém, a soma de todas as parcelas a serem pagas (incluindo essa taxa) não poderá ultrapassar o valor total da anuidade ou semestralidade prevista no contrato.
  • O aluno ou responsável têm direito à devolução integral do valor pago a título de matrícula quando desistir do curso antes do início das aulas. O mesmo é válido para as universidades.
  • Os estabelecimentos de ensino não podem exigir garantia mercantil alguma – tais como fiador, cheques pré-datados e notas promissórias para assinatura do contrato. Tal exigência é entendida como prática abusiva, ou seja, contrária aos direitos dos consumidores.
  • O contrato deve estar obrigatoriamente redigido em linguagem de fácil compreensão. É importante que o consumidor leia todas as cláusulas com atenção antes de assinar e observe especialmente as datas para pagamento da mensalidade e possíveis penalidades que poderão ser aplicadas em caso de atraso.

Pagamento de mensalidade

  • O valor cobrado pelos serviços das instituições privadas de ensino é calculado por ano, ou por semestre. Nas escolas, a anuidade vai corresponder ao valor total que a instituição de ensino pode cobrar do contratante no ato da matrícula. A mensalidade é calculada em cima desse valor, que pode ser dividido em 12 vezes.
  • Outro plano de pagamento pode ser apresentado, mas o valor da soma das parcelas não pode ultrapassar o valor total, ou seja, não pode haver, por exemplo, planos de parcelamento com juros ou cobrança de outras taxas.
  • Não pode haver cobrança de tarifa de emissão de boleto bancário ou de carnê, mesmo que conste previsão contratual. Tal cobrança é considerada prática abusiva.
  • O reajuste do valor da anuidade só pode ser aplicado uma vez por ano, no momento da renovação do contrato.
  • Valores referentes a reformas e ampliação do número de vagas em salas de aula para novos alunos não podem ser repassados aos consumidores.
  • A instituição de ensino não pode cobrar o valor integral da mensalidade para o aluno que for cursar somente algumas disciplinas em regime de dependência. O valor da mensalidade a ser cobrado deve ser fixado na proporção do número de disciplinas que serão cursadas.

Inadimplência

  • A escola não pode rescindir o contrato por inadimplência ao longo do ano letivo e o aluno em débito não pode sofrer punições pedagógicas, como o impedimento de assistir aulas e fazer provas. Também não é permitido que a escola faça retenção de documentos ou impeça a transferência dos estudantes para outra unidade de ensino.
  • As instituições também não podem divulgar o nome do aluno como inadimplente. A negativação do nome do aluno ou responsável em cadastros de proteção ao crédito pode configurar prática abusiva, já que a prestação de serviço educacional possui caráter social e a unidade de ensino possui meios legais para a cobrança de dívidas.
  • É bom reforçar que a escola não tem obrigação de aceitar a renovação de matrícula de alunos inadimplentes. Para os alunos nessa situação, a lei prevê que os estabelecimentos públicos de ensino fundamental e médio devem assegurar suas matrículas.
  • O aluno não pode ser mais considerado inadimplente se já negociou a dívida e está pagando as parcelas. Nesse caso, a renovação de sua matrícula não pode ser negada.

Material Escolar

  • A escola poderá solicitar a compra dos materiais escolares adequados e na quantidade necessária para a realização das atividades previstas em seu plano pedagógico. Esse plano, deve estar disponível para os alunos e responsáveis, quando solicitado.
  • Não é permitida a determinação de marcas na lista de material escolar, deixando os alunos e responsáveis livres para fazerem suas escolhas.
  • É proibida a solicitação ou cobrança de materiais de uso coletivo como produtos de higiene e limpeza, tintas para impressora, giz, caneta para lousa, guardanapo, entre outros. O custo desse tipo de material já é considerado no cálculo do valor da anuidade.
  • A escola pode oferecer aos responsáveis a opção de comprar o material na própria instituição de ensino e neste caso poderá ser cobrada uma taxa de material, desde que previamente informada e acompanhada da lista. Essa condição pode ser oferecida, mas nunca imposta ao consumidor.
  • A escola não pode obrigar alunos e responsáveis a comprarem em seu estabelecimento, com exceção da venda de apostilas e materiais próprios.
  • Apenas as escolas que possuem uma marca devidamente registrada (nome e/ou logotipo da escola) podem estabelecer que a compra do uniforme escolar seja feita na própria escola ou em estabelecimentos por ela definidos.
  • A escola deve adotar critérios para a escolha do uniforme que considerem a situação econômica do aluno e de sua família, bem como as condições climáticas da cidade onde a escola está localizada.
  • O modelo do uniforme só pode ser alterado após 5 anos de sua adoção

Segurança e privacidade

  • A escola é responsável pela guarda e segurança dos alunos e de seus materiais em ambiente escolar.
  • O uso da imagem dos alunos só poderá ser feito com expressa e prévia autorização dos responsáveis legais.
  • A cláusula de autorização do uso de imagem deve ser apresentada em destaque no contrato e não pode ser genérica. É direito do responsável autorizar ou não a divulgação de fotos dos filhos em redes sociais ou no site da escola, por exemplo.

Onde reclamar

O presidente do Procon Estadual do Rio de Janeiro, Cássio Coelho, afirma que é fundamental o consumidor estar atento aos seus direitos e, caso note que não estão sendo respeitados, contatar o Procon através dos canais de atendimento disponíveis no site da autarquia. A reclamação pode ser registrada online de forma rápida e fácil. Basta acessar o site www.procononline.rj.gov.br ou o aplicativo do Procon RJ, disponível para smartphones. O atendimento presencial precisa ser agendado por Whatsapp, no número (21) 99374-1550, ou pelo telefone (21) 98596-4638.

O Procon-SP orienta estudantes e responsáveis para, em caso de reclamações pedagógicas procurarem os órgãos responsáveis: Ensino Fundamental e Médio – Secretaria Estadual de Educação; Ensino Superior – MEC. Em caso de dúvidas, o órgão de defesa do consumidor também se coloca à disposição.


+Notícias

Será que dá para gastar menos na hora de comprar material escolar?

13 direitos do consumidor nas matrículas escolares e universitárias

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]