Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como as dark stores vão afetar o novo varejo?

Como as dark stores vão afetar o novo varejo?

Localizadas em grandes centros urbanos, dark stores viabilizam entrega rápida e frete competitivo

Se o gênio da lâmpada existisse e permitisse ao consumidor moderno a realização de três desejos, poderia, certamente, ouvir como pedido: separação de pedido rápido e sem erros, frete expresso – de preferência para o mesmo dia – e não pagar um absurdo por isso.

Assine a newsletter da Consumidor Moderno

Se o gênio da lâmpada existisse e permitisse aos lojistas e empresários do varejo a realização de três desejos, poderia, certamente, ouvir como pedido: redução de erros na logística, economia na operação e satisfação do consumidor.

O gênio da lâmpada não existe, mas as dark stores – lojas escuras, em tradução livre – prometem atender aos três desejos de consumidores e lojistas – ou, como popularmente se diz, agradar a gregos e troianos. E o melhor: trata-se de uma estratégia, não de mágica.

Localizadas em grandes centros urbanos e ancoradas na estratégia de omnicanalidade – que busca a integração de todos os canais de contato com o consumidor – as dark stores ganharam impulso com a pandemia e com a aceleração do consumo online e são uma excelente alternativa para empresas que querem aprimorar a experiência do cliente, garantindo uma entrega rápida, sem abrir mão da economia.

O que são as dark stores?

Imagine uma loja localizada no centro da cidade, com acesso estratégico e rápido para diversos bairros, só que, em vez de funcionar de portas abertas, sempre à espera dos consumidores, opera de portas abaixadas, como se fosse um pequeno centro de distribuição. Esse é o conceito de dark stores.

“Dark stores são espaços destinados ao armazenamento, separação e envio de produtos comercializados online. A principal característica é o fato destes espaços serem bem menores que um Centro de Distribuição e terem design bem parecido com lojas comuns”, explica o especialista em marketing e gestão de vendas, Raphael Alexandre Santos, diretor da OmniEnvios, plataforma de gestão logística Omnichannel.

Assine a newsletter da Consumidor Moderno

Outra característica importante é o fato de as dark stores serem necessariamente localizadas em centros urbanos, não em locais distantes, como acontece com os Centros de Distribuição.

Para elucidar, sabe aquela loja misteriosa que você vê quando vai ao centro da cidade, que nunca está aberta, mas que tem um ‘entra e sai’ o dia todo? Provavelmente é uma dark store.

Aliás, vale destacar que, apesar de funcionarem com portas abaixadas, algumas dark stores permitem que os consumidores optem por retirar suas compras na loja. Assim, a entrega é feita no local, porém, o cliente não entra no estabelecimento

Cenário do e-commerce

As dark stores são parte de um movimento de renovação das estratégias de logística e distribuição realizado pelas empresas contemporâneas que está afetando o novo varejo.

O “chacoalhão” nas estratégias tem motivos. No plural. No atual cenário, o consumidor compra cada vez mais pela internet.

Para se ter uma ideia, um levantamento da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), em parceria com a Neotrust, releva que, em 2020, 20,2 milhões de consumidores realizaram compras na internet pela primeira vez. Além disso, 150 mil lojas passaram a vender seus produtos e serviços no e-commerce. Foram mais de 301 milhões de compras na internet, segundo o balanço – um crescimento de 68% em comparação com 2019.

Queridinho do varejo, e-commerce ainda é embrionário no país e deve ter crescimento
exponencial nos próximos anos

Expressivo? Certamente. Mas os números ainda são considerados bastante tímidos pelos especialistas. Tanto que um levantamento feito em parceria entre o PayPal Brasil e a BigDataCorp, intitulado Perfil do E-commerce Brasileiro 2021, estima que o e-commerce tem uma penetração de apenas 4% no total das vendas realizadas no país.
Nesse sentido, frete competitivo e uma entrega eficiente, promessas das dark stores, são algumas das formas de conquistar novos consumidores e fidelizar os antigos.

Para se ter uma ideia da importância destes itens no comportamento de compra dos consumidores, de acordo com informações da consultoria Econsultancy, cerca de 55% dos abandonos de carrinhos do e-commerce no Brasil acontecem por conta do alto custo do frete.

Em complemento, a pesquisa 2018 Global Consumer Insights Survey, realizada pela consultoria PwC, destaca que 64% dos consumidores estão dispostos a pagar mais caro no frete por uma entrega mais rápida – se possível no mesmo dia, o chamado same day delivery.

“Em cenário em que os clientes experimentaram as comodidades de fazer suas compras on-line, as empresas precisam se adequar para sobreviver e se destacar perante a concorrência. Vale lembrar também que estes mesmos empresários ainda enfrentam desafios tecnológicos, expertise interna e mudança de cultura, que precisam ser superados”, avalia Raphael Alexandre Santos.

Nesses quesitos, as dark stores são boas opções para empresas de todos os perfis, tanto que grandes marcas estão investindo pesado nessa estratégia, como Rappi, Marisa e Drogaria São Paulo, por exemplo.

A hora e a vez da logística: o que o consumidor espera de inovações do setor?

“Atualmente há empresas que atuam no setor de logística inteligente desenvolvendo estratégias para as dark stores funcionarem com muita eficiência”, pontua o diretor da OmniEnvios.

Vantagens das dark stores

Rapidez na separação do pedido: check!
A rapidez na separação do pedido é uma das principais vantagens das dark stores. “Isso porque elas têm layout idêntico aos das lojas tradicionais, o que ajuda muito na dinâmica e rapidez na separação e preparo para envio ou coleta”, explica Raphael Alexandre Santos.

Controle de estoque: check!
Outro ponto que merece destaque na estratégia logística das dark stores é o controle de estoque com maior precisão, uma vez que, diferentemente dos grandes Centros de Distribuição, são locais pequenos e com quantidade reduzida de produtos.

“E ter um bom controle de estoque garante o processamento dos pedidos de maneira rápida e precisa, o que ajuda muito no planejamento logístico minucioso”, pontua o especialista em marketing e gestão de vendas.
Por outro lado, Raphael Alexandre Santos destaca um ponto de atenção: “Com o como o espaço é reduzido, o estoque precisa ser bem selecionado”, pontua.

Frete rápido: check!
Com controle de estoque e rapidez na separação do pedido, o frete já tende a ser mais rápido. Somado a isso, a localização das dark stores potencializam ainda mais essa vantagem.

“As dark stores são localizadas em centros urbanos e com maior densidade de população, o que diminui a distância entre o produto e o consumidor. Com isso, os lojistas conseguem viabilizar as entregas same day delivery e next day delivery (entregas no mesmo dia ou no dia seguinte)”, justifica.

Menor investimento
Outro ponto positivo dessa estratégia de logística é o investimento reduzido. “Uma dark store exige menos investimentos do que uma loja tradicional, principalmente no que tange à infraestrutura. Itens como decoração, adequações, implementação e operacionalização podem ser resolvidos com baixo custo”, afirma Raphael Alexandre Santos.

Assine a newsletter da Consumidor Moderno

Experiência do cliente

Apesar de queridinha e de agregarem muitas vantagens a clientes e lojistas, as dark stores não são o modelo mais adequado para empresas que valorizam a experiência do cliente em ambiente físico, uma vez que permitem ao consumidor retirar as mercadorias presencialmente, porém, sem adentrar ao estabelecimento.

“Quando a marca possui uma loja física na região, por exemplo, usar a loja como mini hub pode gerar uma experiência mais completa para o consumidor”, avalia o diretor da OmniEnvios.


+ Notícias

Carros conectados: Atendimento exclusivo garante grandes experiências

Atendimento ao cliente: Por que Omnichannel é diferente de multicanalidade?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]