Pesquisar
Close this search box.
/
/
A transformação sorrateira: o poder do imperceptível

A transformação sorrateira: o poder do imperceptível

O efeito mais benéfico da atividade das startups estende-se para além da inovação. E é justamente o que as lideranças corporativas não enxergam. Entenda

Inovação é fundamento para a sobrevivência de qualquer negócio atualmente. Este clichê normalmente vem acompanhado de outros chavões (“crença na inovação”, “metodologias ágeis”, “transformação digital”), mas retrata, no caso brasileiro, um cenário frustrante: reimaginamos empresas e modelos de negócio muito mais no discurso do que na prática. Anos de indecisão e mediocridade política destilaram o apetite real de muitas lideranças, empreendedores e acionistas por praticar inovação. Falar que se busca inovação é uma forma de gerar conforto e até mesmo de cultivo de autoengano – a simples menção e disposição de inovar substituem uma atitude mais incisiva de realmente buscar formas de gerar dinheiro novo.

Inovar normalmente significa sacrificar um recurso hoje em apostas que trazem incerteza. Como viver e trazer para o negócio ainda mais incertezas do que aquelas que temos em nosso país? Tarefa inglória, delicada, sensível, que exige mais do que resiliência. Nem todos os executivos e empresas dispõem-se a pagar esse preço.

Por isso, uma recorrência natural na busca por inovação é o relacionamento com as startups. No Brasil, vemos um espaço receptivo para o desenvolvimento de novos negócios a partir dos conceitos e ideias criadas pelas fluidas, leves e ágeis empresas jovens. Elas trazem frescor e dinamismo ao mercado, confrontando modelos de negócios e oferecendo alternativas que melhoram as ofertas conhecidas. Logo, muitas empresas incumbentes buscam alinhamento, parceria, aquisição ou contratação de startups para inocular metodologia, inovação em suas veias entupidas pelo colesterol da burocracia.

Por si só, essa característica das startups já constitui um ganho excepcional para mercados modorrentos como o brasileiro, travados por décadas de pensamento protecionista e anticompetitivo. Temos poucas empresas de destaque no panorama internacional de inovação, pouquíssimas marcas com projeção global, mas um bom contingente de talentos importados por grandes players transnacionais. Mas o grande ganho da atividade das startups no País está justamente no que voa abaixo do radar: a prática das startups, seu foco em gestão, governança, desenvolvimento de modelos de negócio com agilidade, modelos escaláveis e paixão pela conversão. São elementos transformadores e perturbadores da ordem entendida como “natural” nos diferentes mercados. Transformadores porque trazem um repertório excepcional de ferramentas e sistemas de gestão, com ganhos de eficiência e captura de valor em pontos ocultos dos diferentes negócios. Perturbadores porque desafiam regulações e demonstram como negócios podem trazer eficiência exponencial para clientes se eliminarem intermediários, regras anacrônicas e usarem a tecnologia como meio de aceleração.

O aprendizado mais valioso da aventura e da jornada das startups no País é a capacidade de escalar negócios com extrema velocidade. Aceleração é vital para mercados que precisam crescer de modo ambicioso. As empresas incumbentes normalmente são lentas e já sabemos que normalmente é o rápido que engole o lento e não o grande que devora o pequeno. Inovar é fundamental, mas a transformação vital é tornar empresas mais rápidas, velozes, voltadas para execução acelerada.

A inovação tem um tempo. Ela obriga empresas a saírem da zona de conforto e a mudarem seu ritmo de tomada de decisões. Quanto mais startups impactarem o mercado, mais competências e nível de exigência são incorporadas ao cotidiano das corporações. Startups estão na corrida pela geração de valor e não no caminho da sobrevivência e do apego ao que fizeram. Se for necessário mudar o negócio do dia para a noite, assim será. Essa é a transformação imperceptível, sorrateira, que gradualmente remodela a tomada de decisões e força as empresas a mudança. Olhe para o interior da sua operação e compare os processos e o nível de exigência, conhecimento e agilidade que eram demandados há três anos com o que é pedido agora. A régua foi para cima ou a empresa simplesmente sucumbiu à irrelevância.

Essa é a ironia desses tempos estranhos: a referência e a busca por modelos não passa mais pelo que grandes empresas fazem. Startups têm inovação, mas são ainda mais valiosas porque mostram onde as empresas tradicionais fraquejam e por que são pouco competitivas.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]