Pesquisar
Close this search box.
/
/
Mulheres na liderança: o longo caminho do gênero mais eficiente em startups

Mulheres na liderança: o longo caminho do gênero mais eficiente em startups

Ainda que sejam mais qualificadas e eficientes, as mulheres ainda lutam por espaço em cargos de liderança nas empresas

Não é bem uma novidade dizer que a maior parte das empresas são dirigidas por homens. Eles estão na maior parte dos cargos superiores: gerentes, coordenadores, vice-presidentes e principalmente CEOs. E esse comportamento é algo que acontece há anos, mas, de uns tempos para cá, tem dado sinais de mudança, sobretudo após o reconhecimento do papel das mulheres na sociedade e, em especial, no mundo dos negócios.

No entanto, o caminho para fazer valer a equidade de gênero no mundo corporativo ainda é grande. Para se ter ideia, menos de 10% das empresas brasileiras são dirigidas por mulheres, conforme aponta estudo BR Rating, agência de rating de governança corporativa. A pesquisa, que analisou 486 empresas — 59% delas de capital nacional e 41% multinacionais —, destacou que o gênero feminino ocupa o cargo de CEO no País para apenas 3,5% das companhias pesquisadas.

Ainda que mais capacitadas, em todo o País e independente da categoria da empresa, elas são minoria em cargos superiores. Outro estudo, realizado pela Efund Investimentos, avaliou a direção de mulheres à frente de startups e constatou que, dos 400 empreendimentos pesquisados, somente 12 foram fundados por pessoas do gênero feminino ou possuem executivas em sua direção.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

gráfico mulheres
Foto: Luiza Vilela / Canva

A falta de mulheres reflete a falta de investimento financeiro

Embora o caminho para conquistar a tão almejada equidade de gênero nesses cargos seja extenso, o próprio mercado já começa a se posicionar para empresas que não trabalhem a diversidade em seu quadro de colaboradores. Isso porque os investidores reconhecem que o trabalho executado por elas costuma ser mais criativo, eficiente e seguro.

E essa constatação não é mero argumento: um relatório da First Round Capital aponta que startups fundadas por mulheres apresentam uma performance 63% superior. No mesmo sentido, um estudo do Boston Consulting Group comprova que a cada dólar que uma mulher fundadora ou cofundadora levanta, ela gera 2,5 vezes mais receita do que um fundador do gênero masculino.

Assim, essa defasagem de executivas começou a dificultar o aporte de investimentos para startups. “Sentimos falta de mais mulheres conduzindo os projetos porque sabemos que a presença delas costuma ser um fator de ganho de eficiência”, explica Igor Romeiro, sócio-fundador da Efund. “Acreditamos que essa melhor performance se deve ao fato de a mulher conseguir se organizar melhor para realizar as várias tarefas que um cargo executivo demanda, sem perder o foco. Elas também são mais habilidosas e diplomáticas, aspecto muito importante para resolver conflitos e problemas”, conclui.

Mais qualificadas, menos cogitadas

É claro que esse ganho de eficiência, entretanto, não é puramente talento do cromossomo X a mais no DNA das mulheres. Existe, por trás dele, uma cultura focada em conquistar mais ênfase, posto que o próprio mercado corporativo já fecha as portas a esse gênero. Nesse sentido, elas batalham para obter mais especialização e conhecimento como uma maneira de obter destaque.

O resultado desse desnível pode ser visto inclusive nas universidades: 19,4% das mulheres até 25 anos possuíam o ensino superior completo em 2019, ao passo que a porcentagem entre os homens era de 15,1%, segundo dados do estudo Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil, realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

No entanto, ainda que mais qualificadas, elas ainda são minorias em cargos de gestão e, para ascenderem, o caminho normalmente é dificultado. A maior parte dos ambientes favoráveis a esse crescimento em geral são empresas já fundadas por mulheres.

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

A partir desse cenário, uma série de ações com enfoque na adesão de mulheres na força de trabalho e nos cargos de liderança tem surgido nos últimos anos. Um exemplo recente foi a parceria da WOMEN Inc e a BrandedU, que sugeriram que mulheres dos Países Baixos, na Europa, trocassem seus nomes por “Peter”, posto que as companhias dessa região possuem mais CEOs com esse nome do que CEOs mulheres. Entre os dias 24 e 28 de janeiro, boa parte das mulheres realizaram a mudança para chamar atenção à falta de diversidade dos cargos de liderança.

Uma das mulheres que aderiu à campanha foi Yeliz Çicek, editora-chefe da Vogue Holanda. Em sua página do LinkedIn, a executiva mostrou apoio à campanha e contou parte de sua experiencia. “Esta semana, meu nome é Peter. Por quê? Quero ajudar a focar a atenção neste fato chocante: na Holanda, há mais CEOs chamados Peter do que CEOs que são mulheres. Uma falta de diversidade tão impressionante no topo simplesmente não deveria existir. As mulheres estão estruturalmente sub-representadas em cargos executivos, enquanto a diversidade no topo comprovadamente aumenta os lucros. Está na hora de isso mudar! É por isso que estou chamando todas as mulheres da minha rede para falar sobre esse assunto”, escreveu.

mulheres
Foto: Divulgação Çicek via LinkedIn.

No fim, o caminho é longo, mas já tem dado importantes passos em direção à mudança — notada e inclusive incentivada pelos homens também. “Se fizermos um novo levantamento em 2022, acredito que haverá mais mulheres em posição de comando. Elas já ocupam posições de destaque nos Conselhos de Administração. Aos poucos elas crescem e se empoderam”, conclui Ronald Bozza, sócio da BR Rating.


+ Notícias

2022 deve ser ano revolucionário para as mulheres no empreendedorismo

Por que temos poucas CEO mulheres em tecnologia?

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]