Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como o Tinder mudou nossa maneira de namorar?

Como o Tinder mudou nossa maneira de namorar?

A revista Vanity Fair escreveu um obituário à corte, cuja causa mortis é um dos apps mais famosos do mundo: o Tinder.

Por Nancy Jo Sales, que escreveuo texto, o Tinder despertou uma revolução sexual em uma escala que não vimos desde aproximadamente 10.000 aC. O Tinder, numa declaração autoindulgente, afirmou que veio para salvar o mundo e que todos sairão ilesos.

Como conciliar essas ideias tão absurdamente diferente? Para a nossa sorte, há um corpo enorme e crescente de pesquisas dedicado ao namoro on-line, mudanças sociais, namoro e promiscuidade – e em meio a muitos deles, há uma conclusão diferente para quase todo mundo.

Acha o namoro online incrível? A Universidade de Chicago também.

Acha que isso é o apocalipse? A Universidade de Michigan também.

O debate sobre o valor e o dano social dos namoros online é mais complicado exatamente por esse motivo: há tantos estudos, usando tantas metodologias diferentes e recebendo financiamento de tantas empresas), que parece impossível chegar a uma só conclusão.

Então, veja esses dois lados da moeda e decida por si só.

“Procurando por um par: a ascensão da Internet como um intermediário social”

(Michael J. Rosenfeld, da Universidade de Stanford)

Em uma análise dos dados de uma pesquisa nacional com mais de 4.000 adultos norte-americanos, Rosenfeld conclui que a Internet está começando a deslocar antigos pontos de encontro, como escolas e igrejas, como um lugar para apresentações românticas. “Se alguém acredita que a saúde da sociedade depende da força das instituições locais tradicionais de família, a igreja, a escola primária, e do bairro, então poderia ficar razoavelmente preocupado com o êxodo parcial dessas instituições tradicionais para a internet. “

Mas, apesar da preocupação dos conservadores, boas notícias: Rosenfeld não encontrou diferenças na qualidade ou a força do relacionamento entre casais que se conheceram online e dos que se conheceram por meios mais tradicionais. Ele também descobriu que apps de namoro são muito benéficos para pessoas de círculos mais restritos de namoro, como o público LGBT e mulheres mais velhas – e levantaram a hipótese de que as taxas de casamento e parceria dos americanos aumentaria à medida em que essas pessoas estejam mais em ambientes virtuais.

“Namoro online: uma análise crítica a partir da perspectiva da psicologia”
(Eli J. Finkel, da Universidade Northwestern)

Para Finkel, a maioria dos sites é muito ruim, porque seus algoritmos de correspondência não funcionam realmente. Apesar disso, no entanto, namoro online não faz mal aos pretendentes ou suas perspectivas. Isso oferece acesso a potenciais parceiros que improvavelmente encontrariam em outros lugares e esse acesso rendimentos novas possibilidades românticas.

“O impacto da difusão da Internet sobre as taxas de casamentos: evidências do mercado de banda larga”

(Andriana Bellou, da Universidade de Montreal)

A pesquisa de Bellou é muito menos conclusiva do que alguns dos outros trabalhos nesta lista; num documento de discussão publicado pelo Instituto para o Estudo do Trabalho, ela basicamente confrontou em  gráficos as taxas de adoção da internet ao longo do tempo e as taxas de casamento para ver se há algum padrão. Existe, ao que parece: Bellou conclui que “a expansão da Internet está associada ao aumento das taxas de casamento entre pessoas na faixa dos 20 anos e hipóteses de que a relação é causal ? em outras palavras, que o maior acesso ao namoro online, redes sociais e outros meios de se comunicar com estranhos faz com que as pessoas achem seu par.

“Satisfação conjugal e rompimentos diferem entre ambientes online e offline”
(John Cacioppo, da Universidade de Chicago).
Em um estudo publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, Cacioppo entrevistou uma amostra de mais de 19.000 pessoas casadas e concluiu que o namoro online foi inequivocamente uma coisa muito boa. Por sua investigação, os casais que se conheceram online foram mais felizes (5,64 pontos em uma pesquisa de satisfação, contra 5,48) e menos propensos a se divorciar (6 por cento, contra 7,6 por cento). Mas esse foi um estudo patrocinado pela eHarmony.

 

“Um novo padrão de comportamento sexual? Reivindicações são associadas com a ?cultura da pegação???

(Martin Monto, da Universidade de Portland)

Monto descobriu que, em geral, a juventudo louca por sexo do Tinder não é substancialmente mais promíscua do que as gerações passadas eram. Na verdade, universitários fazem menos sexo e têm menos parceiros  do que os estudantes de antes da ascensão de namoro online.
While that might seem counterintuitive, it actually echoes other research in this space: the sociologist Kathleen Bogle has traced the “death” of traditional dating back to the 1970s, long before Tinder’s founders were even born. When she surveyed college students way back in 2004, most said they had never gone on a date before.

Embora isso possa parecer contraditório, isso ecoa outras pesquisas neste sentido: a socióloga Kathleen Bogle traçou a “morte” do namoro tradicional na década de 1970, muito antes de os fundadores do Tinder  terem nascidos. Quando ela entrevistou estudantes universitários em 2004, a maioria disse que nunca tinha ido a um encontro antes.

 

Conhecer parceiros online é melhor do que offline Depende: você qeer casar ou namorar?

(Aditi Paul, Universidade do Estado de Michigan)

Em uma análise dos mesmos dados do levantamento nacional que Rosenfelt usou, Paul  basicamente concluiu o oposto sobre o namoro online e a qualidade do relacionamento.

Suas descobertas? Pessoas que se encontram online são mais propensas a namorar do que se casar.

Portanto, a conclusão é: tudo depende daquilo em que se quer acreditar. As cartas estão na mesa, basta escolher a sua.

 

* com informações do Stuff.co

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]