Pesquisar
Close this search box.
/
/
Conectividade nas favelas: a visão de Christian Gebara, CEO da Vivo

Conectividade nas favelas: a visão de Christian Gebara, CEO da Vivo

Expo Favela traz Preto Zezé, presidente Nacional da CUFA e Christian Gebara, CEO da Vivo, para debater a deficiência da conexão nas periferias

Ter conexão e conectividade em um país desigual como o Brasil pode ser uma das tarefas mais complexas dos últimos tempos. Isso porque, sobretudo após a pandemia, a maior parte das relações de consumo ficaram dependentes de uma parte digital que nem todo mundo tem acesso.

Nas favelas brasileiras, esse acesso é ainda pior. Com mais de 17,5 milhões de pessoas vivendo em comunidades, as antenas e internet de boa qualidade, com alta banda larga, ainda não chegam. A conexão de lá, dessa forma, é uma das mais lentas em todo o País.

Discutir o futuro da conectividade nesses lugares é fundamental para a ascensão das pessoas que vivem na região e já produzem uma série de riquezas. Assim, na última sexta-feira (15), o Expo Favela conversou com Christian Gebara, CEO da Vivo, para falar de conectividade no País. A conferência “Abordando a inclusão e a conectividade na favela e no asfalto” foi mediada por Preto Zezé, presidente nacional da CUFA e fundador do Laboratório de Inovação Social.

Assine a nossa newsletter e fique por dentro das notícias da Consumidor Moderno 

O acesso à internet e a conectividade das favelas no Brasil

Logo no início do debate, Preto Zezé destacou a importância da conectividade para as comunidades. Por meio dela, em especial na pandemia, os alunos se mantiveram na escola, os empreendedores seguiram com seus serviços e os funcionários tiveram alguma oportunidade de trabalho remoto. Mas isso aconteceu bem mais no asfalto — locais fora das comunidades, centros urbanos — e não nas favelas.

“A CUFA distribuiu mais de 4 milhões de chips de internet e telefonia a várias mães da favela e vimos como isso mexeu na vida das pessoas, sobretudo na pandemia, vimos todo o acesso à informação e dificuldade da falta dele na favela. Como você, à frente de uma das maiores operadoras de telefonia, vê esse acesso ao digital?”, indagou Preto Zezé.

Para Gebara, a resposta é evidente: a digitalização só pode avançar se todo mundo tiver acesso a ela. Mas o caminho para isso é difícil. “O Brasil é desigual, é continental e a digitalização tem o poder de reduzir essa desigualdade. Mas ela não chega para todos”, inicia o CEO. “O acesso ao digital precisa ser explorado, precisa chegar nas regiões periféricas, mas as pessoas têm que ter as tecnologias certas, não basta só o smartphone. E tem mais uma dificuldade: a maioria das legislações de hoje, que definem onde eu posso colocar as antenas, é muito negativa para as comunidades e periferias”, explica.

Leia mais: Na Vivo, o digital aproxima o cliente dos valores da marca

De acordo com o executivo, muitas das legislações aplicadas ao setor de telefonia são focadas em deficiências da favela, o que dificulta todo o processo. Alguns dos exemplos se atentam à exigência de comprovantes de posse de residência, detalhes específicos de largura das ruas, inclinação etc.

“A lei é obsoleta, estamos mudando para que tudo isso mude, porque as pessoas tenham capacidade de estar no mundo digital. Já tivemos alguns avanços quanto a isso, mas ainda é pouco. O preço também é algo que interfere bastante, porque a tributação sobre teles é uma das mais altas no Brasil. A cada 20 reais que um pré-pago tem recarga, 45% ficam com impostos. Ou seja, a carga tributária também dificulta a favela de ter acesso a digitalização”, completa Gebara.

Como fica com o 5G nas comunidades?

Dando seguimento ao debate, Preto Zezé também questionou se o tão famoso 5G chegará também às favelas ou será restrito às pessoas do asfalto. “Assim, a gente ouve muito falar do 5G e em como ele vai modernizar toda a conectividade. A favela nem tem acesso a conexão, imagina 5G. Quais mudanças acontecem nesse sentido?”, questionou o fundador do Laboratório de Inovação Social ao CEO da Vivo.

Gebara, por outro lado, informou que essa tecnologia ainda é muito nova e está chegando ao Brasil a passos lentos. Para ele, o “buraco é mais embaixo”.

Leia mais: 5G e o desejo de um futuro mais conectado e seguro para a experiência do cliente

“Sobre 5G, as frequências foram vendidas e as primeiras obrigações são agora em julho. Os preços agora são muito elevados. Mas nesse primeiro momento, apenas. O que mais vai aumentar é a internet das coisas, vai permitir cidades mais inteligentes e todo o resto”, citou o executivo. “Mas o ‘buraco é mais embaixo’, porque nas favelas, antes de pensar no 5G, precisamos primeiro do acesso do 4G, que ainda é falho, não chega, não tem boa conexão”, complementa.

Ele destacou ainda, que a legislação ao 5G ficou bem mais específica após os episódios da pandemia, em especial pelo alto número de alunos que não realizaram as atividades ou assistiram às aulas online devido à falta de infraestrutura. Esse é um dos caminhos, citou o CEO, para a mudança nas periferias.


Acompanhe mais da Expo Favela:

A ocupação das comunidades na Berrini: começa o Expo Favela

TikTok, empreendedorismo e conexão: o conteúdo é o caminho 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]