Pesquisar
Close this search box.
/
/
Robôs de voz e a humanização das relações homem-máquina

Robôs de voz e a humanização das relações homem-máquina

A voz é um dos vínculos linguísticos mais antigos da humanidade, e agora é preciso ensinar aos robôs a falar. Saiba como é possível uma experiência humanizada entre humanos e máquinas

Chatbots são uma tecnologia nova, que elevou o potencial de transformação das empresas às alturas. Desde a sua popularização, os serviços de atendimento ao usuário nunca mais foram os mesmos. 

Mas e quanto à vertical mais recente dos chatbots, os robôs de voz ― o que os consumidores esperam deles? Será que devem soar como seres humanos, com entonação, personalidade e sotaque, ou é preferível que se oferte uma relação mais plastificada nesses serviços?

Essa humanização na relação entre homens e máquinas foi debatida no penúltimo painel do evento digital Customer Voice Experience (CVX), do Grupo Padrão. A transmissão teve como mediador Felipe Almeida, CEO da Loud Voice Services, com participação de Jorge Braga, Customer Experience Officer da Claro Brasil, e Luzia Sarno, Diretora Corporativa de TI do Grupo Fleury.

A importância da personalização no atendimento robótico

O que pode ser entendido como humanização da experiência homem-máquina, afinal? 

Para Luzia Sarno, a primeira coisa que tem que ser levada em consideração em uma interação digital, seja por voz ou outro mecanismo, é a questão da conveniência do consumidor. “É preciso levar em consideração qual tecnologia deve ser oferecida em cada canal, para a interação que o cliente necessita em cada momento”, diz. Ou seja, personalização é tudo.

A diretora também complementa que é preciso ter empatia na hora de ajudar o consumidor com suas necessidades. identificando, por exemplo, sentimentos como ansiedade, pressa, insegurança, raiva etc. É necessário estar atendo ao sentimento por trás do indivíduo de modo próximo e equilibrado.

No caso do Grupo Fleury, esse cuidado se dá através de um software de speech analytics da Atento. Ele é capaz de detectar o humor pessoa através das palavras usados. Segundo Luzia, dessa forma é possível oferecer um atendimento mais humano e dirigido. É preciso fazer uma conexão entre as informações que estão no banco de dados e as informações que você tem do cliente no momento da interação. 

Jorge Braga destaca que a humanização é a capacidade de tratar cada cliente como indivíduo. Assim, o ajuste das tecnologias, canais e abordagens devem ser feitas de acordo com o histórico de cada cliente. “A Claro tem tentado não olhar a tecnologia por si só. Entendemos que o conceito de multicanalidade foi substituído pelo conceito de multiexperiência. As transações devem começar de um jeito e terminar de outro. Faz mais sentido entender quais recursos são de maior aderência e em qual momento, sempre garantindo que a experiência seja homogênea para o usuário.”

Experiência como chave da transformação

Os robôs de voz são apenas uma das peças do grande quebra-cabeças que é a transformação digital. Mas, afinal, para quê serve a transformação digital, e para quem ela é feita?

Para os entrevistados, é evidente que a transformação digital tem uma relação intrínseca com a experiência do consumidor. De acordo com o CXO da Claro, há uma ciência que justifica a existência dessa transformação, afinal, ela resulta em benefícios tanto para a empresa quanto para o usuário.

Jorge Braga constata que ferramentas como cloud computing e analytics tornam os processos cada vez mais eficientes, uma vez que permitem mapeamento da jornada completa do usuário. “Em ambientes digitais você acompanha o que o cliente está fazendo, o que enriquece a capacidade de adaptar soluções para os clientes.” Consequentemente, é possível tornar os robôs de voz mais humanizados, ofertando entonações mais condizentes com a necessidade daquele indivíduo em específico.

Luzia Sarno chama a atenção para o fato de que, como qualquer outro bot, há necessidade de curadoria nos robôs de voz. “Nós atendemos o Brasil inteiro, então há a questão de sotaque e expressões. Não dá para soltar o bot e achar que a inteligência artificial vai aprender tudo sozinha. É preciso investir em um time que irá ensinar o bot continuamente a melhorar as suas interações”, afirma.

Dentre as demais dificuldades ainda presentes nos serviços de voz está a construção da fala a partir da escrita. O gargalo dessa arquitetura, comenta Jorge Braga, é a perda que ocorre quando se transforma um texto em áudio, e um áudio em texto. “Na Claro temos nos desafiado a encontrar uma forma mais inteligente para lidar com voz, de modo mais nativo e com menos conversão”, destaca.

Componentes essenciais para construção de robôs de voz

  • Cloud
  • Data Analytics
  • Voice Experience
  • Cultura ágil/digital
  • Skills diferenciadas
  • Multiexperiência
  • Backend
  • Capacidade real de resolução de problema

Confira o painel completo:


+CVX

5 exemplos de como IA e os bots combatem a Covid-19
5 perguntas e respostas sobre bots e dados pessoais
Humana ou não, a voz é sempre uma alternativa no atendimento

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]