Pesquisar
Close this search box.
/
/
A democracia é uma calça velha, azul e desbotada que todos podem usar

A democracia é uma calça velha, azul e desbotada que todos podem usar

Por que a Levi’s, uma das empresas de moda mais tradicionais do mundo, faz da inclusão e da diversidade uma expressão de suas crenças e valores fundamentais?

Quais as melhores respostas individuais e coletivas para lidar com a desigualdade de oportunidades e a falta de diversidade nas empresas de varejo globais? Em meio à turbulência de uma pandemia global sem precedentes, com efeitos ainda não dimensionados na totalidade, milhões de pessoas em todo o mundo foram às ruas para protestar contra o racismo. No World Retail Congress Connected, pudemos ver uma conversa muito provocadora entre Chip Bergh, presidente e CEO da Levi Strauss & Co. e Susan Hart, líder de prática de varejo global na Spencer Stuart, com vários insights destinados a mostrar o que todos nós podemos fazer para impulsionar a mudança.

Falar sobre diversidade e inclusão é necessário ainda que seja um assunto complexo, sensível e repleto de nuances. Ainda assim, como afirma Susan Hart, “é melhor colocá-lo em pauta, ainda que de forma imperfeita, do que evitá-lo”. A Levi’s, icônica empresa de moda, que ensinou o mundo a usar jeans, assumiu os temas de inclusão e diversidade há anos e se orgulha de ser progressista, de estimular e apoiar causas sociais e até políticas. No infeliz caso do assassinato de George Floyd, que foi o estopim do movimento “Black Lives Matter”, a empresa procurou captar as emoções do momento para transformá-las em ações.

Mas até que ponto essas ações se refletiram internamente na empresa? Que iniciativas a Levi’s promoveu para realmente estimular inclusão e diversidade em sua operação, influenciando a conduta das lideranças e a cultura interna? Segundo Chip, a Levi’s tem uma longa tradição de apoio à justiça social, combate ao racismo, e à quebra de barreiras para permitir a inclusão.

Igualdade como valor

O CEO afirmou que a Levi’s foi a primeira empresa a oferecer planos de saúde idênticos para homens e mulheres, e sempre foram comprometidos, investindo dinheiro em campanhas que apoiam organizações defensoras de justiça social e igualdade em geral, com especial atenção para o suporte às comunidades afro-americanas. No episódio de George Floyd, a Levi’s percebeu que era necessário posicionar exatamente onde a empresa queria chegar na defesa de tópicos como diversidade, inclusão e igualdade.

Quais ações deveriam tomar? Que políticas deveriam realmente defender, quais os primeiros passos? “Os números não mentem. Eles claramente sugerem que não estávamos fazendo o melhor para acompanhar internamente o esforço feito para defender a inclusão junto ao mercado”, explicou Chip. Assim, ele não se furtou a abrir todos os canais internos da companhia para permitir que todas as lideranças afrodescendentes pudessem se manifestar livremente acerca do episódio. Muitas dessas lideranças procuraram o próprio Chip e outros membros do board para explicar todas as injúrias e histórias que mostravam claramente atitudes de racismo das quais eram vítimas no cotidiano.

“E essa postura mais assertiva colaborou positivamente para a companhia? Em que sentido?”, questionou Susan. E o CEO esclareceu: “De fato, nós tivemos um diretor-executivo de Diversidade e Inclusão que saiu da empresa há cerca de um ano. Mas no tempo em que permaneceu, ele realmente promoveu ações importantes, permitiu ampliar os quadros com minorias e implantar uma política de novas contratações que define percentuais mínimos de 50% de candidatos negros para cada vaga de diretor”.

diversidade nas empresas
A atuação da Levi’s é um exemplo de inclusão e diversidade nas empresas/Crédito? Shutterstock

Problemas sistêmicos

Chip também destacou que as empresas em geral encaram problemas sociais, mas particularmente são questões estruturais que tornam o racismo um problema sistêmico no mercado corporativo. Para ele, essa questão estrutural existe justamente para prevenir que a inclusão aconteça de fato ou maior escala, para reduzir a ênfase na diversidade, e é claro que existem estruturas e locais que erguem barreiras intransponíveis para dificultar ao máximo a correção da assimetria. “construir uma cultura de inclusão pressupõe entender como se deve contratar, como se deve promover, como se faz um plano de carreira, como e quanto se paga, e quem tem necessidades especiais para fazer da diversidade um elemento a favor da conquista dos resultados e não um estorvo”, destaca.

O mercado corporativo precisa encarar essa questão estrutural de frente e definir novos parâmetros de seleção que retirem o viés das escolhas, ao mesmo tempo em que possam apoiar campanhas que estimulem uma educação mais inclusiva, que traga novas oportunidades para todos e que viabilizem a diversidade nas empresas.  Mas Sarah questiona qual é a legitimidade de ações promovidas por um CEO homem e branco em favor das minorias? Ela afirma que esse problema não é pontual e que precisa ser visto de forma mais ampla em todas as variáveis possíveis. Chip Berger acredita que o enfoque precisa ser holístico, tendo como objetivo final acreditar que o ser humano é bom na essência e que a maioria das pessoas quer um mundo melhor no final do dia. Em vários lugares do mundo, há minorias e exclusões e pessoas que estão à margem da sociedade e do mercado.

Diante desse contexto, qual é a posição dos consumidores? Assumir essas bandeiras cria empatia e conexões mais fortes com os clientes? O CEO acredita e enxerga que a marca significa uma forma autêntica de autoexpressão, justamente por conta das causas que defende e como as promove internamente e externamente. Isso é o que garante que a autenticidade não seja um conceito vazio, mas uma forma real de identificação com os clientes. Apoiar o Black Lives Matter, para a Levis’s, faz sentido, pois a marca sempre se dedicou a apoiar campanhas de combate ao racismo e de valorização da voz das comunidades negras. E essa autenticidade precisa permear o diálogo aberto e franco com empregados, comunidade, clientes, instituições e acionistas.

Depois da pandemia

Chip tem esperança de que todos os movimentos sociais originados ou impulsionados pela pandemia permitam que as pessoas saiam mais fortes e melhores depois dela. “Não desista do caminho quando você está comprometido com mudanças”, defende ele. É necessário criar um legado que estimule cada vez mais organizações a fazer a diferença no futuro, que se crie uma grande aliança, uma comunidade que defina novos padrões de inclusão e diversidade nas empresas.

Ele comentou o quanto empresas como a Levi’s e a Patagonia, Walmart, JP Morgan, Target estão juntas em campanhas diversas, incluindo a iniciativa “vote” para estimular os eleitores a comparecerem às urnas nas eleições gerais deste ano (nos EUA, o voto não é obrigatório). “Democracias só funcionam se as pessoas exercerem seu direito de votar e isso não tem a ver com a eleição presidencial, mas som com o que acontece na sua localidade, no seu entorno, naquilo que está diretamente ligado à sua vida. Por isso, iremos liberar todo colaborador que queira votar no dia da eleição (ao contrário do Brasil, nos EUA as eleições acontecem em dias úteis). Democracia é para o bem comum e todos devem praticar”, concluiu.


+ NOTÍCIAS

“Hair Love”: separe 7 minutos para assistir ao curta sobre cabelo afro que ganhou o Oscar

Uber se posiciona contra o preconceito em nova campanha

Barbie com vitiligo e sem cabelo são mais uma aposta da marca rumo à diversidade


 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]