Pesquisar
Close this search box.
/
/
Cinco tendências para ficar de olho na indústria edtech

Cinco tendências para ficar de olho na indústria edtech

Análise da McKinsey&Company aponta elementos importantes sobre o mercado.

A indústria edtech para adultos está evoluindo tão rapidamente quanto cresce. Mudanças significativas estão ocorrendo em oportunidades de fusões e aquisições, pontos críticos geográficos, demandas de usuários e no mercado corporativo.

Nos últimos dois anos, houve um rápido crescimento no segmento de educação para o emprego do setor de edtech que atende alunos adultos. As avaliações para essas empresas de edtech de educação para emprego tiveram um passeio de montanha-russa, pois as companhias existentes atraem um enorme influxo de capital, milhares de novos players entram no campo e os investidores questionam como são os modelos de negócios escaláveis ​​e lucrativos no espaço.

Atualmente, existem dezenas de start-ups “unicórnios” de edtech com avaliações de mais de US$ 1 bilhão.

Pensando nisso, a McKinsey&Company listou cinco tendências que estão ocorrendo com as edtechs e que os players do setor podem querer considerar ao planejar seus próximos movimentos:

1. As entradas de capital estão mais altas do que
nunca na indústria edtech

Graças às rápidas mudanças tecnológicas e à digitalização empresarial, muitas empresas estão buscando aprimorar continuamente a qualificação de sua força de trabalho. Ao mesmo tempo, o acesso à banda larga tornou-se mais acessível e as tecnologias de educação a distância tornaram-se mais avançadas.

Esses desenvolvimentos ajudaram o boom do setor de edtech: os capitalistas de risco investiram US$ 20,8 bilhões no setor de edtech globalmente em 2021. Isso é mais de 40 vezes o valor que investiram em 2010.

Embora as avaliações públicas tenham esfriado recentemente, as empresas privadas ainda estão levantando capital em múltiplos de receita de dois dígitos.

Os capitalistas de risco continuam migrando para a edtech, porque professores, administradores, alunos e funcionários ficaram mais à vontade com a tecnologia educacional durante a pandemia. A McKinsey&Company acredita que esses hábitos vieram para ficar e que a educação on-line está se tornando o novo normal.

Conheça o Mundo do CX

2. Os integrantes das edtechs estão se fundindo e formando parcerias para alcançar escala e eficiência

As empresas edtech querem que o valor vitalício de seus clientes exceda o custo de aquisição. As demonstrações financeiras mostram que os custos de vendas e marketing em várias das maiores empresas de edtech variaram de 20 a 60 por cento da receita nos últimos anos.

À medida que buscam maneiras sustentáveis ​​de reduzir o problema de todo o setor com altos custos de aquisição de clientes (CAC), algumas empresas de edtech estão se voltando para fusões e aquisições na esperança de alcançar economias de escala.

Em junho de 2021, a 2U anunciou a aquisição de US$ 800 milhões da edX, uma organização sem fins lucrativos administrada por Harvard e MIT. Essa aquisição dá à 2U acesso a uma forte marca voltada para o cliente, aproximadamente 40 milhões de usuários registrados e centenas de parceiros universitários.

Esses ativos dão à 2U uma presença significativa em mercados em crescimento fora dos Estados Unidos e podem ajudar a reduzir o CAC enquanto desenvolve seu modelo de graduação gratuita.

Houve outras grandes fusões e aquisições recentes no setor de edtech. Por exemplo, a Anthology e a Blackboard concordaram com uma fusão de US$ 3 bilhões.

Todas essas fusões e aquisições foram possibilitadas por capital abundante. Mas depois que as empresas assinam o contrato, elas enfrentam o desafio de integrar suas respectivas operações para obter os benefícios prometidos.

3. As grandes empresas veem a requalificação e qualificação dos funcionários como uma necessidade

Com um número quase recorde de postos de trabalho nos Estados Unidos, graças a um mercado de trabalho apertado, atrair e reter talentos tornou-se um desafio fundamental para muitas empresas.

Grandes empregadores, como Amazon, Walmart, Target e Google anunciaram grandes investimentos em programas de educação e desenvolvimento da força de trabalho para diminuir a rotatividade e preencher as lacunas de talentos. Alguns, como o Walmart, estão integrando esses programas em suas iniciativas de diversidade, equidade e inclusão.

Para atender à demanda por qualificação e requalificação, as empresas de educação on-line estão expandindo e enfatizando suas ofertas corporativas. Entre as 15 empresas de educação de adultos que receberam mais financiamento em 2021, todas, exceto uma, têm uma oferta empresarial.

Mesmo empresas como a Coursera, que inicialmente se concentrava nos consumidores, aumentaram drasticamente suas receitas de clientes corporativos nos últimos anos.

Para ter sucesso no espaço corporativo, as empresas de edtech podem oferecer recursos como análises abrangentes da força de trabalho que atraem os departamentos de RH e os funcionários.

Por exemplo, os aplicativos podem identificar lacunas de habilidades na força de trabalho, oferecer conteúdo educacional para preencher essas lacunas e fornecer serviços de orientação e orientação de carreira para combinar graduados recém-qualificados com cargos em que possam agregar mais valor.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

4. A Índia se torna líder na corrida edtech com aspirações globais

Em 2010, os Estados Unidos atraíram quase três quartos do financiamento global de edtech. Uma década depois, os investidores voltaram sua atenção para a Índia.

Com os crescentes ventos contrários regulatórios atingindo a indústria chinesa de edtech, proeminentes players – incluindo Udacity, Coursera e edX – voltaram seu foco de investimento para o enorme mercado indiano.

Enquanto o mercado chinês representou 63% do financiamento de edtech em 2020, caiu para menos de 13% em 2021. Na Índia, o financiamento de edtech cresceu de US$ 0,2 bilhão há cinco anos para US$ 3,8 bilhões e 18% dos investimentos globais em 2021.

Ao mesmo tempo, players indianos de edtech desenvolvidos localmente, como a Emeritus, atingiram avaliações de bilhões de dólares e começaram a adquirir empresas no mercado dos EUA.

Para prosperar em meio à concorrência global, as empresas de edtech podem adaptar uma estratégia de crescimento para cada país-alvo, protegendo seu mercado doméstico.

5. Os líderes das edtechs estão se concentrando em apoiar a progressão na carreira

Em 2021, a McKinsey&Company entrevistou mais de 3.500 estudantes e integrantes da indústria edtech e descobriu que muitos estavam motivados pela perspectiva de alavancar suas carreiras e buscavam um senso de comunidade.

Novas modalidades, como realidades virtuais e aumentadas, web3, IA e aprendizado de máquina, estão entrando na educação. No entanto, as descobertas sugerem que os provedores de edtech não podem confiar demais em tecnologia e conteúdo. Os alunos querem serviços de valor agregado, como orientação personalizada, preparação para entrevistas e apoio para conseguir um emprego.

Para oferecer experiências de usuário mais holísticas, alguns players de edtech estão desenvolvendo seus recursos internos e fazendo aquisições.

Na Índia, por exemplo, a upGrad adquiriu uma agência de recrutamento e seleção de pessoal para ajudar seus alunos a progredir em suas carreiras.

Nos Estados Unidos, a On Deck construiu um modelo de negócios para dar aos alunos acesso a uma comunidade em vez de vender cursos. A Arizona State University oferece aconselhamento gratuito, orientação e suporte de intervenção em crises para alunos de aprendizado on-line e híbrido.


+ Notícias

O CX por trás da estratégia da Noh

Digitalizar para otimizar: uma receita para maximizar recursos e resultados

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]