Pesquisar
Close this search box.
Megatrends: do Web Summit para o futuro

Megatrends: do Web Summit para o futuro

A Consumidor Moderno foi ao Web Summit e trouxe insights valiosos que já pautam o presente e tendem a ganhar escala no futuro dos negócios e da sociedade

   Enorme. Este é um adjetivo que define muitos dos aspectos do Web Summit – desde a dimensão física até a relevância para diferentes mercados. Para se ter uma ideia, em 2022, o evento ocupou 21 mil metros quadrados, recebeu mais de 71 mil participantes de 160 países diferentes e contou com 1.050 palestrantes, que se dividiram entre 17 palcos. O Brasil foi a terceira maior delegação do evento – para a surpresa de absolutamente ninguém, já que o País costuma levar grandes grupos para os maiores eventos do mundo.

   Diante de tamanha grandeza, surgem as questões: Como determinar quais conteúdos são mais relevantes? De que maneira é possível realmente absorver o que há de fundamental no evento? Ciente desse desafio, o OasisLab, através de curadores especialistas, assumiu a missão de traduzir, para a realidade brasileira, os principais insights do Web Summit 2022. Jacques Meir, diretor-executivo de Conhecimento do Grupo Padrão, esteve entre os curadores de conteúdo e identificou cinco megatendências – tendências de amplo alcance e escala que vão, continuamente, se estabelecer entre os próximos 10, 15 anos.

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

1. VIDA DIGITAL

   A vida digital é hoje um conceito inescapável, no qual o ser humano se insere por meio de multitelas. São elas que vão levar a humanidade a uma existência simultânea ou híbrida, aponta Jacques Meir. “Ficaremos cercados de interfaces e, por meio delas, transitaremos por ambientes digitais e físicos, exercendo uma vida fluida e muito conectiva”, detalha.

   A própria vivência do Web Summit permitiu viver essa tendência – não só entre pavilhões e na interação com as pessoas, mas pelas conexões. A percepção, no Web Summit, foi de que a vida digital multitelas pode migrar para um conceito de “multividas”, segundo o OasisLab. Cada vez mais simultaneamente digitais e físicas, híbridas, fluidas e interconectadas, as experiências digitais e físicas serão vistas como experiências de vida. “A posse ou o uso temporário de bens fará tanto sentido na vida ‘real’ quanto dentro de um jogo”, destaca Guga Schifino, head da DX.CO.

   O efeito colateral, para o diretor-executivo de Conhecimento do Grupo Padrão, é a formação de coalizões de pessoas e empresas para criar alternativas ao modelo dominante de plataformas que caracterizou a Web2. “A tendência é que, com a consolidação da Web3 e do metaverso, possamos desafiar as big techs. É possível que vejamos muitas unitechs, por causa da existência mais híbrida e da internet baseada em protocolos”, destaca.

2. GERAÇÃO Z

   Donos da narrativa contemporânea, capazes de controlar com muita habilidade as formas de linguagem de mídias sociais, a Geração Z já domina um movimento que leva à vida digital – e não é por acaso, afinal, esse público cresceu já com o Google.

   O domínio das tecnologias mudou a relação com as pessoas, as marcas, os produtos e os serviços, em um processo muito mais individual e personalizado que na arena coletiva do mundo off-line mas, ao mesmo tempo, com uma necessidade de colaboração e integração – intermediada pelos devices, desde as mídias sociais até os jogos.

   Contudo, a enorme pressão psicológica a que todos estão submetidos devido a fatores em simultaneidade – pandemia, inflação, guerra, home office, recessão – tem acelerado a mudança de paradigmas que nasceram e cresceram com a Geração Z. Diante desse cenário, Meir alerta: esta jovem geração está exausta. “É a que mais consome antidepressivos, porque precisa de ajuda química para lidar com a forma como a vida se apresenta pra ela”, explica.

3. A IA CADA VEZ MAIS PRESENTE NA NOSSA VIDA

   Todos nós já terceirizamos pequenas decisões para a Inteligência Artificial (IA). A playlist que toca no Spotify e os caminhos seguidos a partir da orientação de aplicativos de deslocamento são alguns reflexos de como a IA pode otimizar e orientar nossas decisões, deixando mais tempo para buscar formas de gerenciar nossa própria vida.

   Um questionamento levantado no Web Summit e apontado por Jacques Meir é o limite dessa utilização para a autonomia das pessoas. “Será que as IAs influenciarão o afeto, a alimentação e outras decisões íntimas?”, questiona, enquanto aposta no “eugoritmo”, uma evolução que seja reflexo das identidades pessoais e que procure retratá-las. “É uma das formas de se sentir mais confortável em uma vida que se torna cada vez mais paradoxal”, defende.

4. CRIPTOVERSO

   O mundo cripto não é uma moda passageira. Isso é o que apontaram os debates no Web Summit. A fusão do metaverso com a aplicação da lógica de uso dos criptoativos confronta o modelo de negócio contemporâneo e abre espaço para o surgimento de novos paradigmas de valor. Schifino, head da DX.CO, explica que, quando orientada para o consumo digital, essa combinação vai mudar inclusive a cadeia de valor.

   O lançamento da Open Metaverse Alliance (OMA3) durante o Web Summit mostra a evolução do setor: as principais empresas desenvolvedoras de plataformas imersivas, como Decentraland e The Sandbox, uniram-se na criação de protocolos de interoperabilidade. A tendência é que, em breve, se torne possível transitar avatares e ativos digitais entre plataformas.

   O metaverso é inclusivo, destaca Schifino. “Ele traz mobilidade de uma forma inédita: é sobre se mover, interagir, consumir em outra escala e em mais ambientes, e pode movimentar cerca de US$ 13 trilhões até 2030”, avalia. Thiago Pessoa de Mello, Chief Product Officer & Chief Marketing Officer da Linx | Stone Software, por sua vez, analisa que tecnologias que eram só “hype” passaram a fazer parte do dia a dia, mudando o jeito como as pessoas se comportam.

   E, por mais que esta pareça ainda uma realidade um tanto distante, o head da DX.CO garante: o metaverso vai acontecer. Por isso, é elementar abrir mão do preconceito contra essa tecnologia. 

   Outra reação a isso é a mudança dos valores da empresa como conhecemos hoje, avalia Jacques Meir. “Ela será avaliada de uma maneira diferente nos ambientes digitais. No metaverso, será pelo impacto social e pelo design inclusivo – e bem-sucedido – mais do que pelo valor dos produtos”, diz. 

   Para que essa realidade se consolide, a internet também vai mudar. A Web3 não é um upgrade da internet atual: é uma nova forma de pensar as conexões em rede, destaca o relatório do OasisLab. A internet como conhecemos hoje é controlada e gerida por grandes players, que ditam as regras – mesmo as tácitas – de consumo e informação. Já a Web3 se baseia em protocolos.

   “Uma evolução da internet na qual todos podemos executar ideias”, afirma Schifino. “Uma sociedade gerida mais por protocolos do que por empresas permite um ambiente descentralizado, tokenizado, em que há mais garantias e controle.”

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

WEB SUMMIT EM NÚMEROS

0
participantes de 160 países
O Brasil foi a  0 ª
maior delegação no evento
0
metros quadrados ocupados
0
palcos e 26 trilhas de conteúdo
0
palestrantes

5. SUSTENTABILIDADE REINVENTADA

   Nos dias atuais, é quase impossível falar de negócios, da sociedade e de grandes eventos sem falar em meio ambiente – tema que impacta toda a lógica de negócios. Não por acaso, esse foi um dos temas mais abordados no Web Summit. “Não adianta mais as pessoas cuidarem só delas mesmas: é preciso um planeta com qualidade para viver. É importante, para o desenvolvimento econômico, que o consumo sustentável seja o cerne dos negócios”, afirma Fabiana Estrela, diretora de Treinamento e Desenvolvimento do Grupo Salus.

   Dentro dessa perspectiva, há várias diferentes abordagens complementares. O grande objetivo do desenvolvimento de tecnologia é tornar a vida melhor, mas é preciso ter propósito alinhado com as práticas de ESG. E entre elas foi debatido, no Web Summit, como as tecnologias podem contribuir para o monitoramento da pegada de carbono, a reciclagem, o fortalecimento da economia circular – item especialmente caro à Geração Z.

   “A importância para a Geração Z está na qualidade de vida, na construção de colaborações e nos engajamentos verdadeiros. A circularidade na moda é um exemplo disso. Das pessoas das novas gerações, 70% preferem produtos de segunda mão. Até 2030, esse mercado vai ultrapassar o fast fashion”, relata Fabiana.

   O conceito de sustentabilidade baseado na reciclagem não foi bem entendido ou praticado até agora, concorda Jacques Meir. “É difícil fazer as pessoas se engajarem quando elas não entendem o pensamento de reciclagem, mas entendem o conceito de reuso, mais fácil de ser entendido, replicado e ganhar escala”, defende. 

   É uma mudança que Guga Schifino define como a transformação no objetivo. “As pessoas compram o porquê das coisas – percebemos dentro do Web Summit como a obsessão pelo propósito é o viés que determina o consumo no mundo, especialmente sob o domínio da Geração Z.”

   Por fim, Natalia Royo Sampaio, head de Inteligência de Mercado e do Consumidor da Galunion, comenta: “Vimos muito forte nas startups dentro do Web Summit a tendência automação em toda a cadeia de produção, começando pela agricultura em si para reduzir a pegada de carbono no ambiente, além de várias outras propostas de redução e até negativação de emissões, assim como os esforços para medir e checar impactos.” 

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]