Pesquisar
Close this search box.
/
/
Os 10 pecados do Facebook

Os 10 pecados do Facebook

Em maio, Mark Zuckerberg celebrou mais um aniversário, mas sem muitos motivos para comemorar. Nos últimos anos, a empresa tem sido questionada sobre o uso de dados dos seus usuários

No mês passado, Mark Zuckerberg completou 35 anos e não conseguiu celebrar discretamente, já que enfrenta uma investigação federal cujo objetivo é analisar a sua responsabilidade pela má gestão dos dados privados dos usuários, ao mesmo tempo que os escândalos do Facebook continuam a inundar as manchetes. A Kaspersky, uma das maiores empresas do mundo de cibersegurança, apontou os 10 ERROS mais importantes relacionados ao uso indevido dos dados privados dos usuários do Facebook.

1 – Cambridge Analytica: foi assim que tudo começou
Crédito: Unsplash

 

Tudo começou com o escândalo da Cambridge Analytica. No início de 2018, foi confirmado que terceiros podiam usar os dados e opiniões que compartilhados no Facebook sem o nosso consentimento. A Cambridge Analytica coletou informações de 50 milhões de usuários da plataforma de rede social e as usou para veicular propaganda política. Isso impactou a todos, mas foi apenas o começo.

2 – Os tokens roubados do Facebook
Crédito: Unsplash

Seis meses depois, outro escândalo atingiu a plataforma: um grupo de cibercriminosos conseguiu explorar várias vulnerabilidades do Facebook e roubar tokens de acesso (que são chaves digitais basicamente equivalentes as informações de acesso da conta) de milhões de usuários.

No total, os responsáveis pelo ataque roubaram 30 milhões de usuários: tiveram acesso aos nomes e lista de contatos de 15 milhões e podiam ver as atividades de 14 milhões. Quanto aos milhões de usuários restantes, os cibercriminosos não acessaram nenhum tipo de informação. Em seguida, usuários do Facebook descobriram que a rede não era tão impenetrável e que qualquer um poderia roubar as contas do Facebook  em massa, mas não fizeram nada de errado.

3 – Senhas do Facebook e Instagram foram divulgadas
Crédito: Unsplash

Se 30 milhões de pessoas afetadas parece pouco para você, ocorreu um incidente que envolveu centenas de milhões de usuários do Facebook e do Instagram. No início de 2019, o Facebook assumiu que seus processos internos relacionados à segurança dos dados do usuário não são perfeitos. A empresa admitiu que estava armazenando algumas das senhas do Facebook e do Instagram em texto simples, mas insistiu que apenas os funcionários poderiam acessá-las e que ninguém havia abusado dessas permissões.

Até agora, o número exato de usuários afetados pelo vazamento de dados privados não foi divulgado. Primeiro, a empresa comentou que o problema de segurança afetou mais de 100 milhões de usuários do Facebook Lite, dezenas de milhões do Facebook e milhares de usuários do Instagram. Mas um mês depois, houve uma ratificação na qual afirmaram que o problema (que já foi corrigido) não afetou dezenas de milhares, mas milhões de usuários no Instagram.

4 – Senhas do Instagram vazaram novamente
Crédito: Unsplash

A verdade é que esta não foi a primeira vez que os usuários do Instagram descobriram que suas senhas poderiam ter vazado. Alguns meses antes, descobriu-se que a função “Baixar dados” do Instagram continha uma ação (agora corrigida) que poderia ter divulgado inadvertidamente algumas senhas da plataforma. Quando os usuários efetuaram o login para usar esse recurso, suas senhas foram incluídas em URLs nos navegadores e, novamente, armazenadas nos servidores do Facebook como texto simples.

5 – Facebook solicitou senhas de e-mails e se apropriou de contatos
Crédito: Unsplash

O Facebook se apropriou dos contatos de e-mail de 1,5 milhão de usuários sem consentimento. Bem, é algo mais complicado. Na verdade, ele pediu (link nofollow) a um subgrupo de recém-chegados para verificar suas identidades e, para isso, foi necessário o fornecimento da senha das contas de e-mail. Quando a notícia veio à tona sobre o vazamento de dados privados, muitos pensaram que era uma piada, nenhum usuário da Internet poderia imaginar a ideia de oferecer a terceiros acesso às suas comunicações por e-mail. Infelizmente, não foi uma brincadeira e muitos caíram.

De acordo com o Facebook (link no follow), não houve acesso ao conteúdo dos e-mails dos usuários, ele apenas coletou inadvertidamente os contatos. Um total de 1,5 milhão de usuários foi afetado, mas como as listas de e-mail podem contar com centenas de contatos, o número chega a dezenas de milhões. A empresa alega que utilizou os dados privados dos usuários do Facebook para melhorar a publicidade direcionada, desenvolver as conexões sociais do site do Facebook e recomendar novos amigos aos usuários.

6 – A autenticação de dois fatores é uma ferramenta para anunciantes
Crédito: Unsplash

Todos nós queremos manter as nossas contas seguras e a autenticação de dois fatores parece a melhor opção, mas mesmo neste caso surgem problemas. Por exemplo, o número de telefone que você fornece ao ativá-la é automaticamente associado a sua conta e não é possível modificá-lo. Consequentemente qualquer pessoa pode encontrar seu perfil (link nofollow) usando seu contato, mesmo que ela não tenha uma conta. Como se isso não bastasse, o Facebook também pode enviar anúncios para seu número de telefone

7 – Seus contatos nunca estarão a salvo dos anunciantes
Crédito: Unsplash

Como mencionamos anteriormente, o Facebook e o Instagram têm dado aos anunciantes acesso a informações de contato que os usuários não necessariamente armazenam na plataforma. Ou seja, os anúncios estão direcionados (e certamente continuarão) aos nossos endereços de e-mail e números de telefone indicados em nossas “informações básicas e de contato”, ou em outra categoria de dados privados vazados do Facebook.

Essas informações podem ser o número de telefone (se for seu caso) inserido para a funcionalidade 2FA e os endereços dos e-mails indesejados fornecidos para descontos ou compras online furtivas. Além disso, se um de seus contatos decidir compartilhar (“sincronizar”) os contatos dele com o Facebook ou autorizar o acesso à lista de endereços (para “encontrar amigos”) e isso incluir seu número de telefone, mesmo que você nunca tenha inserido essas informações, os anunciantes poderão endereçar anúncios usando essa base de dados.

8 – Facebook compartilhou dados com anunciantes
Crédito: Pixabay

Como os documentos internos vazados mostraram, o Facebook tem usado (link nofollow) os dados privados dos usuários para influenciar as empresas com as quais estava associado. Por exemplo, a Amazon.com, que investiu uma grande quantia de verba publicitária na plataforma, conseguiu obter os nomes e endereços de e-mail dos usuários por meio de seus amigos (assim como Sony, Microsoft e muitos outros).

O mecanismo de pesquisa da Microsoft conseguiu acessar os nomes de todos os nossos amigos no Facebook sem o nosso (ou seu) consentimento. A Netflix, o Spotify e o Royal Bank of Canada tiveram o privilégio de ler, escrever e excluir nossas mensagens privadas e de ver todos os participantes dessas conversas. Os dispositivos da Apple tinham acesso a números de contatos e anotações do calendário, mesmo de pessoas que haviam alterado suas configurações de conta para desativar essa opção.

As empresas envolvidas afirmaram que nunca usaram mal esses dados que tiveram acesso e algumas indicaram que não sabiam sobre os direitos tão “privilegiados”.

9 – Facebook Marketplace filtrou a localização exata dos vendedores
Crédito: Pixabay

Uma falha de segurança ( já corrigida) no mercado digital do Facebook indicava a localização exata dos vendedores (coordenadas precisas de longitude e latitude) e, portanto, de seus produtos. Para checar a localização, não era preciso nem fazer o acesso logado à plataforma, então alguns especialistas começaram a chamar o serviço de “lista de compras dos ladrões”. Para os vendedores de bicicletas caras esta falha foi realmente preocupante, porque os cibercriminosos poderiam se beneficiar muito sabendo da localização exata do item. O marketplace estava basicamente dando as bicicletas de “mão beijada”.

10 – Dados do Facebook vazados por terceiro
Crédito: Pixabay

Foram descobertos dois bancos de dados que armazenam informações do usuário em texto simples e que poderiam ser acessados ??e baixados por qualquer pessoa. Um deles teve como fonte um jogo chamado “At the pool”, já em desuso há bastante tempo, e o outro continha mais de 540 milhões de registros que pertenciam à Cultura Colectiva, um meio de comunicação mexicano que opera em toda a América Latina. Ambas as bases de dados (link interno) incluíram os nomes e endereços de e-mail dos usuários, a lista de amigos, curtidas, comentários e todos os tipos de informações que ajudam a analisar as preferências e interesses dos usuários.

Embora as informações não fossem especialmente sensíveis e o pessoal do Facebook em si não estivesse ligado ao vazamento, mais uma vez se levanta a questão de como o Facebook compartilhou os dados dos usuários com terceiros e reverbera no escândalo que se tornou a Cambridge Analytica.

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]