Pesquisar
Close this search box.
/
/
Medidas da Anatel já surtem efeito no combate ao telemarketing abusivo

Medidas da Anatel já surtem efeito no combate ao telemarketing abusivo

Avanço é comemorado por órgãos de defesa do consumidor que lutam para que novas normas sejam incluídas em regulamentação do setor

Nos últimos cinco anos, a Anatel vem atuando no combate ao telemarketing abusivo, com o objetivo de proteger o consumidor e evitar que ele seja incomodado em seu espaço privado com ofertas e ligações indesejadas. Esse enfrentamento foi intensificado este ano, com a obrigatoriedade do prefixo 0303, que permite que o consumidor identifique as ligações de telemarketing e decida se quer ou não atender a chamada. A Anatel entende que, desde junho, quando o código se tornou obrigatório, a medida está cumprindo seu propósito e que teve impacto imediato no empoderamento do consumidor.

Leia mais: Prefixo 0303 e os desafios da conversão personalizada

Apesar do grande destaque em cima da discussão do prefixo, muito questionado pelo setor de telecomunicações, essa medida é apenas uma de um pacote de normas que a Anatel vem publicando na intenção de fechar o cerco em relação aos abusos praticados historicamente no telemarketing. Este ano, a Agência implementou medidas de bloqueio às chamadas feitas por robôs e também determinou a cobrança das chamadas de zero a três segundos, que antes eram gratuitas.

Nesse mesmo caminho, na última quarta-feira (19/10), a Agência Nacional de Telecomunicações publicou em Diário Oficial novas medidas. Por determinação da Anatel, fica mantido, até pelo menos abril de 2023, o entendimento de que o uso de soluções tecnológicas para o disparo massivo de chamadas que não chegam a ser completadas ou que são encerradas em até 3 segundos é considerado abusivo.

Com esse entendimento, a Anatel resolveu bloquear as linhas telefônicas das empresas que gerem 100 mil chamadas curtas por código de acesso em um dia e também aquelas em que a quantidade de chamadas deste tipo representem 85% ou mais do total de ligações efetuadas. Essas empresas deverão ser identificadas e bloqueadas pelas prestadoras de serviço de comunicação por 15 dias, a partir do dia 3 de novembro.

As operadoras também ficarão responsáveis por comunicar à Anatel o ocorrido, notificar a empresa infratora do bloqueio e impedir que novos recursos de numeração sejam disponibilizados para esses usuários. O desbloqueio só será realizado com a assinatura de um termo de compromisso. A multa pelo descumprimento pode chegar a R$ 50 milhões de reais e ser aplicada também às operadoras.

No Despacho publicado esta semana foi anunciado ainda que a Anatel irá divulgar mensalmente o nome das empresas que mais “perturbam” os consumidores com a prática do telemarketing abusivo. Além disso, as operadoras terão de criar, nos próximos 60 dias, um portal público unificado para que o consumidor consulte a empresa titular do número que está fazendo as ligações inoportunas. A ideia é dar mais transparência para o setor.

Conheça o Mundo do CX

Resultados até agora

Desde junho, quando as medidas mais rigorosas em relação ao telemarketing abusivo começaram a ser aplicadas, até o dia 8 de outubro, a Anatel identificou uma forte redução na realização de chamadas curtas. Segundo a Agência, o registro de chamadas de até 3 segundos caiu de 3,8 bilhões para 2,8 bilhões por semana. Isso quer dizer que 16,3 bilhões de chamadas curtas deixaram de ser realizadas. A Anatel também informou que, durante o período, 282 usuários foram bloqueados.

Para Luã Cruz, pesquisador do Programa de Telecomunicações do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), o conjunto de mudanças que vem sendo estabelecido pela Anatel é importante principalmente pelo seu simbolismo. De acordo com o pesquisador, as medidas anunciadas este ano são um divisor de águas em relação à postura da Anatel no combate ao telemarketing abusivo.

“Ficou claro que a lista do não perturbe não foi suficiente. Além de não funcionar, a iniciativa jogou o ônus no colo dos consumidores. Já os limites colocados esse ano em relação ao excesso de chamadas curtas, o fim da gratuidade dessas chamadas e implementação do prefixo, mostram que a Anatel está fechando o cerco e está atuando para redução dessa prática”, analisou o especialista.

Luã disse ainda, em entrevista à Consumidor Moderno, que nem o Idec e nem os demais órgãos de defesa do consumidor acreditam que as normas publicadas recentemente vão acabar com o telemarketing abusivo, o que, segundo ele, seria o ideal. Para o Idec, a grande “bala de prata” nesse sentido é que esse tipo de ligação aconteça com consentimento prévio e específico do consumidor.

“O telemarketing abusivo viola o sossego e a intimidade das pessoas, sem contar que deixa dados pessoais vulneráveis. Existe um mercado paralelo que se aproveita dessa prática para a oferta de serviços e propaganda publicitária. Também tem muito interesse comercial e a resistência vem daí. Mas nós estamos lutando para que tenhamos uma regulamentação própria do setor e contribuindo para tornar esse combate cada vez mais eficaz. Precisamos mexer no modelo de negócio que existe hoje”, afirmou Luã Cruz.

Medidas cautelares podem se tornar definitivas

O pesquisador do Idec explicou que uma das preocupações dos órgãos de defesa do consumidor é o caráter cautelar das medidas publicadas recentemente pela Anatel. Isso faz delas medidas temporárias, muito vinculadas a uma questão do Conselho Diretor. A validade da maioria das normas que vem avançando no combate ao telemarketing abusivo é abril de 2023. Como será a partir de então?

Luã Cruz afirmou que o Idec vem trabalhando para que essas medidas se tornem definitivas, ou seja, passem a fazer parte da regulamentação do setor. Segundo o pesquisador, um novo Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações (RGC) está sendo debatido na Anatel, já em fase de finalização, e deve ser publicado em breve. A expectativa é que as medidas cautelares implementadas até agora possam ser incluídas no RGC e se tornem medidas perenes.

“A gente participou das consultas públicas e o documento já está em fase final, em vias de ser publicado. Temos ainda a esperança que a Anatel vá além e inclua a questão do consentimento específico e obrigatório para acabar de vez com o telemarketing abusivo. Seria uma espécie de não perturbe ao contrário. O consumidor vai avisar quando quiser receber tais ligações”, contou o pesquisador do Programa de Telecomunicações do Idec.


+ Notícias

O equilíbrio entre segurança digital e usabilidade para gerar experiência

Varejo esportivo nas redes sociais e a visão dos consumidores

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]