Pesquisar
Close this search box.
/
/
Desfrutar de tudo sem ter nada

Desfrutar de tudo sem ter nada

As pessoas querem usufruir dos serviços, das coisas, das inovações, mas não necessariamente tê-las. A sua empresa está preparada para essa realidade?

De todas as sísmicas mudanças que impactam os diferentes mercados e segmentos de atividade – com intensidade ainda maior no varejo – talvez a mais relevante seja aquela manifestada pelas novas gerações de consumidores, substituindo a necessidade da posse pelo acesso puro e simples.

Devagar e sempre, essa tendência vem encontrando espaço e afetando diversas empresas, sorrateiramente. Apresente-se o executivo que não cedeu à tentação de trocar a aquisição de licenças de software pela assinatura mensal, semestral ou anual. Ou quem não percebeu o quão cômodo é assistir à uma programação de vídeos, filmes, séries e documentos via streaming sob demanda (o serviço mais popular é o quase onipresente Netflix)?

Uma parcela de consumidores – principalmente os mais jovens, Millennials e até mesmo integrantes da Geração Z – são consumidores habituais de serviços de “motorista particular” e também de “hospedagem residencial”. Por onde vemos que empresas como o Uber oferecem mais viagens em diversas cidades do mundo sem ter uma frota (ou mesmo um carro) e o AirBnb tem mais locais disponíveis para acomodação sem ter um só hotel ou quarto.

Mas o que exatamente esses novos negócios representam? A ideia geral é que estamos entrando na fase da “economia compartilhada” ou “anarcoeconomia”, segundo definição do Copenhagen Institute for Futures Studies (CIFS). Segundo os futuristas, a tendência marcante e que se estabelecerá de forma intensa reflete a substituição da posse pelo acesso. Em resumo: as pessoas querem usufruir dos serviços, das coisas, das inovações, mas não necessariamente tê-las como propriedade.

Uma ideia defendida por Walter Longo, Presidente-executivo do Grupo Abril, é que estamos diante de um contingente de consumidores que quer “aproveitar o melhor de tudo e não comprar nada”. Os impactos dessa tendência serão extremos em diversos segmentos da economia – construção civil, automóveis, restaurantes, varejo. Em contraponto à lógica industrial, onde a produção era incrementada por meio de inovação ou aperfeiçoamento de produtos – que seria desejados e, portanto, possuídos – a ideia geral agora é produzir menos para mais pessoas.

Pois bem: esse modelo é sustentável? Ele irá destruir empregos, vagas de trabalho? Em tese, a economia compartilhada prevê um uso mais eficiente das “coisas”, dos produtos e serviços, na medida em que mais pessoas usarão esses artigos com menor ociosidade. Ao mesmo tempo, menos artigos serão necessários, na medida em que todos serão submetidos a um “rodízio” de uso. Talvez isso não seja tão evidente quando pensamos em produtos perecíveis – a comida que alimenta um não alimenta outro em rodízio – mas roupas.

Dê uma busca rápida na internet e encontre sites e negócios voltados para o reuso de moda. Com o Uber e a ascensão dos carros autônomos e compartilhados, menos carros serão necessários nas ruas e menos vagas para estacionamento ficarão disponíveis. O custo dos seguros de automóveis, com cobertura para acidentes será reduzido dramaticamente. Televisores, celulares, aparelhos de som, furadeiras, móveis, quartos, residências poderão ser compartilhados, aumentando o uso medido em horas/dia e reduzindo a busca por novas unidades. Isso irá implicar em reduzir vendas das lojas? Como ficarão os estoques? Em tese, tudo poderá ser consumido sob demanda. Os “Dash buttons” da Amazon talvez se tornem onipresentes, facilitando a reposição de artigos diversos com apenas um toque de botão e eliminando a compra de estoques nas residências.

A geração que quer desfrutar de tudo sem ter nada ainda conta com um argumento poderoso em seu favor: a economia de recursos, a eficiência no uso das mercadorias, em linha com a necessidade de sermos mais conscientes com o planeta e o meio-ambiente.

A sua empresa está preparada para essa realidade? Contemplou esse cenário na visão dos próximos 5 ou 10 anos? Como se pensa em um negócio feito para “vender menos”? E como se “vende” para sistemas de Inteligência Artificial que, hipoteticamente, podem já predefinir os padrões de consumo dos clientes?

Talvez as forças que impulsionam a “economia compartilhada” não sejam tão intensas. Talvez ela tenha efeitos localizados. Mas de algum modo, essa tendência irá afetar negócios diversos e condicionar mudanças no varejo.

O futuro acena para mais um item na agenda de esforço das empresas de varejo: além de ajustar continuamente a operação e criar experiências gratificantes para os consumidores, elas deverão mostrar por que comprar e ter faz sentido para pessoas que se acostumarão a alugar e usufruir.

*Jacques Meir é Diretor de Conhecimento e Plataformas de Conteúdo do Grupo Padrão.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]