Pesquisar
Close this search box.
/
/
Democratização do metaverso: como cada geração pode ser atendida pela experiência

Democratização do metaverso: como cada geração pode ser atendida pela experiência

Ainda predominante nos hábitos da geração Z, a tendência é que o escopo do metaverso seja dimensionado pelo consumo, aumentando seu acesso para gerações mais velhas

Se o consumidor agora é phygital, o metaverso é o lugar onde o real e o virtual se encontram, temperando o físico e trazendo o digital para mais perto do cliente. Mas, o metaverso é para todos? Como cada geração pode ser atendida por essa nova experiência?

Leia mais: Quem tem medo do Metaverso?

Para o neurocientista e futurista Álvaro Machado Dias, professor livre-docente da UNIFESP e sócio do Instituto Locomotiva, depende do tipo de metaverso que estamos falando.

Segundo o professor, a democracia de um ecossistema digital é determinada por uma combinação de disponibilidade de instrumentos e receptividade dos seus participantes a perfis variados de pessoas.

Então, partindo da ideia de que o metaverso é o conceito atualmente utilizado para se referir ao ecossistema que vem se formando na medida em que as distinções entre o que é material e o que é uma projeção se diluem, a democratização do metaverso seguirá dois caminhos: quando usado em casos de realidade aumentada, o metaverso deverá se tornar uma espécie de relacionamento primário com o mundo, sendo mais democrático, do ponto de vista sócio-relacional.

Já a versão usada na realidade virtual, deverá seguir nichada e mais acolhedora para jovens do que para os mais velhos.

“Porém, para ser de fato democrático, mencionei acima que o ecossistema precisa de disponibilidade instrumental e, sendo assim, o metaverso será tão democrático quanto a sociedade em que se insere: onde a pobreza é ampla e os custos de aquisição tecnológica são altos, as zonas de exclusão imersivas serão largas. E vice e versa”, complementa o neurocientista.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Tipos de metaverso

Para Álvaro Machado Dias, na prática, o metaverso será de dois tipos: o metaverso virtual e o aumentado.

Metaverso virtual é o que acessamos usando VR (realidade virtual), que blinda sensorialmente o participante do mundo exterior. Ele é fundamentalmente social e tem o endosso dos gamers e das plataformas sociais, como Roblox e Facebook Horizons.

Já o metaverso aumentado é o que será acessado por AR (realidade aumentada), que se sobrepõe ao mundo exterior, permitindo, por exemplo, mobilidade urbana.

“De acordo com a visão que venho defendendo, o metaverso aumentado irá surgir da convergência das seguintes tendências tecnológicas: internetização de tudo, gêmeos digitais, 5G, realidade estendida, tokenização e, acima de tudo, inteligência artificial”, acredita o professor.

Leia mais: Gêmeo Digital e mapeamento tridimensional é tendência tecnológica para 2022

O metaverso para os Millennials, Baby Boomers e
gerações mais velhas

Segundo o professor, hoje em dia, a verdade é que as gerações mais velhas ainda não enxergam a realidade do metaverso com muita clareza. E isso ocorre por uma razão simples: o metaverso mais consolidado é o virtual, e este é muito ligado ao universo gamer nos moldes da geração Z.

“No futuro, as coisas irão se inverter, dado que o metaverso aumentado terá escopo dimensionado pelo consumo, que é maior entre os mais velhos. Assim, por exemplo, millennials e boomers não irão necessariamente estar presentes nos shows de hip hop do Roblox, mas irão movimentar a parte mais relevante do comércio phygital, usando óculos de realidade aumentada no lugar de celulares”, prevê.

Contudo, o neurocientista complementa que o metaverso não precisa atender as necessidades de todas as gerações, em todos os sentidos, mas, que será preciso fazê-lo de maneira imersiva em ao menos duas necessidades básicas do ser humano: o acesso a bens e informações e a moedas e pagamentos digitais.

“Na medida em que uma das grandes tendências do metaverso é a substituição dos smartphones por óculos de AR, em um contexto de relação com o capitalismo da informação intrinsecamente digital (tanto no que se refere ao acesso a produtos, quanto ao acesso às ideias), a exclusão da lógica aquisitiva e relacional típica deste ecossistema trará impactos profundos.

E a digitalização do dinheiro (tanto por meio de moedas digitais do Banco Central, quanto em função de tokens privados), quem não estiver conectado ao metaverso tenderá a estar também desconectado do sistema financeiro”, esclarece.

A euforia do metaverso se justifica?

Para Álvaro Machado Dias, é impressionante a grande a aderência do público aos conceitos do metaverso, a despeito do mesmo ainda contar com implementações capengas.

Leia mais: NFTs: entenda o perfil dos compradores de tokens não fungíveis

Por exemplo, as buscas pelo termo “NFT” ultrapassaram “blockchain” no Google, em 2022. Porém, o NFT é um subproduto do blockchain, que não tem um décimo do seu tempo de existência e só cresceu por causa do metaverso.

Walmart e Amazon vêm puxando a entrada do varejo digital com força total e grande parte dos terrenos comprados na Decentraland (plataforma de mundo virtual 3D, onde usuários podem comprar terrenos virtuais) e outros ambientes imersivos é para colocar lojas, em função da boa receptividade do consumidor mostrada pelas pesquisas globais de varejo.

Quer dizer, preservado o fato de que se trata de metaverso virtual, que é limitado pelo uso de VR, um equipamento de apelo geracional, o entusiasmo está aí e é surpreendente. Este, por sua vez, é um prenúncio da fidelização.

A questão hoje em dia é: até que ponto a coisa toda está inflada demais, os terrenos em metaversos artificialmente caros e as vendas de NFT irracionais? Se este for o caso, o melhor a fazer é esperar baixar um pouco para entrar”, acredita o futurista.

Indo muito além do universo gamer

De acordo com o professor, o setor que mais irá se beneficiar do metaverso é o marketing (ou, mais especificamente, o casamento de publicidade e marketing), que deverá ganhar novo ânimo com o metaverso.

Leia mais: O metaverso é o futuro: as experiências digitais que marcaram 2021

“O apogeu do marketing digital marcou o declínio da publicidade, da criatividade e do acabamento, em prol do BI, das métricas e customização de ofertas. Esse é um terreno desfavorável para a disciplina, na medida em que seus resultados deixam de importar pelo que têm de único, passando a importar apenas pelo volume.

Na base de tudo está o fato de que o ambiente bidimensional da tela do computador torna o consumo de propaganda uma tremenda chatice. E o metaverso inverte isso.

A relação com avatares, objetos tridimensionais, lojas transadas em prédios que desafiam as leis da física e muito mais, resgatam e amplificam o potencial criativo que tende a levar as pessoas a esta profissão, fazendo-a renascer numa base muito mais interessante do que a dos tempos áureos da televisão.

A renovação da publicidade e do marketing deve levar o varejo a um novo patamar de expressão e as marcas às formas de relacionamento com a sociedade phygital muito mais profundas do que as que conhecemos”, conclui o neurocientista.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Imersão virtual e ilegal: será que teremos um deep metaverso?

Metaverso no universo jurídico: de ações na Justiça a preocupações com pirataria virtual

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]