Pesquisar
Close this search box.
/
/
Deepfakes podem revolucionar os mercados publicitário e de educação

Deepfakes podem revolucionar os mercados publicitário e de educação

Sistema que cria vídeos falsos pode ser usado para animar personagens históricos na sala de aula ou aproximar a publicidade das pessoas. Entenda

Os deepfakes – vídeos falsos criados por meio de inteligência artificial e deep learning – estão cada vez mais realistas. A polêmica tecnologia tem sido alvo de discussão, uma vez que os vídeos criados artificialmente podem ajudar a espalhar notícias falsas ou colocar pessoas em situações constrangedoras. Mas também há usos positivos para estes vídeos, como por exemplo no mercado publicitário e de educação.

A técnica do vídeo deepfake pode ser usada para simular falsos discursos de políticos ou espalhar notícias falsas, influenciando eleições até o mercado financeiro.

Esse tipo de vídeo também é muito popular em sites adultos, que substituem cenas reais por rostos de celebridades.

Segundo a empresa de segurança online Deeptrace, 96% dos deepfakes registrados são pornográficos.

Mas nem todos os usos deste tipo de vídeo são nocivos. Agências de publicidade estão adotando a tecnologia para criar anúncios localizados e, desta forma, se aproximar do público-alvo da campanha.

“Os filmes gerados artificialmente podem ser aproveitados para o bem e para criar valor para marcas e consumidores. Isso inclui a criação de conteúdo localizado e traduzido, além de personalização leve, sem o alto custo de filmar diferentes versões do mesmo comercial”, afirma Anthony Baker, diretor executivo de tecnologia da R/GA de Tóquio, em entrevista ao site Marketing Interactive.

Já há, inclusive, empresas especializadas em criar versões deepfake de campanhas e vídeos institucionais. A empresa de tecnologia israelense Canny AI é uma das várias que utiliza a tecnologia para criar edições do mesmo vídeo em diferentes idiomas. Um comercial em inglês, por exemplo, pode ser transformado em outro idioma, de forma automática, sem a necessidade de regravação do original.

deepfakes

Outro uso possível do deepfake para o mercado publicitário é a personalização a partir de vídeos e fotos dos consumidores-alvo coletadas nas redes sociais.

Será possível, por exemplo, personalizar uma propaganda com imagens de pessoas nas quais o consumidor se identifica. Ou seja, um mesmo vídeo pode mostrar pessoas loiras, asiáticas ou negras, dependendo do perfil de quem estará assistindo.

Dando vida a figuras históricas

Além de impactar o mercado publicitário, os vídeos deepfakes têm potencial para aumentar a interatividade na sala de aula.

Pesquisadores do centro de inteligência artificial da Samsung em Moscou, na Rússia, usaram uma rede neural para animar fotos estáticas. Na demonstração da tecnologia, os pesquisadores conseguiram fazer com que a Monalisa ganhasse vida e conversasse com os espectadores a partir de apenas uma imagem do quadro.

Para professores, essa tecnologia pode fazer com que as aulas fiquem mais reais com a possibilidade de replicar depoimentos em vídeo de figuras históricas, como Albert Einstein, Santos Dumont, Leonardo da Vinci…

 

Entenda como funciona o vídeo “deepfake”

“Deepfakes” são conteúdos de vídeo ou áudio que foram manipulados usando a inteligência artificial e deep learning para parecer que alguém disse ou fez algo que nunca fez.

Normalmente o deepfake usa um vídeo real de uma pessoa como base e simula sobre ele informações geradas a partir de um banco de dados de imagens ou vídeos de outra pessoa.

A inteligência artificial identifica os pontos focais no rosto do vídeo original e aprende suas posições e relações entre si.

Em seguida, a tecnologia detecta os mesmos pontos focais no rosto das fotos ou vídeos da pessoa que será inserida na gravação original. De forma automática, a inteligência artifical reconstrói o rosto falso sobre o rosto original, como se fosse uma máscara.

Regulamentação estatal

Semelhante ao surgimento do Photoshop, que revolucionou a manipulação de imagens, é possível que a tecnologia deepfake se torne uma nova ferramenta para criação de conteúdo e seja usada de forma mais natural nos próximos anos.

A possibilidade de uso nocivo para espalhar notícias falsas ou constranger pessoas, no entanto, faz com que governos e órgãos de controle comecem a se preocupar com o assunto.

A China lançou uma nova regulamentação para impedir a disseminação de notícias falsas e vídeos enganosos. A nova regra, que entra em vigor em janeiro de 2020, proíbe a publicação de informações falsas ou deepfakes sem o devido alerta de que o vídeo em questão foi criado com a tecnologia.

Segundo o governo chinês, este tipo de conteúdo pode criar “riscos políticos” e trazer “impacto negativo à segurança nacional e à estabilidade social”.

No mês passado, a Califórnia se tornou o primeiro estado dos EUA a criminalizar o uso de deepfakes na promoção de campanhas políticas e publicidade. A lei torna crime publicar áudio, imagens ou vídeo que dê uma impressão falsa e prejudicial das palavras ou ações de um político.


+ NOTÍCIAS

Zao: o app que usa deepfake para transformar chineses em estrelas de cinema
Procon São Paulo notifica FaceApp sobre o uso de dados pessoais
Reconhecimento facial vira obrigatório para quem compra linha de celular na China

 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]