Pesquisar
Close this search box.
/
/
Chegou a vez dos negócios conectados e compartilhados

Chegou a vez dos negócios conectados e compartilhados

Frost & Sullivan aponta que em 2020 o mundo todo terá 50 bilhões de devices conectados; cidades digitais, serviços compartilhados e a importância dos dados serão determinantes para os negócios do futuro

Em 2020 o mundo todo terá 50 bilhões de devices conectados. Os números são da Frost & Sullivan, revelados na última quinta-feira (29), durante o Global Commuty of Growth, Innovation and Leadership 2015 (GIL), evento realizado em São Paulo pela consultoria. De acordo com Art Robbins, President, Americas & Partner Frost & Sullivan, ?o mercado global tem uma grande oportunidade de negócios voltada definitivamente para soluções integradas e conectadas?.

A Internet das Coisas, uma das mega tendências apontadas no evento, movimentará US$ 19 trilhões nos próximos dez anos, dos quais US$ 4,6 trilhões estão no setor público e US$ 14,4 trilhões estão no mercado privado.

Desse total, US $ 870 bilhões virão da América Latina. Jayme Faria, gerente de consultoria de ICT da Frost & Sullivan, apontou esses dados durante o GIL 2015 tendo como base um estudo realizado pela Oxford em 2013. O Brasil tem um potencial de realização de negócios nesse setor da ordem de US$ 34 bilhões, contra US$ 20 bilhões no México (dados da Cisco de 2014). Para Faria, os ganhos em produtividade, redução de custos, eficiência e incremento das capacidades e modelos de negócios gerados pela conectividade e convergência é brutal.

O setor de manufatura desponta com potencial de US$ 4 trilhões nos próximos anos. No setor de saúde, um dos mais promissores, o potencial para negócios é de US$ 89 bilhões até 2018. Soluções como câmera pill (micro câmeras dentro de pílulas), dispositivos wearables, controle de freezer de medicamentos e vacinas e plataforma de monitoramento puxam os investimentos.

Para o varejo, os analistas apontam que essas empresas ?serão digitais?. A fronteira entre pesquisa de preço, compras e pagamentos diminuirá e todas as plataformas desse setor serão digitalizadas e integradas. Para os BRICs, novos modelos de negócios baseados na cocriação se intensificarão por meio de plataformas online e a geolocalização será de suma importância dentro de qualquer modelo de negócios.

 

Cidades digitais e a importância dos dados

De acordo com os números da Frost & Sullivan, até 2020 haverá cerca de 50 cidades digitais na Alemanha, Estados Unidos, França e Coreia. As cidades digitais tem um potencial de negócios avaliado em US$ 1,5 trilhão somente para o setor público. Soluções inteligentes de coleta de lixo, estacionamento de veículos, pontos de ônibus conectados, monitoramento de qualidade da água e do ar – a exemplo da cidade de Barcelona – estão no radar de governos interessados no desenvolvimento de novos negócios e na qualidade de vida de seus cidadãos.

Nesse contexto um número apresentado dispara um alerta – principalmente para quem vive em São Paulo – a demanda de energia crescerá 30% até 2020. A tendência apontada pelos analistas é a Smart Energy (sistemas inteligentes para redução de consumo de energia). Aliada a novas tecnologias no tratamento e reuso de água e outras fontes renováveis, essas soluções estarão cada vez mais no radar de governos e iniciativa privada.

O big data e análise de dados também levarão as empresas a desenvolverem novos modelos de negócios para transformar um número cada vez maior de algoritmos digitais – oriundos de diversos comportamentos do consumidor – em informações estratégicas para seus negócios. Ou seja, os dados serão o próprio negócio. Jaime Faria explica que os dados coletados pela indústria automotiva no futuro podem servir como moeda de negócios entre seguradoras, por exemplo. ?Elas poderão traçar estimativas e ofertas personalizadas de apólices para seus clientes?.

Mobilidade urbana, compartilhamento e o carro do futuro

Seguindo com as tendências apontadas no evento, o setor automotivo parece não se abalar com os números cada vez maiores de carros nas ruas e a infraestrutura caótica de algumas cidades.

Uma previsão para o setor revela que 23,3 milhões de carros conectados circularão nas ruas até 2018.

Outro ponto impactante é o possível fim das concessionárias. Para 2020, 90% dos automóveis sairão de fábricas conectados ao cliente a às próprias montadoras. Essa integração não só diminuirá a distância dessa cadeia, mas abrirá espaço para players como Google e Apple, por exemplo, que poderão construir uma nova aliança de mercado e obter uma nova base de análise de dados. Em contrapartida, as montadoras poderão potencializar novos mercados como a customização e a criação de serviços, redefinindo o conceito das antigas concessionárias.

Como já acontece em países como a Itália, onde houve um crescimento acentuado dos sistemas de compartilhamento de veículos na modalidade B2C (Business to Consumer), o GIL trouxe para seu evento a Fleety e Dirijaja. No painel ?Urban Mobility? as empresas brasileiras apresentaram seus modelos de negócios como soluções para a mobilidade nas grandes cidades. Através de veículos elétricos compartilhados, conectados e integrados com multimodais essas empresas apostam nesse nicho como potencial de negócios. Para André Marin, CEO e fundador da Fleety, ?o compartilhamento é muito mais que uma economia, é um novo comportamento de vida?.  A partir de março o serviço chegará à cidade de São Paulo.

Ao final do evento aconteceu um debate sobre a importância da conectividade e da convergência nos novos negócios. Moderado por Cristiano Zaroni, da Frost & Sullivan, o painel reuniu os executivos, Sergio Pessoa, do Grupo Contax, Nelson Armbrust, da Atento, Luciano Corsini, da HP, Luiz Tizzato, da Unit Care e Carlos Eduardo Nogueira, da Intersystems. Todos foram unânimes em afirmar que as empresas estão ?no olho do furacão? em relação à convergência e conectividade nos negócios. Os grandes desafios ainda persistem: aumento do conhecimento do consumidor, integração de diversos canais no atendimento, infraestrutura, mão de obra e, sobretudo, a análise e a aplicação correta dos dados digitais para cada negócio.

Além dos desafios, o GIL 2015 confirmou aquilo que temos acompanhado nos últimos anos: entrada de empresas de tecnologias em mercados antes nunca prospectados, a importância da digitalização, o comportamento do consumidor/cidadão determinando os próximos passos de empresas em diversos setores e a ciência como aliada no desenvolvimento de soluções e serviços digitais.

Em resumo, levando em consideração que cada governo e cada cidade têm suas particularidades e obstáculos para a aplicação e desenvolvimento dessas tendências, o objetivo do GIL 2015 foi alcançado: provocar os agentes dessa cadeia a começarem a estreitar suas relações. E sorte daqueles consumidores e cidadãos que poderão usufruir de tantas novidades.

 

Leia mais:

As principais tendências criativas que acontecerão em 2015

11 previsões sobre mídia e o mercado digital em 2015

Mídias sociais tornaram-se indispensáveis para a decisão de compra?

 

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]