Pesquisar
Close this search box.
/
/
Consumidores veem recuperação da economia com cautela e otimismo

Consumidores veem recuperação da economia com cautela e otimismo

Para a maioria, a previsão é de uma retomada de médio a longo prazo

Mesmo acompanhando notícias preocupantes e um cenário de incertezas sobre o impacto contínuo da pandemia de Covid-19, os consumidores se dividem entre o otimismo e a cautela quanto às perspectivas de recuperação da economia no curto prazo, segundo pesquisa realizada pela KPMG nos Estados Unidos.

O levantamento, intitulado The Big Thaw: Covid-19 consumer pulse survey report, contou com a participação de mil norte-americanos para traçar tendências em um provável cenário de pós-pandemia, identificando sinais permanentes de mudança nos hábitos e na percepção dos clientes.

Unindo isso ao fato de que o PIB brasileiro demonstrou uma melhora no último trimestre, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os dados apresentados podem estimular a discussão sobre a retomada do setor econômico no país.

Insights favoráveis à recuperação da economia

A imunização é a principal esperança para o retorno à normalidade, com grande peso na avaliação dos entrevistados. O papel das vacinas é destaque positivo, especialmente entre os que desejam viajar e intensificar o convívio social (64% dos millenials).

Além disso, qualidade de vida e alimentação também estão em pauta, já que diversos hábitos que vieram com a pandemia chegaram para mudar concepções que se tinha antigamente, como a ida a restaurantes e a prática de exercícios.

“O tema saúde está à mesa e as pessoas se preocupam em comer e viver mais e melhor. Em países em estágio avançado de vacinação e que estão superando a pandemia, nem todos novos hábitos gerados por esse acontecimento estão sendo descartados, como a máscara e o álcool gel”, coloca Fernando Gambôa, sócio-líder de consumo e varejo da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Se em março de 2020, quando o primeiro lockdown foi decretado, 17% acreditavam que a recuperação e o aquecimento da economia teriam início ainda nos próximos dois anos, esse índice agora representa 27%. Também entre os que apostam em uma retomada mais rápida, em até seis meses, o cenário é de maior cautela: enquanto na edição anterior do estudo 17% avaliavam esse resultado como provável ainda no próximo semestre, hoje apenas 14% seguem com essa perspectiva.

“Observamos indicadores poderosos, como a percepção do estímulo econômico e o sucesso das campanhas de vacinação. Além disso, após um período de demanda reprimida, os gastos e investimentos registraram alta pela primeira vez em mais de um ano”, pontua o líder regional de clientes e mercados das regiões Norte e Nordeste da KPMG, Paulo Ferezin.

“Todo mundo está procurando por um norte pós-pandemia, porque existe a ideia de que haverá uma explosão de crescimento. Mas nos Estados Unidos, onde a pesquisa foi conduzida, as pessoas esperam por uma recuperação sustentável da economia de médio a longo prazo, dentro de cerca de dois anos. No Brasil, não devemos atingir um platô muito mais alto do que temos a curto prazo. Isso porque a economia está melhorando, o dólar está caindo, a pressão inflacionária assusta e o desemprego não está reduzindo como deveria. Esse fator é nosso ponto fraco”, explica Fernando Gambôa.

O que pode se esperar dos millenials?

Ao contrário do que muitos pensam, os millenials, neste momento, desempenham um papel mais de influência nas compras on-line do que de âncoras para a recuperação da economia, uma vez que o poder de compra está concentrado entre a geração Z e os baby boomers.

Contudo, isso não quer dizer que as organizações não devem focar neste público desde já. “As empresas precisam ficar atentas a este grupo, principalmente pelo engajamento do ponto de vista político e social. É necessário fazer um alinhamento de visão, propósito e confiança já que esse público utiliza isso como direcionadores de compra. Essa geração prioriza os fatores ESG”, diz o sócio-líder de consumo e varejo da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Por isso, é primordial que as companhias, principalmente do varejo, invistam em digitalização e conectividade para terem segurança no futuro, quando os millenials realmente assumirem a posição de geração de consumo forte. “Há a necessidade real de olhar para a transformação dos negócios com a tecnologia. Você não se preparar agora significa não conseguir potencializar tudo isso”, salienta Paulo Ferezin.

Trabalho remoto, emprego e o novo normal impactam as empresas

O relatório da KPMG indica que as mudanças provocadas pelo distanciamento social causaram impacto não apenas no local de trabalho, mas também em estabelecimentos em torno de distritos comerciais.

Entre os norte-americanos, a preferência pelo home office mantém-se alta, com 28% dos entrevistados citando benefícios como economia de tempo no trajeto aos escritórios, enquanto 24% destacaram condições de trabalho mais confortáveis em casa e melhor equilíbrio trabalho/vida como motivadores. Por outro lado, 41% disseram que as expectativas do empregador irão conduzir os arranjos de trabalho no futuro próximo. 34% dos entrevistados dizem que seus empregos foram afetados pela pandemia, mas 75% afirmam ter retornado ao trabalho com um impacto menos severo na renda.

Para Paulo Ferezin, tudo isso deve ser levado em consideração pelos gestores brasileiros, já que houve uma migração de colaboradores e consumidores dos centros urbanos para cidades litorâneas ou do interior.

Futuro da economia brasileira em aberto

A recuperação da economia avança a passos curtos no Brasil, mas a pesquisa norte-americana da KPMG serve de farol para possíveis tendências comportamentais que irão auxiliar em novos direcionamentos. Fato é que a tecnologia, que modificou as relações sociais, laborais e de consumo no último ano, é a palavra-chave daqui para frente.

Entre tantas incertezas, uma coisa é certa: não dá para imaginar que a vida pré-pandemia irá voltar sem nenhuma transformação. Afinal, as pessoas mudaram. E elas esperam que os negócios também.


+ Notícias

Setor de telecomunicações está em processo de crescimento

Expectativas e critérios que formam conexões com o consumidor em tempos de crise

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]