Pesquisar
Close this search box.
/
/
Autenticação em dois fatores é realmente eficaz na prevenção de fraude?

Autenticação em dois fatores é realmente eficaz na prevenção de fraude?

Golpes digitais trazem prejuízos tanto para o consumidor quanto para o lojista. Saiba o que cada lado pode fazer para evitá-los

A autenticação em dois fatores é um recurso usado para reforçar a segurança em serviços online – o e-mail, acesso a plataformas, a contas nos e-commerces ou aplicativos de bancos, por exemplo. Consiste em acrescentar uma etapa adicional no processo de login, além do pedido da senha, para evitar fraudes e outros golpes.

Alguns exemplos dessa camada extra de segurança, também chamada de verificação de duas etapas, são enviar um código por SMS ou para um e-mail, ou ainda aceitar o login via notificação push no smartphone. O simples saque de dinheiro em caixa eletrônico também exige autenticação em dois fatores quando pede o uso do cartão e uma senha, o que une algo que o usuário possui a algo que ele conhece.

No atual contexto de aumento de golpes digitais, reforçar as medidas de segurança tornou-se imprescindível. Segundo o levantamento Panorama de Ameaças 2021, da Kaspersky, houve um aumento de 23% em ciberataques no Brasil nos oito primeiros meses de 2021 em comparação com o mesmo período de 2020.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Mais segurança no login reduz chance de fraudes

A recomendação da Kaspersky é: ative a autenticação em dois fatores em qualquer ferramenta que ofereça essa possibilidade, especialmente em acessos valiosos como contas bancárias online, e-mail pessoal, principais redes sociais, plataformas de trabalho e de pagamento online, como PayPal.

No entanto, para o especialista em Inteligência de Ameaças Cibernéticas Thiago Bordini, coordenador da pós-graduação em Cyber Threat Intelligence no Instituto Daryus de Ensino Superior Paulista (IDESP), apenas usar esse recurso de segurança não é suficiente para evitar fraudes. “Mesmo com essa opção, vê-se a grande quantidade de golpes que existem no WhatsApp, onde as pessoas acabam fornecendo informações. Nos ataques em cima da autenticação de dois fatores, as próprias pessoas fornecem senhas, o token de autenticação do WhatsApp para o fraudador e muitos outros dados. Então, não basta ter os controles de segurança se os usuários não prestarem atenção e não se perguntarem a razão de ter que passar esses dados para um terceiro, sendo que eles são informação privada”, explica.

Informar a população sobre como se prevenir de golpes digitais, portanto, é tão importante como reforçar as medidas de segurança de dados dos aplicativos e dentro das empresas. É fundamental ter um conhecimento mínimo sobre o funcionamento dos aplicativos e das contas on-line e estar sempre atualizado, uma vez que os golpistas também inventam novas formas de fraudes periodicamente.

Fraude é desafio para e-commerce

Com a pandemia de covid-19, os hábitos de consumo mudaram e muita gente passou a preferir compras on-line, o que também trouxe desafios para os lojistas. Segundo o levantamento do Mapa da Fraude, realizado pela Clearsale, foram 2,6 milhões de tentativas de fraude no primeiro semestre de 2021. O número representa um crescimento de 32,7% na quantidade de tentativas de fraude em comparação ao mesmo período de 2020. As tentativas de golpes digitais cresceram mais do que a quantidade de bons pedidos, que tiveram um aumento de 22,5% em comparação ao ano passado.

Segundo a Clearsale, os tipos mais comuns de fraude são: a fraude efetiva, ou fraude limpa, em que o golpista faz a compra no e-commerce utilizando dados roubados de cartões de crédito; a fraude amigável, quando alguém próximo do titular do cartão usa os dados sem consentimento (como o dono não reconhece a compra, pede o estorno); e a autofraude, quando o titular efetua a compra com o próprio cartão e contesta o lançamento na fatura após ter recebido o produto ou serviço.

Assim, os prejuízos com as fraudes não são exclusivos dos usuários e compradores, mas também das empresas. Por isso mesmo, 83% das organizações brasileiras preveem um aumento nos investimentos em cibersegurança em 2022, segundo dados da pesquisa PwC Digital Trust Insights 2022. Os riscos de fraude existem em todas as etapas da jornada de compra.

Por isso, enquanto o lojista precisa oferecer ferramentas que tornem a compra mais segura em seu ambiente digital e treinar a equipe em conhecimentos sobre cibersegurança, o consumidor deve estar atento para não sofrer golpes. Confira os riscos mais comuns em cada fase da jornada e as dicas para evitar fraudes:

Cadastro no e-commerce

Dados pessoais como CPF, endereço e e-mail, entre outros, podem ser usados por golpistas para, por exemplo, solicitar empréstimos. Nessa etapa, é fundamental checar se o site é confiável. “A Axur tem um serviço gratuito chamado possoconfiar.com, onde você informa uma URL e ele diz se aquele site tem indícios de ser falso ou não, se aquele site tem algum tipo de atividade maliciosa ou não. Então é uma dica para quem vai fazer compras digitais”, recomenda Thiago Bordini. Checar a reputação do site e sempre digitar o endereço completo no navegador em vez de clicar em links suspeitos são outras dicas.

Login

Quando há vazamento de informações, os fraudadores usam bots para testar as informações obtidas em sites até conseguir acesso a uma conta. Os bots também podem ser usados para testar diferentes senhas aleatórias. Por isso, usar senhas fortes e diferentes para cada acesso é fundamental para reduzir o risco de golpes. Nessa etapa, entra a autenticação em dois fatores.

Pagamento

Há diversas possibilidades de fraude nessa etapa, como roubo dos dados do cartão de crédito e envio de falsos boletos. “Seja PIX, transferência, boleto ou cartão, confirme se é a entidade que está recebendo o dinheiro, verifique o nome da empresa nos dados do PIX ou do cedente do boleto”, avisa o especialista em Inteligência de Ameaças Cibernéticas, que recomenda ainda usar a versão digital do cartão de crédito para compras on-line.

Relacionamento com a empresa

O momento de entrar em contato com a empresa, seja para tirar alguma dúvida ou responder alguma pesquisa de satisfação, também pede atenção, uma vez que os golpes podem ser aplicados pelo WhatsApp ou por contas falsas em redes sociais. Assim, é importante checar se o contato é mesmo da empresa e se esta envia cobranças ou entra em contato com o cliente por outras vias além do e-mail.

Ainda é comum empresas menores fazerem a venda diretamente pelo WhatsApp, pela falta do e-commerce. Nesses casos, a atenção deve ser redobrada.

Como prevenir fraudes no seu e-commerce?

Se o consumidor que sofre fraude pode ter prejuízo com gastos que não foram feitos por ele, os lojistas também podem perder com a inadimplência e causar insegurança aos clientes. Assim, quem administra um e-commerce pode prevenir fraudes possuindo um certificado de segurança no site, sempre analisar possíveis fraudes, como pedidos que saem do padrão do cliente e, se necessário, adotar ferramentas antifraude externas, que facilitam o processo.

Outras dicas simples podem colaborar na identificação e prevenção de uma fraude, como personalizar o nome do negócio na fatura do cliente, utilizar meios de transporte seguros para garantir que a entrega foi realizada corretamente com rastreio e confirmação e sempre fornecer informações claras ao cliente sobre os meios oficiais de contato da empresa e as formas de pagamento. Dessa forma, os clientes também ficam preparados.

“As pessoas podem se prevenir, principalmente, prestando atenção nas mensagens recebidas, nas informações que são solicitadas, para confirmar se um pagamento é devido ou não. Exemplo: muita gente que paga um boleto não confere os dados do cedente para ver se o nome que aparece é da mesma instituição que eles estão comprando o produto. A mesma coisa vale para PIX”, completa Thiago Bordini.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente


+ Notícias

Por que o iMessage da Apple está no centro de uma discussão sobre segregação social?

A fraude e o impacto no bolso do consumidor

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]