Pesquisar
Close this search box.
/
/
A arbitragem de consumo: uma boa ideia para a solução de conflitos?

A arbitragem de consumo: uma boa ideia para a solução de conflitos?

A arbitragem é a bola da vez quando o assunto é a desjudicialização nas relações de consumo. Confira o que disse Luciano Timm, ex-Senacon

Desde o ano passado, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) vem promovendo debates sobre o uso de técnicas e ferramentas que prestigiem a solução de conflitos entre consumidores e empresas fora dos tribunais ou extrajudiciais. Uma dessas técnicas é a chamada arbitragem.

Na A Era do Diálogo deste ano, Luciano Bennetti Timm, ex-secretário nacional do consumidor, advogado e conhecido árbitro, falou sobre o tema no painel “Mediação e arbitragem de consumo: Você sabe o que é?”

Timm fez uma apresentação didática sobre o tema, pontuando pontos importantes e abordando até mesmo a origem da solução de conflito extrajudicial. O advogado falou das leis que embasam  mediação e a conciliação, que, a propósito, é a técnica de autocomposição que fundamenta a solução Consumidor.gov.br.

Arbitragem

Sobre a arbitragem, justamente o assunto que vem chamando a atenção nas rodas de debate sobre defesa do consumidor, a ideia não é nova e vem crescendo em número de adeptos e de novas aplicações.

Segundo Timm, a arbitragem é uma forma de solução de conflitos baseada na composição, ou seja, na vontade das partes. Em certa medida, ela se assemelha a um processo judicial, pois inclui fases como petição, produção de prova e sentença. Além disso, a arbitragem é o que os defensores no assunto chamam de “irrecorrível”.

O advogado lembra que a ideia não é nova no País. Hoje, por exemplo, ela é amplamente empregada em disputas empresariais. Há também um crescente uso nas disputas que envolvem o setor público.

“Hoje já se fala em arbitragem dentro do Direito Tributário. Além disso, existem novas fronteiras, tais como a área trabalhista. A reforma trabalhista de 2017 previu a arbitragem trabalhista em algumas circunstâncias”, explica.

Sobre a arbitragem de consumo, Timm é defensor da ideia, porém defendeu limites. Ele citou a proibição da arbitragem em contratos de adesão, tais como planos de saúde e telecomunicações.

“É interessante começar (o debate) pelo que não pode. O Código de Defesa do Consumidor, por exemplo, proíbe cláusulas arbitrais em contratos de adesão que retirem do consumidor a possibilidade de uso do sistema público judiciário. No entanto, arbitragem, se o consumidor quiser, não é proibida. Podemos imaginar uma arbitragem coletiva no País, assim como já ocorre alguns em países anglo-saxões, onde há uma associação de consumidores contra uma empresa ou uma associação de empresas. Isso tem gerado bastante redução de litigiosidade. Há ainda a arbitragem de consumo individual”, afirma.

Outra modalidade de arbitragem é a individual, mas Timm fez ressalvas sobre a sua real aplicação no País. Ele observou limites relacionadas à viabilidade econômica e, consequentemente, interesse do consumidor. Hoje, as ações consumeristas envolvem valores mais baixos, normalmente entre três ou quatro dígitos. Isso inviabilizaria o uso dessa técnica justamente por causa do custos envolvido na arbitragem, tais como os pagamentos o árbitro e dos procedimentos.

“Deveríamos pensar em como financiar essas arbitragens de consumo. Poderíamos optar apenas pela arbitragem coletiva ou modelos financiados pelo poder público, assim como já acontece na Argentina, que hoje é de responsabilidade do ministério da justiça argentino. Ou podemos pensar no exemplo de Portugal, onde as arbitragens tributárias também são financiadas, digamos assim, pelo setor público”, explica.

Tempo é dinheiro

Uma das vantagens das soluções de conflitos extrajudiciais é o tempo. Seja na arbitragem, conciliação ou mediação, existe a promessa de que o intervalo é menor se comparado a ação na Justiça. Além disso, esse atraso é um estímulo para as empresas defenderem a judicialização.

“O consumidor fica três anos na fila esperando uma solução dentro da disputa (judicial), o que não é algo positivo. Você tem um sistema mais rápido, caso da arbitragem. Pela celeridade, não vale a pena descumprir a legislação dos consumidores. Além disso, o sistema público judicial é lento e caro então, pois o contribuinte arca com as disputas judiciais. Talvez seja mais eficiente, sob o ponto de vista orçamentário, fazer uso de arbitragens.

Um olhar para o futuro

Independentemente da adoção ou não de um modelo de solução de conflito extrajudicial, o fato é que o judiciário precisa encontrar um caminho para evitar a judicialização de consumo.

O volume de ações é alto no País. Pior: há uma demanda reprimida que poderá desembarcar no Judiciário nos próximos anos, formada por pessoas que buscam ou vão buscar a educação para o consumo – e que em pouco tempo vão exigir direitos.

A boa notícia é que o Judiciário tem passado por uma espécie de transformação digital, o que acabou acelerando na pandemia. A promessa é que em pouco tempo os julgamentos e decisões podem ser mais rápidos.

“O ministro (do STF) Luiz Fux tem falado em Justiça 4.0, ou seja, bastante digitalizada. É uma tendência. Aliás, se não fosse assim, a situação das pessoas na pandemia seria ainda muito pior. Isso também é bom para o tema da solução de disputas no âmbito dos consumidores. Podemos pensar em uso massivo de tecnologia nas disputas coletivas para fins de respeito aos direitos dos consumidores”, afirma.


 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]