Pesquisar
Close this search box.
/
/
Deletando o passado

Deletando o passado

Na semana passada, o Google anunciou a ampliação do alcance do direito de esquecimento, ou seja, a desindexação de informações sobre cada indivíduo. Enquanto isso, no Brasil...

O Google anunciou na última quinta-feira (11/02) uma espécie de ampliação das medidas impostas pela União Europeia e que se convencionou chamar de direito de esquecimento – um conceito que muitos legisladores ainda tentam encontrar um real significado. No Velho Continente, aos poucos, está se chegando a um conceito comum a todos. Por outro lado, o Congresso brasileiro, para variar, tem uma interpretação bem peculiar a respeito do assunto.

Bom, na Europa, a ideia do direito de esquecimento está relacionada à “desindexação” de links na base das ferramentas de busca na internet, tal qual Google ou Bing, de informações que pessoas como eu e você querem que sejam… esquecidas. No Velho Continente, um dos principais argumentos em favor do esquecimento na web está relacionado a algumas acusações de crimes que não resultaram em condenações ? e a pessoa foi inocentada aos olhos da lei.

Por lá, a pressão deu certo. O Google e outras ferramentas foram pressionadas a desindexar as informações pessoais e isso foi feito. Hoje, é possível acessar o Google de países europeus e ordenar o “sumiço” de informações que não agradem ao indivíduo.

Mas, como bem mencionei acima o tal sumiço, é entre aspas mesmo e por várias razões. De fato, as versões francesa, inglesa, alemã extinguiram a informação que incomoda um usuário, mas isso é algo apenas aparente. Por exemplo: se um alemão ordena o sumiço da informação no site do Google alemão, isso não alcança a versão “ponto com”, justamente a maior e de maior alcance. Ou seja, a informação continua indexada e acessar tais extensões da extensão norte-americana é bem simples.

Em outras palavras, a medida prontamente aceita pelo Google tornou-se local e isso não agradou a Europa. Assim, uma nova rodada de negociações teve início e a gigante de ?Mountain View?, de novo, cedeu aos ?encantos? os europeus: a informação indesejada e informada ao Google na Europa deverá ser desindexada para qualquer endereço, independentemente das extensões. Na prática, agora, tanto faz se você entrou no Google “ponto com” ou “ponto UK”. O dado pessoal delicado não estará disponível na busca.

É importante ressaltar que a medida vale apenas para a Europa e vai funcionar da seguinte maneira: os ?bots? (robôs que varrem a internet em busca das informações desejadas pelos usuários) identificam os IPs das máquinas e relacionam ao país de origem. Além disso, a medida não é válida para autoridades ou pessoas públicas, justamente pelo caráter público do dado e que remete ao direito à informação.

E o que o Brasil anda fazendo? Bem, os nossos congressistas mudaram ?um pouco? a ideia de direito ao esquecimento construída na Europa. Há um projeto na Câmara dos Deputados (e que conta com o apoio incondicional do presidente, o peemedebista Eduardo Cunha) que exige não apenas a desindexação do dado indesejado pelo usuário, mas a extinção de informação danosa em toda a internet.

Ora, analisemos o primeiro ponto: primeiro, os parlamentares exigem que o Google extermine uma informação no ambiente WWW como se ela fosse dona da rede? A internet não tem dono. O Google, como todos já sabem, organiza e localiza o endereço associado a mais de 200 algoritmos. O que ele faz é organizar os dados em um ranking. Ponto final.

Mas a aberração não para por aí. Por motivos que me parecem bem óbvios, o projeto prevê o direito às autoridades e pessoas públicas, justamente o inverso da ideia original europeia. Ou seja, um político foi investigado e não foi condenado? Exclua a notícia danosa na rede para sempre e ninguém poderá pesquisar sobre o motivo pelo qual se deu toda a investigação. Não devemos esquecer que a prerrogativa de colher provas contra o acusado é do autor da ação, mas isso não quer dizer que há uma inocência de fato. O que existe é uma inocência de direito, o que pode ser alcançado por um hábil advogado.

Assim, penso eu, é justo que a mínima fumaça sobre determinada pessoa pública seja pública. É direito do eleitor, que precisa conhecer o seu candidato e o que ele andou fazendo (ou a acusação que recai sobre os seus ombros). O Presidente da Câmara, aliás, usou de típicas artimanhas políticas e não enviou a proposta às comissões competentes do parlamento, como é o caso da comissão de ciência e tecnologia. Absurdo? Há outros pontos, que devem ser pauta de votação muito em breve. Coisas da nossa política.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]