/
/
Coringa, o palhaço sem rosto: a melancolia de Narciso

Coringa, o palhaço sem rosto: a melancolia de Narciso

Filme é uma das mais perturbadoras crônicas da perda de identidade em um mundo onde o que somos importa menos do que ser o que desejamos

* Não contém spoilers
Ele tentava trabalhar como palhaço, cuidar da mãe, imaginar uma forma de se realizar profissionalmente e descobrir afeto em meio a uma vida repleta de vazio. Há muitos anos, Alan Moore, genial – assim como arredio e misantropo – escritor, delineou uma “origem” para o mais complexo, visceral, brutal e indefinível vilão dos quadrinhos, o Coringa.
Em uma HQ excepcional e memorável – A Piada Mortal (Killing Joke, no original em inglês), Moore explorou em paralelo o quanto uma vida desprovida de significado pode perder o sentido em algumas horas, diante de uma série de gatilhos que podem detonar um processo incontrolável de insanidade.
Em uma via, o leitor acompanhava a transformação de um comediante pavorosamente inseguro e sem talento no violento, imprevisível e caótico Coringa.
Na mesma narrativa, o leitor acompanhou a via crúcis que o mesmo Coringa oferece a uma pessoa de inabalável retidão moral e força psicológica, como um Jó dos tempos modernos, para comprovar a tese de que todos podem se converter à loucura diante de uma sequência de fatos que atentam contra a lógica e espalham desespero e violência em doses monumentais.
O objetivo de Moore em A Piada Mortal era discutir a questão das identidades, a sanidade e a loucura, a opressão que sociedades exercem sobre pessoas que se sentem profundamente deslocadas em qualquer ambiente e as consequências imprevisíveis que esse processo traz. Indo além, o escritor britânico queria nos fazer refletir se qualquer pessoa, mesmo aquela de mais sólida força mental poderia se deixar tomar pela insanidade.
O diretor Todd Phillips, conhecido pelas sandices de “Sem beber, não case”, disse que não se baseou nos quadrinhos para criar “Coringa”, o filme. Não precisou. A saga escrita por Alan Moore foi tão poderosa que seu argumento central disseminou-se pela cultura popular e foi incorporado por muitos artistas talentosos – Todd Phillips entre eles.

O diretor encontrou em Joaquin Phoenix um expoente magnífico para levar às telas um filme perturbador, inquietante, amargo e memorável sobre a perda da identidade, diluída por uma rotina massacrante e sem sentido vivida por um certo Arthur Fleck, o alter-ego que virá a se revelar como Coringa.
O filme trabalha em camadas, cada qual propondo um gatilho que fará o magérrimo, inseguro, torturado e frágil Arthur se transmutar no colossal vilão também conhecido como “Palhaço do Crime”.
A trama já foi revelada em centenas de artigos e críticas disponíveis em blogs, sites, jornais, revistas e vídeos. Mas pouco se falou sobre o mal-estar que Coringa explicita, escancara para seu público: Arthur Fleck é um rosto na multidão, e vive sem perceber que a maquiagem que ostenta em sua miserável carreira de palhaço de rua ou de animador de crianças em hospitais, representa, na verdade, a insensatez com que ele enxerga o mundo.
Na pele famélica de Arthur, o Coringa não existe, ele mesmo “inexiste”, é nada, é ninguém, um saco de pancadas que sobrevive a cada dia esperando por uma chance de ser notado.
Sua melancolia é infinita, seu rosto é um vazio, sua existência é depressão. Subitamente, ele “descobre” que sob a pele do palhaço há poder, há sentido, e há, sobretudo, audiência. Todo o desespero de uma existência vã transforma-se em energia vital para que uma multidão troque sua personalidade por uma máscara onde a violência é um ritual que tem no Coringa sua expressão máxima, um ídolo que ousou combater o poder, a democracia, as instituições.
Claro, o Coringa é um narcisista, profundamente melancólico e possível, que se regozija com sua loucura, que exulta com sua capacidade de subverter regras e galvanizar a atenção das pessoas que enxergam nele um escoamento para suas vidas sem sentido.

Em um mundo onde tantos se sentem injustiçados – e ainda que sejam, com razão e com pesar – o Coringa representa o achatamento do indivíduo e o triunfo de um coletivismo que não percebe que empodera justamente quem abre mão da identidade, da racionalidade para fazer da loucura, da anarquia e do caos um modo de vida.
Nada diferente de nossa realidade, onde influenciadores são seguidos cegamente, onde a polarização dá as cartas a partir de informação comandada por algoritmos, sem espaço para a reflexão, para a nuance, para o meio-tom.
Ao assumir a persona do Coringa, Arthur Fleck – ou qualquer um de nós – deliberadamente abre mão de sua personalidade, de seu rosto, da razão e mesmo da emoção. Nada mais atual, neste mundo em que nenhum chapéu que usamos – pais, mães, amigos, profissionais, filhos, filhas, homens, mulheres, gays, brancos, negros, índios – parece nos definir.
Quando nos olhamos no espelho, não nos enxergamos como somos, mas sempre o que almejamos ser e como desejamos ser vistos e compreendidos.
Essa era de perda de identidade e de busca desesperada por auto-expressão é o triunfo do não-ser. Esse não-ser é o que gostamos de ver no espelho, para que possamos ser notados, vistos.
A vida despercebida é insuportável demais, árida demais, real demais, melancólica demais. O Coringa é, assim, uma versão distorcida de uma distorção: o mito de Narciso, que não se admira pelo que é, mas sim pelo que nega ser para desprezar qualquer um, sem distinção.
Esqueça o personagem. O Coringa está por aí, em praticamente todos os lugares, à espera de um gatilho para trazer caos ao mundo. E acredite: estamos criando gatilhos para a insanidade como nunca antes na história.


+ ENTRETENIMENTO

20 anos de Matrix: filme que marcou o cinema nunca esteve tão atual
AppleTV+ pode ultrapassar Netflix em apenas um ano

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]