Pesquisar
Close this search box.
/
/
Plano Real: 22 anos de controle inflacionário

Plano Real: 22 anos de controle inflacionário

Você lembra como era a vida antes do Plano Real? E das URVs? Relembre como estava a situação econômica antes de 1994

Viver em um país onde os preços da maioria dos produtos do supermercado são alterados duas ou até três vezes por dia e em que o salário dos trabalhadores pode perder metade do poder de compra em apenas um mês não é tarefa simples. No entanto, estas situações precisaram ser enfrentadas no Brasil até 1º de julho de 1994, data em que o Plano Real foi implantado. Hoje, ele completa 22 anos e é considerado o plano econômico mais longevo do país.

Implantado em 1994 no governo de Itamar Franco, o principal objetivo do Plano Real era a redução e o controle da inflação. A inflação é algo inerente a qualquer economia. Caracteriza-se pelo aumento continuado e generalizado dos preços de bens e serviços. Como resultado, observa-se uma diminuição do poder de aquisição de uma moeda. Se considerarmos o intervalo de tempo entre 1º de julho de 1994, data em que o Plano Real foi implantado, e 31 de maio de 2016, a inflação acumulada pelo IPCA – índice de preços ao consumidor amplo, apurado pelo IBGE e utilizado como referência no regime de metas de inflação, foi de 445,4%.

De modo prático, essa inflação acumulada significa que R$ 100,00 de 1º de julho de 1994 valem, hoje, R$ 18,34, ou seja, uma redução de quase 82% no poder de compra do brasileiro. Ainda que o número seja expressivo, é importante notar que o acumulado em 22 anos de Plano Real é significativamente menor do que os valores de períodos anteriores. Como exemplo, cito a inflação de janeiro a junho de 1994 que alcançou 815,9%. Isso significa que ao longo de 22 anos a inflação acumulada foi pouco mais do que a metade daquela nos seis meses anteriores à implantação da moeda.

Antes disso, ainda, o Brasil vivia um cenário econômico de hiperinflação, que chegou a 2.477,15% ao ano, em 1993, de acordo com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). No ápice da hiperinflação, os preços de muitos produtos eram reajustados diariamente, prejudicando a população. Com o novo plano econômico, esse cenário mudou consideravelmente e a hiperinflação passou a ser controlada. E é por isso que, para alguns, o Plano Real foi o maior programa social já conduzido no país. Por não ter acesso a aplicações financeiras sofisticadas, as famílias de baixa renda eram as mais prejudicadas pela inflação que corroía, diariamente, seu patrimônio.

O sucesso do Plano Real deveu-se, basicamente, a dois importantes aspectos. O primeiro, a introdução da URV – Unidade Real de Valor, em 1º de março de 1994. A URV era uma moeda escritural, ou seja, não existia fisicamente. A ideia era refletir a variação do poder aquisitivo da moeda, servindo como unidade de referência desses valores. No dia 1º de março de 1994, uma URV valia CR$ 647,50 (cruzeiros). Já no dia 30 de junho de 1994, estava valendo CR$ 2.750,00.

Por trás da implantação da URV estava uma estratégia sofisticada de estabilização monetária, uma vez que vinculava o preço de bens e serviços a um valor “estável” em URV, que não se alterou ao longo do tempo de sua vigência. Assim, no dia 1º de julho de 1994, uma URV passou a valer R$ 1,00. Como principal benefício desse período, está a mitigação da memória inflacionária, pois, durante quatro meses, os brasileiros acostumaram-se com preços que não se modificavam diariamente, ainda que a inflação continuasse ocorrendo.

O segundo aspecto que merece destaque para o sucesso desse plano foi a efetiva troca de moeda. Nas tentativas anteriores de estabilização monetária, as notas recebiam, inicialmente, carimbos indicando seu novo valor. Esse procedimento permitia que houvesse tempo suficiente para que a Casa da Moeda produzisse as novas notas que seriam, paulatinamente, introduzidas no mercado. No caso do Plano Real, nos quatro meses em que vigorou a URV, houve tempo suficiente para que fossem produzidas as notas de Real e sua introdução no mercado ocorreu de maneira muito mais célere.

Andriei Beber é Professor Doutor da Fundação Getúlio Vargas

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]