Pesquisar
Close this search box.
/
/
Desconstrua sua marca e crie sua anti-marca

Desconstrua sua marca e crie sua anti-marca

O marketing convencional só atrai indiferença dos jovens consumidores. Sendo assim, por que não criar marcas que espelhem esse espírito? Confira essa provocação vista no Web Summit

Os consumidores procuram bons contadores de histórias e criadores de histórias envolventes. Infelizmente, as marcas não perceberam que os consumidores têm mais que uma opinião: têm uma voz. Essas foram as premissas do debate sobre como empresas devem se posicionar diante do ceticismo e da descrença de Millennials e da Geração Z nas marcas.
O painel do Web Summit reuniu Rankin, fotógrafo, Kenneth Richard, fundador e impressionista-chef da The Impressionist, Greg Lutze, Chief Experiencce Officer da VSCO (uma comunidades criativa de ferramentas, educação e inspiração) e Natalie Salmon, Editora de mídias sociais da Harper’s Bazar.
Toda a lógica que cerca a construção de marcas atualmente gira em torno da autenticidade, da capacidade de se comunicar de forma muito pessoal, muito próxima, particularmente no ambiente fashion – e aí falamos de todos os produtos que cercam esse ambiente, roupas, perfumes, acessórios, carros, turismo. Estamos diante de um crescente apego ao visual como forma de conteúdo envolvente e atrativo.
anti-marca
Lutze, um criativo na essência, destacou o grande apelo que essa cultura visual exerce sobre os millennials, como eles observam a maneira de se vestir, de se expressar, de uma forma que possa espelhar uma personalidade relaxada sem parecer descuidada.
Marcas querem criar comunidades, mas para isso devem se portar como anti-marcas, para se manter relevantes para essas novas gerações.
A provocação central do painel teve Kenneth Richard, da The Impressionist, como seu grande defensor. O executivo acredita que as empresas precisam abraçar a tecnologia em seu interior, desenvolver boas histórias continuamente e desconstruir os formatos tradicionais de relacionamento.
Uma anti-marca por excelência precisa mostrar fragilidades, sentir o mesmo “Fear of Missing Out” (medo de perder algo, de estar deslocado) que seus consumidores.
Por paradoxal que pareça, elas precisam se mostrar como opções que estão à disposição das pessoas e não como uma imposição derivada de sua história de sucesso. Há uma tendência dos jovens consumidores em negarem ou refutarem o legado corporativo e o que ele representa.
Mesmo novos modelos de negócio, ou aqueles baseados na assinatura ou na entrega sob demanda devem promover continuamente formas criativas de conversar com os clientes. A imposição por autenticidade faz com os jovens consumidores queiram ver tudo sem camadas, sem maquiagens, sem retoques, particularmente as marcas.

anti-marca
Foto Unsplash

Rankin, como fotógrafo consagrado, diz que há duas décadas o Photoshop era um recurso natural para corrigir imperfeições das modelos e dos produtos. Mas agora é apenas um recurso que torna as coisas artificiais, irreais e sem conexão com as pessoas.
O mercado de moda atualmente está vivendo em um ambiente semelhante ao do Velho Oeste. Muitas marcas estão tentando ocupar espaços, mas se assemelhando na mediocridade, sem refletir sobre o que fazem, apenas adotando modismos sem uma estratégia apropriada.
Claro que a era digital e o comportamento errático dos jovens, que rejeitam o estabelecido, desorganiza as estruturas tradicionais. Ainda assim, é necessário pensar que a moda tem o poder de ser algo que está em contato íntimo com os clientes, e pela sua natureza, ela cria conexões a partir de valores e impressões com as quais as pessoas se identificam.
Na verdade, marca ou anti-marca, o que as empresas precisam hoje, como ontem e como amanhã, é criar convergência de valores com as pessoas, fazer parte da vida dos consumidores, e de seu propósito um esteio para as aspirações de clientes que querem se reconectar consigo mesmos.


JÁ SEGUE A CONSUMIDOR MODERNO NO INSTAGRAM?

Acompanhe a cobertura completa do Web Summit usando a hashtag #cmnowebsummit e não perca nenhuma atualização


Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]