Pesquisar
Close this search box.
Ainda é tempo de falarmos sobre a regulação dos algoritmos?

Ainda é tempo de falarmos sobre a regulação dos algoritmos?

O mundo é big data, mas há a discussão sobre o uso abusivo dos algoritmos para a personalização de publicidade e até mesmo sobre como a automação pode ampliar discursos nocivos à sociedade

Muitos pensadores da tecnologia têm uma visão sombria, quase apocalíptica, quando o assunto é o futuro da humanidade. Yuval Noah Harari, por exemplo, afirma que a fusão entre a revolução biotecnológica (o conhecimento supremo sobre o corpo humano) e a revolução da tecnologia (o aumento exponencial da capacidade de processamento de dados) provavelmente será o último dia do domínio humano sobre o livre arbítrio. No lugar, entra a máquina.

De certa forma, esse domínio da máquina sobre algumas decisões humanas já ocorre no cotidiano. Hoje, ao acessar o Facebook, já existe um algoritmo com o seu nome e sobrenome dedicado a oferecer um conteúdo na sua linha do tempo que você vai amar ou odiar e, sobretudo, interagir. O mesmo ocorre com as compras feitas na Amazon e no AliExpress.

PUBLICIDADE

REGULAÇÃO

Há quem diga que o jeito seria contra-atacar por meio da chamada regulação algorítmica, um termo autoexplicativo que foi popularizado pelo empresário do Vale do Silício Tim O’Reilly.

O Velho Mundo deu o primeiro passo na direção da regulação em dezembro de 2020. A Comissão Europeia apresentou o que nomeou de Digital Services Act, uma norma que limita a atuação dos algoritmos a valores europeus. Os EUA já cogitam criar uma norma contra esse crescente movimento de decisões automatizadas.

O Brasil também flerta com uma norma similar. O ex-ministro Hélio Costa, então senador, apresentou um projeto de lei sobre o tema em 2017, engavetado em 2018. No ano passado, o deputado Bosco Costa (PL-SE) mostrou o que seria o mais recente PL, que disciplina o uso de algoritmos pelas plataformas digitais na internet.

“Processos computacionais desenhados com o intuito de influenciar a tomada de decisões humanas não são neutros, pois incorporam elementos que materializam os valores e a visão de mundo dos seus desenvolvedores, contribuindo, assim, para a geração de resultados tendenciosos e, não raro, discriminatórios”, afirma o deputado na justificativa do projeto.

Por ora, o projeto tramita na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTI) da Câmara e não há nenhum sinal de que esteja próximo de uma aprovação. O motivo é que não temos uma cultura algorítmica, e as empresas que realizam um tratamento de dados mais robusto fazem isso bem longe do Brasil.

 

Temos alguns projetos de lei que buscam regular a inteligência artificial. A principal crítica é que eles são muito amplos e possuem uma aplicabilidade prática bastante limitada”

Enrico Roberto,
Pesquisador do InternetLab e doutorando em Filosofia do Direito pela Faculdade de Direito da USP

Para Enrico Roberto, pesquisador do InternetLab e doutorando em Filosofia do Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP), as propostas ainda carecem de um amadurecimento sob o aspecto da regulação. “Temos, tramitando no Congresso, alguns projetos de lei que buscam regular a inteligência artificial. A principal crítica a esses projetos é que eles são muito amplos e possuem uma aplicabilidade prática bastante limitada.”

Segundo a opinião de Marcela Mattiuzzo, ex-chefe de Gabinete da presidência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE), a regulação, quando vier, deverá considerar fatores como transparência e evitar estereótipos. “Tem de ser feito de maneira menos nebulosa para a pessoa que está sendo objeto daquele algoritmo. Para tanto, é preciso evitar a reprodução de estereótipos. No entanto, isso é complexo não só por questões jurídicas mas também de compreensão. Não basta abrir um código de machine learning para alguém que é leigo. É preciso explicar o que acontece ali dentro do código para uma pessoa leiga conseguir entender.”

O PRECONCEITO ALGORÍTIMICO NO CONSUMO

Nas relações de consumo, o preconceito algorítmico tem-se manifestado mais frequentemente de duas maneiras: o geoblocking e o geopricing. O primeiro é a prática de impedir que consumidores de locais diferentes visualizem uma oferta ou um desconto. Já o segundo é a conduta de oferecer um produto ou serviço de acordo com a localização geográfica do comprador.

Um caso emblemático é o da Decolar, ocorrido em 2018, que foi multada em R$ 7,5 milhões pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC) em razão da prática de discriminação.

A Decolar, por meio de algoritmos que se utilizavam de critérios geográficos, alterava o preço das acomodações, bem como negava o acesso a vagas. Tais práticas, além da questão de preconceito com base na localização, representam ainda um desrespeito ao consumidor.

O número de casos deve aumentar conforme avança a sociedade de consumo digital. Ainda dá tempo de mudar essa situação? Os especialistas dizem que sim. De certa forma, nessa história de regulação de algoritmo, somos as pobres crianças atraídas com migalhas por uma bruxa até a casa de doces. O objetivo é engolir as crianças – no nosso caso, o faminto aqui é a máquina.

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]