Pesquisar
Close this search box.
/
/
Ligações de orelhões poderão ser feitas por meio de senhas

Ligações de orelhões poderão ser feitas por meio de senhas

A Agência Nacional de Telecomunicações promoveu uma audiência pública para debater propostas das concessionárias de telefonia a fim de definir novas formas de cobrança para os telefones públicos ? os chamados orelhões.

Para os que pensam que os enormes telefones públicos estão fadados ao ostracismo, a ideia é migrar dos atuais cartões indutivos ? encontrados em lojas de conveniência, bancas de jornais e padarias ? para os cartões de chamadas. O novo sistema funciona por meio de inserção de uma série de códigos.

Segundo o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, José Bicalho, por mais que as pessoas tenham adotado aparelhos celulares, os orelhões ainda são fundamentais para boa parte da população. ?O orelhão está presente em 40 mil localidades do país. E, em 23 mil delas, ele é a única forma de comunicação?, disse o superintendente.

Durante a audiência, cinco concessionárias de telecomunicações apresentaram propostas similares visando a adoção dos novos cartões em 900 mil orelhões que operam no Brasil. Pelo novo sistema, os cartões funcionariam com códigos para acesso a chamadas. As senhas ficariam visíveis após parte da superfície do cartão ser raspada. Com isso, além de digitar o número do telefone para o qual o usuário pretende fazer a ligação, ele teria de digitar uma ou duas outras sequências de números.

Bicalho admitiu que os novos cartões não trazem só benefícios. Citou o caso de pessoas com dificuldades de visão. E acrescentou: ?Esse processo pode acabar [também] sendo mais complexo inclusive para idosos?.

Outra mudança que está sendo estudada se refere à forma de tarifação, que hoje é mais complexa, por meio de crédito e pulso. No atual formato é difícil para o usuário avaliar o custo de cada ligação. Já no formato em estudo, o valor a ser pago corresponde ao tempo exato da ligação.

O atual sistema tem outra dificuldade: por terem margem baixa de lucro, muitas lojas comerciais deixaram de ter interesse em vender os cartões. Essa dificuldade, segundo os estudos, constitui fator de redução de demanda.

As propostas comuns a todas concessionárias do serviços públicos de telefonia foram apresentadas por Jorge Correia, que também representou a Oi. Segundo ele, o modelo de chamada que está em estudo dificultaria a prática de sobrepreços que, no atual modelo, costuma ser observada em alguns pontos de venda. Na avaliação de Correia, prova de que o usuário tem dificuldades para compreender a atual forma de tarifação é o fato de, no sistema da Oi, se identificar o encerramento da ligação imediatamente após o sinal sonoro do pulso. ?As pessoas não sabem que isso significa que elas podem falar mais dois minutos sem pagar a mais por isso?, disse ele.

?Enquanto o cartão indutivo [em operação] é apenas físico, impossibilita promoções e é vulnerável a fraudes e clonagens, os de chamadas [que estão em estudo] são mais seguros e possibilitam novas formas de pagamento e de recarga de créditos. Além disso, não será necessário mudar os atuais equipamentos?, destacou Correia. ?A mudança será apenas na rede das concessionárias?, acrescentou.

Operadoras de menor porte, a Secomtel e a Algar acenaram com a possibilidade de o crédito usado para os telefones públicos ser usado também em outras plataformas, como os celulares, por exemplo. ?Claro que o valor cobrado corresponderá à plataforma de origem. Ou seja, se for usada no celular o valor cobrado será do celular; se for a partir do orelhão, será cobrado o valor da ligação correspondente à do orelhão?, explicou a representante da Algar, Mara Rúbia. Esta foi a última audiência pública da Anatel para discutir o assunto. No entanto, a consulta pública ficará em aberto até o dia 9 de março.

* Com informações da Agência Brasil

 

Leia mais:

Computadores identificam personalidade por ‘curtidas’ no Facebook

11 previsões sobre mídia e o mercado digital em 2015

Conheça os aplicativos que podem ?competir? com o Instagram

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]