Pesquisar
Close this search box.
/
/
ARTIGO: Greta, hora de aprender que mudança climática precisa ser um bom negócio

ARTIGO: Greta, hora de aprender que mudança climática precisa ser um bom negócio

A ativista-mirim e aprendiz de populista ambiental vai a Davos pedir para o mundo parar. Está na hora de alguém explicar um pouco de realidade econômica à nova apóstola do fim do mundo

A mudança climática já tem seu bebê Johnson’s. No caso, uma menina sueca, agora nos seus 17 anos, que provavelmente deve enxergar o famoso xampu da centenária empresa americana como mais um vilão a ser combatido na defesa do meio-ambiente.

Greta Thunberg esteve em Davos, na Suíça, no papel que toda a corrente global de “ativistas”, “intelectuais”, “progressistas”, “liberais”, “esclarecidos” e “iluminados” gosta de vê-la: uma Joana D’Arc ambiental, pronta para professar a fé messiânica daqueles que desejam salvar o planeta destruindo a razão, confundindo cientificismo com ciência, e incentivando que a civilização retroceda a um passado bucólico, pastoril e campestre.

A combativa proto-autoritária da sustentabilidade exige o fim do uso de combustível fóssil. O mesmo combustível que movimenta pessoas, indústrias, produtos, progresso, inovação, política e negócios no mundo inteiro há mais de um século. Sua exigência é infantil, fruto daquele simplismo tão característico de jovens idealistas mundo afora. Bom, não é preciso ir tão longe: aqui mesmo na cidade de São Paulo, o pensamento mágico-ecológico produziu um atentado contra a ordem econômica e a liberdade de escolha ao vilanizar e proibir a oferta de copos, pratos e talheres de plástico para os consumidores. Um exercício de tardo-adolescência do prefeito da maior cidade da América Latina.

As exigências de Greta e a lei “antiplástico” do alcaide paulistano são exemplos de um fenômeno narrativo comum nos dias de hoje. O fato é que “mudança climática” tornou-se, juntamente com “desigualdade”, e “justiça social” conceitos verdadeiramente sagrados, revestidos de uma pureza inabalável, uma aura religiosa, como bem observou o implacável e genial conservador inglês Roger Scruton, falecido há poucos dias. Ao santificar esses conceitos, a ordem “ativista-progressista” procura estabelecer que qualquer pensamento crítico, mesmo que sólido e cientificamente embasado, seja visto como sacrilégio. Requisitar estudos mais conclusivos sobre o real alcance da mudança climática soa como heresia. Sugerir que a desigualdade é um conceito imperfeito porque implica na adoção de um jogo de soma zero é pecado venal. Argumentar que o percentual de pessoas vivendo com menos US$ 1,90 ao dia caiu de 28% da população mundial no ano 2000 para menos de 19% em 2018 ou que a mortalidade infantil até 5 anos decresceu de 1 em cada 11 crianças em 2000 para 1 em cada 26 crianças em 2018 (dados do Copenhagen Institute for Futures Studies), é uma traição irreparável.

Nesse sentido, um misto de obscurantismo deliberado e desonestidade intelectual, ter como ponta de lança uma criança é perfeito para sensibilizar corações e mentes. Afinal, crianças são um símbolo de esperança, a representação inocente do futuro da humanidade. Ou, por outro lado, meninas como Greta podem ser, até mesmo involuntariamente, um instrumento de manipulação narrativa da milícia “ativista-progressista”, exploradas com mentes e visões de mundo ainda em formação, com pouca experiência de vida ou lastro intelectual e emocional para compreender a complexidade do mundo atual.

A pequena Greta Thunberg é um personagem que assume o posto de heroína contra o capitalismo inescrupuloso que lhe “rouba o futuro” em uma narrativa bem construída. O objetivo desta narrativa é nublar o discernimento da opinião pública acerca do poder que a humanidade tem de construir soluções inovadoras para problemas complexos.

A história humana é de superação constante ao longo da evolução histórica: do ambiente hostil dos primórdios da evolução, à força da natureza, do domínio dos elementos da produção agrícola, do desenvolvimento da agricultura, à formação de estados e padrões monetários, de guerras sangrentas e doenças inomináveis até a corrida espacial que levou o homem à Lua. Isso significa que a mudança climática provocada pela ação humana é um desafio portentoso, mas similar a muitos outros enfrentados ao longo da jornada da humanidade na terra. Esse desafio pede mais ciência, mais pesquisa e mais inovação. Sem a criação de de mecanismos economicamente rentáveis, onde haja real geração de valor para empreendedores, não há chance do ideal sustentável tornar-se viável.

O poder de narrativas declamadas por personagens como a menina Greta cria, na verdade, obstáculos consideráveis para a busca de soluções possíveis, inteligentes, produtivas e rentáveis capazes de conter e minimizar os efeitos da mudança climática. Não se defende aqui que o ativismo da bebê Johnson”s do clima seja reprimido ou censurado, em absoluto. Mas antes é necessário que liberemos as amarras mentais que satanizam o lucro e o autointeresse como reais aceleradores e propulsores da inovação que atue decisivamente em favor da saúde do planeta.

Talvez seja a hora de Greta voltar para escola, da qual saiu para empreender sua jornada messiânica, aprender como fazer da luta contra a mudança climática um negócio promissor. E mais, um negócio escalável, capaz de trazer valor e bons hábitos, bem-estar e qualidade de vida, trabalho e saúde para os bilhões de habitantes do planeta. Exortação, palavras de ordem, nenhuma proposta coerente de solução e messianismo ralo podem atrair o interesse de muita gente, mas não produzem nenhum resultado prático.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]