Pesquisar
Close this search box.
/
/
A crise do sono: por que estamos dormindo tão mal?

A crise do sono: por que estamos dormindo tão mal?

Excesso de trabalho, medo do futuro na pandemia, mudança na rotina: dormir bem está se tornando um desafio atualmente. Especialista fala sobre o impacto das noites mal dormidas na vida pessoal e no trabalho

Atire o primeiro travesseiro quem não anda tendo problemas para dormir ultimamente. A gama de motivos é das mais variadas e, às vezes, se soma: medo da pandemia de Covid-19; questões com o trabalho para quem está empregado; busca por novas oportunidades para quem foi demitido; hiperconectividade com as diversas reuniões virtuais e mensagens no smartphone. O fato de haver menos mobilidade para quem ainda está evitando, ao máximo, sair de casa sem necessidade nas cidades brasileiras também contribui para que na madrugada o sono seja dos piores.

“Posso dizer que a pandemia do novo coronavírus tem sido bastante dura em relação ao sono. Primeiro porque aumentou a ansiedade – seja por conta do isolamento, seja por questões financeiras”, diz Dr. Fabio Porto, neurologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, especialista que conversou com exclusividade com a Consumidor Moderno para falar sobre esse momento de crise do sono. “O outro aspecto é porque como muita gente está fazendo home office, perde-se os compromissos sociais, que são outra coisa que ajuda a regular o sistema de sono e vigília”, continua o especialista. “Dormir não é um luxo, é uma necessidade”, completa.

Criar o que é chamado de “higiene do sono” é um dos primeiros fatores para trocar hábitos ruins relacionados ao momento antes de ir dormir por outros que ajudam a garantir relaxamento e qualidade de sono. Além disso, para o Dr. Fabio Porto, os impactos na vida profissional das noites mal dormidas podem ser ainda mais sentidos do que na vida íntima de cada indivíduo: “Quando você não está atendo a uma reunião, não está apto a resolver um problema complexo no seu trabalho, seu desempenho cai, por exemplo.”

Saiba mais sobre o assunto com esses 5 tópicos essenciais para garantir uma boa noite de sono, mudar os hábitos e desconectar a mente. Confira!

Como funciona o seu sono?

“O sono é dividido em várias fases, mas, basicamente, existem duas: a REM e não-REM. REM são as iniciais de Movimento Rápido dos Olhos, em inglês (Rapid Eyes Moviment)”, explica o neurologista. “O sono não-REM é dividido em três, sendo a fase 1 a mais superficial e a 3 a do sono mais profundo, de ondas lentas. Já no sono REM a atividade cerebral aumenta. Esses dois ciclos (REM e Não-REM) vão variando a cada 90, 120 minutos durante a noite”, diz. “O cérebro oscila entre sono de ondas lentas e sono de ondas rápidas. O de ondas lentas é o que faz a reparação cerebral, a fixação da memória, a limpeza no cérebro, e dá aquela sensação de acordar descansado. Enquanto que o sono REM tem a função de fazer o processamento emocional, de ajudar também na memória (cortando aquelas não-importantes)”, afirma. Por isso mesmo, o sono não é simplesmente “apagar o cérebro”, como muita gente pensa de maneira equivocada, segundo o médico. “É um ciclo de processos mais e menos ativos fundamentais para manter a boa saúde e um bom controle da memória e até do humor”.

Menos vida social = menos sono

A ansiedade de ficar quase que permanentemente em casa teve impacto certeiro na nossa rotina de dormir. “As pessoas quando estão muito ansiosas têm dificuldade de pegar no sono, ficam acordando de madrugada sem motivo, tem sonhos muito fortes, muito intensos”, diz o especialista sobre o que tem visto atualmente, em tempos de pandemia. “Ter que acordar às 7 horas da manhã para sair de casa às 8h é um estímulo para você manter um horário fixo para ir dormir. Quando perde-se muito isso, às vezes o ciclo desregula. Além disso, a pandemia também aumentou o uso das telas – de televisão, de celular, do computador – e isso vai expondo muita luz nos olhos, que ajuda a desregular o sono das pessoas”, alerta o Dr. Fabio Porto.

A crise do sono pode atrapalhar também nas funções do dia a dia. Foto: Pexels.

Noites mal dormidas X carreira profissional

“O sono é fundamental para se ter uma boa saúde, tanto física, quanto mental”, alerta o médico. “As pessoas que não dormem bem estão frequentemente cansadas, sonolentas, desatentas. A restrição de sono traz problemas de humor – as pessoas ficam mais tristes, mais cansadas, mais irritadas”. E essa informação pode chocar muita gente mas uma simples noite de sono mal dormida já altera o funcionamento do nosso cérebro e causa redução da performance cognitiva. “As pessoas ficam com dificuldade de organizar, planejar, tomar decisões planejadas. E tudo isso provoca dificuldades tanto na vida pessoal, mas eu diria que, principalmente, na vida profissional. Quando você não está atendo a uma reunião, não está apto a resolver um problema complexo no seu trabalho, seu desempenho cai. Você vai demorar mais tempo para fazer a mesma tarefa. Se está irritado, a sua relação com os colegas de trabalho fica alterada. Dormir é fundamental”, explica o especialista.

Como fazer a “higiene do sono”

“A atual questão da ultraconexão é um problema. Mas a gente precisa praticar esse conjunto de medidas ambientais que nos faz dormir melhor”, diz o neurologista. “Uma das coisas fundamentais aqui é ir reduzindo o ritmo pelo menos umas duas horas antes do horário que de dormir. Começar a fazer coisas mais devagar. Desconectar de problemas do trabalho, evitar ao máximo o celular, a luz eletrônica (que é essa luz azul) direto nos olhos”, conta o Dr. Fabio Porto. É preciso pensar que só um estado mais relaxado de mente e corpo é que ajuda na boa qualidade do sono. “Frequentemente as pessoas têm problemas para parar de ver mensagens no celular e isso é um hábito ruim. Se você deitar na cama e ficar pensando em problemas, isso cria uma insônia crônica. O se precisa fazer é dessensibilizar esses hábitos e entender que a gente precisa desacelerar um pouco antes de dormir”, define ele.

O mito de “dormir pouco, trabalhar muito”

“É um grande erro você achar que a privação crônica de sono, que é algo fisiológico do ser humano, vai funcionar para alguma coisa”, alerta o especialista. “O cérebro humano, para ter um bom desempenho, precisa dormir. Não existe essa ditadura das 8 horas de sono, porque essas horas podem ser variáveis. Algumas pessoas podem ficar bem com 6 horas dormindo, por exemplo. Mas, em geral, de 6 a 8 horas é o necessário para um adulto. Mas achar que a pessoa ficará bem não tendo dormido o suficiente ou se expondo a uma privação crônica de sono, isso é uma falácia, não acontece. As pessoas que dormem pouco passam a ficar irritadas, tristes, desatentas – e isso causa uma alteração no desempenho cognitivo e profissional”, diz o neurologista. Ele alerta, inclusive, que dormir é essencial para quem está empreendendo: “Se você quer ser um bom empreendedor, precisa ter ideias novas, que resolvam problemas. Como a pessoa pensará em algo fora do habitual se esse sistema de tomar decisões não estiver funcionando bem? A minha visão é que as pessoas andam esquecendo que dormir é algo fisiológico, que é normal, e quando se faz algo que não é fisiológico para o seu corpo, se enfrenta problemas. Pode não ser agora, exatamente, mas daqui a alguns anos, certamente, terá grandes impactos negativos. Há estudos que mostram que quem tem insônia crônica tem mais chances de ter doenças cérebro-vascular, além de infarto, derrames, doenças degenerativas. Ou seja, o sono tem essa função de ‘limpar’ o cérebro, de relaxar as artérias, de fazer o ajuste do controle autonômico do sono. Não dormir não é algo que a gente deveria tolerar. Dormir não é um luxo, é uma necessidade”, finaliza o médico.


+ Notícias 

A importância do silêncio para a sua saúde mental

Em tempos de hiperconectividade no trabalho, escrever à mão está em alta

A mentalidade da jornada contra o estresse da pandemia


Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]