Pesquisar
Close this search box.
/
/
Quer passar o resto da vida ‘de férias’? É possível

Quer passar o resto da vida ‘de férias’? É possível

As férias mal acabaram e você já sente que precisa mais? Visitou algum lugar paradisíaco e ficou com vontade de não voltar para casa?

Bem, a ideia de se mudar permanentemente para um destino de férias não é tão impossível assim, se tomados os exemplos que a BBC colheu ao redor do mundo. São pessoas que se apaixonaram por algum lugar especial e perceberam ali uma oportunidade de desenvolver suas profissões ou de abrir um negócio.

Como o americano Jonathan Keim, que, há dois anos, decidiu dar um tempo de seu trabalho como professor em uma escola online da Califórnia para passar as férias em Bali, na Indonésia.

“Amigos me recomendaram visitar a vila de Ubud, no interior de Bali, por ter uma comunidade de artistas muito interessante, e algo mágico aconteceu quando cheguei lá”, conta. “Nunca tinha conhecido um grupo de pessoas como aquelas e na hora percebi que queria ficar.”

Keim se lembrou de uma receita de família de um sorvete de coco vegano e com ela impressionou a comunidade de estrangeiros de Ubud. Muitos decidiram investir no produto imediatamente, levando o jovem a obter um visto de trabalho e começar a marca de sorvetes Kokolato, que hoje vende 20 sabores em toda a ilha de Bali. Seu próximo passo será abrir sua primeira sorveteria própria, em Ubud, empreitada para a qual ele contou com a parceria de uma empresa local.

Testando a temperatura

Não são todos os países que permitem que turistas simplesmente permaneçam para sempre em seu território. E para aqueles que preferem testar a temperatura da água antes de mergulhar nela de cabeça, um visto de trabalho de curta duração pode ser um ótimo primeiro passo.

A Austrália, por exemplo, oferece o chamado visto Working Holiday Maker para cidadãos de 29 países parceiros que preencham alguns requisitos como ter até 31 anos e poder se manter financeiramente durante a estadia no país.

O governo australiano não divulga dados sobre quantos visitantes com esse visto conseguem depois se estabelecer com um visto de trabalho permanente, mas de acordo com o Instituto de Estatísticas Australiano, a população do país aumenta 1,8% a cada ano.

O chileno Patricio Sepulveda, de 31 anos, usou o esquema para transformar a experiência de seis meses em Sydney em uma nova carreira.

Analista em uma empresa de peças de computador em Santiago, ele conseguiu um emprego temporário na Austrália como digitador de dados. “Logo meu chefe percebeu que eu era capaz de fazer muito mais do que aquilo”, lembra.

Ele passou então por outros quatro cargos até chegar a uma posição tão bem remunerada quanto profissionais sêniores no Chile. “Se tem uma coisa boa na Austrália, é que eles sabem recompensar quem trabalha duro”, afirma Sepulveda, que hoje é coordenador financeiro para a Ásia em uma empresa multinacional de equipamentos médicos e obteve um visto de trabalho temporário com o apoio de seu empregador.

Abordagem cautelosa

Mas nem todo mundo é ousado como o americano Keim e o chileno Sepulveda. Alguns preferem planejar uma mudança definitiva com mais cuidado.

A americana Barbara Kocak se apaixonou pela Costa Rica quando visitou o país pela primeira vez, há 20 anos. Seis anos depois, comprou uma casa com um enorme jardim tropical e vista para o Pacífico.

Mas só há dez anos ela largou o emprego na área de marketing educacional na Carolina do Sul para viver de vez em seu paraíso particular.

“Não tenho uma história muito aventureira para contar. Primeiro estabeleci laços com o lugar, fazendo amigos e entendendo a cultura local. Depois comecei a alugar minha casa quando não estava passando férias ali. Aos poucos fui montando o meu negócio”, conta Kocak, de 68 anos, que hoje gerencia uma agência de aluguel de casas de temporada no litoral do Pacífico costarriquenho. Ela agora conseguiu um visto de residência permanente no país.

O lado ruim de morar fora

Mudar para um novo país, no entanto, nem sempre é uma tarefa fácil. Nossos entrevistados conhecem muitos casos de estrangeiros cujo sonho não demorou para virar um pesadelo. “As pessoas se apaixonam por um lugar e investem em algum negócio imediatamente. Mas logo descobrem que as coisas nem sempre funcionam como em seu país de origem”, diz Kocak.

Keim lembra dos desafios que enfrentou em Bali, principalmente por causa da diferença de culturas. “O estilo de trabalho e a mentalidade local são muito diferentes do que eu conhecia nos Estados Unidos. Eu é que tive que mudar a minha mentalidade”, conta.

Outro aspecto negativo de mudar para outra cidade ou outro país é o de deixar para trás familiares e amigos. Sepulveda admite sentir saudades dos parentes e das pessoas queridas que ficaram no Chile, apesar do ótimo trabalho em Sydney. “É verdade que a gente se beneficia muito ao morar fora, mas é preciso estar disposto a abrir mão de muita coisa”, define.

* Via BBC

 

Leia mais:

Os produtos mais contaminados (e inusitados) do nosso cotidiano

Consumo em 2015: compartilhar é preciso, viver também é preciso

Em NY, seguradora paga para clientes que fazem caminhada diariamente

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]