Pesquisar
Close this search box.
/
/
Femtechs inovam, mas ainda são fatia pequena do mercado

Femtechs inovam, mas ainda são fatia pequena do mercado

Female Founders Report levantou que apenas 4,7% das startups no Brasil são fundadas exclusivamente por mulheres.

Ainda que os últimos anos tenham sido de evolução do ecossistema de inovação e capital de risco no Brasil, com o país chegando à marca de 12 unicórnios e entrando no radar dos competidores mundiais, o caminho a percorrer ainda é longo ao olhar esta realidade sob o prisma da diversidade e inclusão. E qual seria um destes principais prismas? A participação feminina nas startups.

Esta constatação foi feita pelo Female Founders Report 2021, que observou que apenas 4,7% das startups brasileiras eram femtechs, ou seja, fundadas exclusivamente por mulheres. Já 5,1% têm fundação mista entre homens e mulheres, o que dá um total de 9,8% de presença feminina na liderança deste setor de inovação.

Feito em parceria entre a Distrito, plataforma de inovação para startups, a Endeavour Brasil, rede global formada por quem está à frente das empresas que mais crescem no mundo, e a B2Mamy, plataforma digital que capacita e conecta mães ao ecossistema de inovação e tecnologia, o relatório tem o objetivo de levantar dados sobre o empreendedorismo feminino no país, fornecendo bases para que diferentes players possam atuar na luta contra a desiguabldade de gênero e mulheres consigam entender melhor as conquistas e desafios que fazem parte deste universo.

Conheça o Mundo do CX

Dados sobre as femtechs brasileiras

Além de atestar que o número de empresas fundadas apenas por homens é quase 20 vezes maior do que empresas criadas por mulheres, o Female Founders Report ainda percebeu que o crescimento das femtechs continua lento e em pequena escala, sem alterações significativas nos últimos anos.

Para a Startup Communities Manager do Sebrae For Startups, Isadora Azzalin, o cenário encontrado pode ser explicado por diversos fatores, entre eles o machismo estrutural na sociedade e no ecossistema de inovação, a dupla ou tripla jornada das mulheres, a falta de estímulo de políticas públicas voltadas para o tema, além da dificuldade no acesso a crédito e a própria desconfiança do mercado.

A partner e head do Distrito para Startups, Lilian Natal, também diz que mesmo sabendo da óbvia desigualdade nos ambientes de inovação, a diferença encontrada no estudo foi mais alarmante do que esperavam. “O mais irônico é que, embora haja todas essas dificuldades, dados mostram que startups que possuem pessoas do sexo feminino em seu quadro societário tendem a ter resultados 25% melhores”, afirmou ao relatório.

Leia Mais: Mulheres são maioria no universo digital

Não só os resultados recebem impactos da presença de mulheres nas empresas. Dados mostraram que líderes femininas aumentam em 11% o equilíbrio dos quadros societários. Um estudo realizado pela Kauffman Fellows em 2019 também descobriu que empresas com ao menos uma fundadora mulher empregam seis vezes mais mulheres do que times de fundadores compostos apenas por homens.

Outro ponto que poderá ainda ser observado é que todo esse ecossistema ainda está em formação: 47,4% dos negócios foram fundados nos últimos 5 anos; mais de 50% deles estão em fase de MVP ou no início da operação. Isso significa que há margem para trabalhar em torno de mudanças.

Perfil das empresas fundadas por mulheres

Com mais clareza sobre o estado do empreendedorismo feminino no Brasil, o Female Founders Report dá um segundo passo para traçar também o perfil destas empresas criadas por mulheres. Neste sentido, alguns setores de startups se destacam.

Segundo o estudo, há expressiva participação de fundadoras e sócias nos setores de Fashiontech, com quase 60% das empresas com mulheres em sua fundação, seguido por RH e Gestão de Pessoal, Negócios Sociais e Alimentação. No entanto, é importante ressaltar que, juntas, as áreas representam pouco mais de 3,5% do ecossistema, o que acaba tornando a presença feminina pouco representativa em termos absolutos.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Também chama a atenção a participação de mulheres nos setores de Saúde e Biotecnologia e Educação. “Por outro lado, se sente uma ausência nos setores de Logtechs, Entretenimento e Sportechs. Existem mulheres empreendendo com essas verticais, mas com atuação menos relevante”, comenta Isadora Azzalin.

De fato, o relatório da Distrito, Endeavour Brasil e B2Mamy percebeu como algumas áreas são mais restritas às mulheres, com algumas delas chegando a não ter nenhuma iniciativa fundada por elas, como soluções de câmbio e de cartão.

Outra característica é que as femtechs são ligeiramente de menor porte do que o geral, já que 80% delas contam com, no máximo, 20 funcionários. Porém, o cenário muda quando se considera o grupo de scale-ups. Nele, não só a média de funcionários de empresas com fundadoras é de 56, como 41% estão na faixa de 201-500 funcionários.

Isso comprova que apesar de serem apenas pouco mais de 4% do total, o impacto das femtechs na geração de emprego é bastante alto.

“Faz sentido, porque uma característica em comum nos negócios liderados por mulheres é a inovação e a resiliência, pois precisam se provar mais. Infelizmente, se elas não tiverem um negócio extremamente disruptivo e inovador, terão credibilidade menor do que uma empresa criada por um homem”, fala a especialista do Sebrae.

Inovação e desafios no empreendedorismo feminino em startups

No estudo, a Diretora de Relações Institucionais e Governamentais da Endeavor, Renata Mendes, afirma acreditar que as scale-ups são a saída para acelerar o crescimento do país. “Elas contribuem para elevar a produtividade e a competitividade brasileira, além de atrair capital, talentos, inovação e gerar empregos”, fala.

No entanto, para a solução ser efetivada, é preciso ainda superar a baixíssima diversidade entre fundadores e lideranças. O relatório pontua que empresas mais diversas promovem um grande impacto social e econômico. Inclusive, de acordo com um levantamento da McKinsey, empresas com diversidade de gênero em equipes executivas têm 25% mais probabilidade de ter lucratividade acima da média.

E as mulheres que enfrentam este cenário sabem bem que há ainda diversos outros desafios a serem superados. O Female Founders Report listou alguns deles, como escalar o negócio (citado por 60,9% das femtechs), validar o modelo de negócio (56,4%) e ter boas conexões, por exemplo com mentores e investidores (44.6%).

Leia Mais: Maioria minorizada: o impacto das mulheres nos negócios

“Além disso, as mulheres precisam estar preparadas para enfrentar perguntas que homens não enfrentariam e também menos investimento”, fala Isadora Azzalin, lembrando que mesmo com o aumento do volume investido em startups fundadas por mulheres, a lacuna ainda é grande e reflete o mercado de tecnologia como um todo.

Um exemplo que resume todo o cenário desafiador foi trazido no relatório pela Fundadora e CEO da B2Mamy, Dani Junco. “Quando me aprofundei no universo das startups, notei algo que está passando despercebido: as fundadoras e CEOs escondem a gravidez durante rodadas de investimento, fusões e aquisições. É um desequilíbrio discrepante”.

Por isso, a transformação do ecossistema no qual se incluem as femtechs passa por movimentos de linhas de crédito e fundos para fomentar negócios liderados por mulheres, políticas públicas que incentivem o empreendedorismo feminino, iniciativas voltadas à capacitação e geração de conexões positivas e a busca por soluções inovadoras que trabalhem para a diminuição da desigualdade na liderança no setor.


+ Notícias

Nova IA pode substituir Google


Autocuidado e nostalgia são tendências para 2023, aponta Pinterest

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]