Pesquisar
Close this search box.
/
/
Caso Palmeiras: clubes de futebol estarão sujeitos à LGPD?

Caso Palmeiras: clubes de futebol estarão sujeitos à LGPD?

Especialista comenta se o vazamento de dados de torcedores do clube paulista teria repercussão dentro da Lei Geral de Proteção de Dados

Em fevereiro, a Sociedade Esportiva Palmeiras admitiu que dados de seus sócios e de torcedores comuns foram vazados por uma falha de segurança do sistema FutebolCard, responsável pela gestão do programa de sócios e pela comercialização de ingressos. O clube não divulga números oficiais, mas estima-se que conte com mais de 100 mil associados.

As informações foram divulgadas pelo site “The Hack” e incluíam uma base de 1.640 planilhas com dados sobre os associados, como nome, CPF, data de nascimento, telefone, endereço e forma de pagamento, de acordo com o portal “Globo Esporte”.

Em nota oficial, o Palmeiras disse que a FutebolCard “assumiu uma falha na proteção de dados cadastrais de torcedores” e alegou que pretende trocar a empresa responsável pela gestão de seu programa de sócio e venda de ingressos.

FutebolCard reconheceu o erro e alegou que não houve ataque a seus sistemas, mas sim um “alerta preventivo” sobre dados que não estavam devidamente bloqueados e, portanto, poderiam ser vazados a qualquer momento. A empresa ainda destacou que dados financeiros, como os relacionados a cartão de crédito, não foram expostos.

Leicester City

Não é a primeira vez que dados pessoais de torcedores de futebol são vazados na internet. Em julho do ano passado, o Leicester City Football Club, clube sensação da Inglaterra nos últimos anos, admitiu que hackers violaram a loja virtual do clube e roubaram dados de cartão de crédito de seus consumidores. De acordo com o clube à época, a violação do cartão afetou alguns usuários no período entre 23 de abril e 4 de maio. A ICO (autoridade de proteção de dados do Reino Unido) foi informada do caso.

“Após a descoberta da violação, a segurança de nossa plataforma de varejo foi imediatamente restaurada e as medidas apropriadas foram tomadas para garantir a segurança de todos os outros ativos online.”, informou a nota à época.

O que diz a LGPD?

Prevista para entrar em vigor em agosto deste ano, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) vai exigir de diversas empresas que adotem medidas preventivas importantes se não quiserem ser duramente penalizadas. Mas como fica a situação de pessoas jurídicas sem fins lucrativos, como clubes esportivos, igrejas ou associações em geral?

De acordo com Fabrício da Mota Alves, representante do Senado Federal no Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade, “a LGPD não apresenta qualquer distinção para pessoas jurídicas de direito privado”, ou seja, “as regras são as mesmas para as demais entidades” dessa natureza.

Segundo Alves, as únicas diferenciações determinadas pela LGPD são o tamanho da pessoa jurídica, de modo que micro e pequenas empresas estejam sujeitas a sanções mais moderadas, e os cartórios, que responderão a regras especiais do setor público.

A multa definida pela LGPD para entidades que não protegem corretamente os dados de clientes e usuários pode chegar a 2% do faturamento anual, limitado a R$ 50 milhões. No caso do Palmeiras, cujas receitas anuais ficam entre R$ 600 e 700 milhões, a punição poderia ser bem salgada caso a lei já estivesse em vigor.

Palmeiras ou FutebolCard?

Na relação entre Palmeiras e FutebolCard, não fica muito claro o papel de cada um para definir quem se encaixaria no que a LGPD chama de “controlador”. No caso do operador, é a FutebolCard. No caso do controlador, contudo, que é aquele que capta os dados, o Palmeiras direciona qualquer pessoa interessada em se tornar associado para cadastro na FutebolCard, mas não é possível definir propriamente quem os recolhe.

“A LGPD estabelece que a responsabilidade primária é do controlador. Contudo, o operador também pode responder pelo vazamento se ele descumprir as normas contratuais que foram estabelecidas. Possivelmente, há uma responsabilidade solidária”, explica Alves.

 

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]