Pesquisar
Close this search box.
/
/
4 Etapas da transformação digital que estão acontecendo ao seu redor

4 Etapas da transformação digital que estão acontecendo ao seu redor

Tecnologias vistas como impossíveis já operam no varejo e transformam lojas de uma ponta a outra. Saiba quais são e quem está colocando em prática

Transformação digital é tema debatido nas rodas de conversas de várias empresas. E não é à toa: com o crescimento do digital na vida das pessoas, as marcas começam a encontrar formas de se conectar com seus consumidores onde ele estiver e como ele quiser. A lógica da transformação digital nas empresas envolve não apenas digitalização, mas a compreensão desse comportamento humano, que exige conexões cada vez mais imediatas e assertivas com a ajuda da tecnologia.

 A revista NOVAREJO digital está com conteúdo novo. Acesse agora! 

Muita coisa em transformação digital ainda tem ares de futuro. Mas não é bem assim. Algumas tecnologias imaginadas apenas para os próximos anos já são usadas por varejistas brasileiros. O coordenador do curso de MBA em Varejo e Mercado de Consumo da USP, professor Marcos Luppe, aponta que a grande novidade da transformação digital para 2018 é a aparição das grandes tecnologias na vida real. Aquilo antes visto só nas feiras internacionais agora é aplicado no dia a dia.

Confira em que contexto a transformação digital já saiu da tendência e aterrissou para a realidade.

1. Eliminação de filas  

Para Luppe, haverá uma revolução no varejo físico que transformará a loja tradicional em um ambiente mais lúdico e performático. Para isso, o varejo físico terá que reduzir a zero (ou quase isso) o atrito com o cliente e apostar na experiência de compra. “Tudo que dificulta o processo de compra do cliente precisa ser reduzido ou eliminado”, afirma Luppe.

A dor de cabeça universal do varejo são as filas. Esse ponto de atrito é o que tem sido mais atacado pelos varejistas pioneiros no uso da tecnologia. Luppe destaca as iniciativas da Starbucks nos Estados Unidos, que estão chamando atenção do grande varejo nacional. “Por intermédio do aplicativo, você faz seu pedido ainda no caminho para a loja. Quando chega, é só pagar e retirar”, explica o professor, que ainda destaca a customização dos produtos via aplicativo e os PDVs automatizados com tecnologia de aproximação.

McDonald’s e Magazine Luiza foram destacados por Luppe como cases de eliminação das filas no varejo nacional. A unidade do McDonald’s no bairro de Pinheiros, em São Paulo, tem totem para fazer pedido e realizar o pagamento. Os funcionários ficam dedicados exclusivamente a preparação e entrega dos produtos.

No Magazine Luiza, algumas lojas oferecem ao consumidor a oportunidade de pagar a compra direto com o vendedor, por meio dos smartphones transformados em pontos de venda móveis. Sem filas, portanto.

2. Preparação da mão-de-obra

A transformação digital deve abarcar todas as áreas da empresa, do backoffice à ponta de loja, mas o professor destaca: sem tapeação. “Colocar sinais de Wi-Fi e algumas telas e painéis interativos não tiram a loja de um estado analógico e passam para um digital. É preciso mais que isso. É um erro comum achar que só a tecnologia vai resolver os problemas. É preciso uma mudança realmente profunda, capitaneada pelo alto escalão, pelos CEOs, e que vá cascateando para todas as outras áreas”, explica.

Ele destaca ainda que a transformação digital deve ser calcada em três pilares. Tecnologia é apenas um deles, os outros são processos e pessoas. Como exemplo, Luppe destaca a loja do Pontofrio, no Shopping Vila Olímpia, em São Paulo. A unidade é o grande case de transformação digital da marca, não só pelas novas tecnologias empregadas, mas por causa da mudança nos processos internos e na equipe de vendas, segundo o Luppe.

“Toda a equipe de vendas é nova e tem outra mentalidade. Os funcionários têm liberdade para fazer campanhas para redes sociais, enquanto em outras empresas as redes sociais ainda são bloqueadas. A cultura da empresa tem que mudar. É preciso quebrar paradigmas”, afirma.

Ele ressalta que não é necessária a substituição da equipe e que é absolutamente possível mudar processos dentro de um time já instalado e adaptado. Basta que recebam os devidos treinamento e orientação.

3. Aposta no impossível

Grandes marcas já estão conseguindo gerar valor sobre tecnologias mais disruptivas, como a IOT (internet das coisas), a realidade aumentada e a realidade virtual.

Na unidade do Pontofrio, alguns elementos já estão à disposição do público. Com o óculos de realidade virtual, por exemplo, o consumidor é capaz de visualizar os produtos à venda ambientados em quartos e cozinhas digitalizados. As câmeras que fazem o monitoramento do fluxo dentro da loja e no corredor em frente fazem também o reconhecimento facial das pessoas para entender os sentimentos dos consumidores durante a experiência de compra.

Luppe afirma que essas novidades estão ao alcance apenas do grande varejo, mas que outras tecnologias já podem ser acessadas pelo varejista de médio e pequeno porte. “A tecnologia mais utilizada tem sido o medidor de fluxo nas lojas. Sua popularização se deu também pela queda nos preços dos sensores usados”, destaca o especialista. Os sensores captam o comportamento do consumidor dentro da loja, por onde ele caminha e quanto tempo ele dedica à experiência de compra.

4. Disputa com empresas estrangeiras

Segundo o professor, as vendas via e-commerce ainda são subaproveitadas pelo varejo nacional, tanto no mercado interno quanto no exterior. “Os números a partir de 2016 apontam R$ 44 bilhões de faturamento no e-commerce brasileiro. Tem ainda o crossborder, que são as compras de e-commerce que não estão sediados aqui, que atraem consumidores brasileiros para os marketplaces estrangeiros. Isso soma R$ 24 bilhões”, relata.

Muitas empresas, segundo Luppe, assustam-se com a globalização e não são capazes de enxergar o ganho de mercado que ela pode oferecer. Além da oportunidade de fazer crescer as vendas no mercado interno, é possível buscar clientes fora. “Duas empresas nacionais estão fazendo isso. Havaianas e Melissa atuam fortemente nos marketplaces estrangeiros, em especial na China, onde os calçados brasileiros estão fazendo sucesso”, destaca Luppe.

Leia também: 

A transformação digital no varejo que não pode abrir mão do papel moeda

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]