Pesquisar
Close this search box.
/
/
Como implementar estratégias de data literacy nas empresas

Como implementar estratégias de data literacy nas empresas

Saber analisar e entender dados é uma das habilidades que promete alavancar resultados e mudar o mercado do futuro

O data literacy, ou alfabetização de dados, já é considerado uma das habilidades mais importantes para as empresas do futuro, já que tem potencial de alavancar o crescimento do negócio a partir da análise de dados.

Para conseguir esse resultado, entretanto, é preciso realizar essa análise da forma correta, o que envolve diversos conhecimentos em tecnologia e estratégia. É nesse momento que o data literacy se mostra importante.

O que é data literacy

O data literacy nada mais é do que a alfabetização de dados. É a habilidade de analisar e entender os dados disponíveis da forma correta para, a partir disso, criar soluções e estratégias. O termo surgiu com a necessidade de aprimorar o entendimento desses dados, que escancarou uma defasagem nesse mercado.

Por isso, hoje quando o assunto é data literacy, fala-se sobre “falar dados”, como se essas informações fossem, de fato, uma nova linguagem, como aprender inglês ou espanhol. Falar dados, portanto, é uma habilidade que se tornará cada vez mais importante com o passar do tempo.

Isso porque a transformação digital trouxe uma conexão entre realidade e mundo virtual, que foi ainda mais impulsionada com a pandemia. Hoje, os dados são tratados como o “novo petróleo”, tamanha a importância que têm no mercado.

Exatamente por isso, a análise de dados é uma função que merece cada vez mais atenção por parte das empresas, já que pode contribuir com a tomada de decisões a partir de informações concretas (basicamente, o conceito de Data Driven, outro bastante importante quando se fala em dados).

Para Felipe Ferraz, professor da Cesar School – faculdade especializada em inovação digital – e PhD em Ciência da Computação, entender esses dados vem ganhando muita relevância e importância não só nos negócios, mas no dia a dia em geral.

“Os dados ajudam o gestor a ter uma percepção melhor do que fazer e como fazer algo na empresa. Antigamente, quando íamos tomar uma decisão, seria baseada apenas em informação básica. Em um mundo tão conectado, você consegue tomar uma decisão não baseada em algo relativo, mas a partir do padrão de comportamentos, sendo mais assertivo na escolha”, explica.

Leia também: Desigualdade digital chega aos mais ricos 

A importância do data literacy para a empresa

Os principais benefícios de treinar colaboradores em data literacy estão relacionados à tomada de decisões mais certeiras. Isso porque os dados não sofrem interferência de vieses ou opiniões pessoais, que podem, muitas vezes, definir os rumos da estratégia, mesmo que sem intenção.

Alguns dos benefícios que investir em data literacy na empresa traz são:

  • Tomada de decisão mais certeira;
  • Análise das informações sem subjetividade;
  • Estratégias de dados que se adequam à realidade;
  • Resultados mais promissores;
  • Possibilidade de rever as informações e compará-las;
  • Crescimento da empresa com data driven.

 

Saber ler, analisar e ainda comunicar esses dados para toda a equipe se mostra, portanto, algo essencial para os negócios.

“O data literacy afeta diretamente o desempenho corporativo. Envolve margem bruta, retorno sobre ativos, patrimônio e vendas. Uma pesquisa da consultoria internacional de inovação Gartner aponta a baixa alfabetização de dados como o segundo maior obstáculo interno ao sucesso de um Chief Data Officer (CDO)”, afirma Alexandre Pegoraro, CEO da plataforma Kronoos.

Segundo ele, a Gartner já projetava que até o final de 2020 cerca de 80% das organizações seriam obrigadas a iniciar programas de alfabetização de dados para superar as dificuldades.

O data literacy nas empresas

Saber falar dados não é algo comum atualmente. Mesmo em grandes empresas que já reconhecem o valor dessa nova “língua”, a análise e entendimento dos dados muitas vezes se limita a um setor específico para isso.

Geralmente focados em melhorar o produto ou serviço da empresa, esses analistas se debruçam sobre dados bastante específicos e relacionados diretamente com as vendas do negócio.

Entretanto, a tomada de decisão a partir dos dados pode ser aplicada em todo o âmbito da empresa, melhorando o trabalho interno ou impulsionando soluções em setores que não estão diretamente relacionados com as vendas.

“É importante ter essa mentalidade não apenas nas ações diretas, mas também no momento de tomar as decisões dentro das empresas, também seguindo os dados. Ou seja, não é preciso usar necessariamente para melhorar um produto, por exemplo, mas também para melhorar algo na própria empresa”, afirma Felipe Ferraz.

Por isso, fomentar o data literacy dentro das empresas, como parte da cultura e das habilidades dos colaboradores, é uma ótima forma de melhorar o negócio como um todo.

Segundo Alexandre Pegoraro, deve-se ter extremo cuidado na análise profunda das informações obtidas, as mesmas devem ser checadas. “É preciso saber de onde vieram e quais perguntas foram feitas para se chegar neste resultado. É através dessas informações que se criam habilidades de tomar uma decisão, formar uma opinião e sustentar seu ponto de vista com base em dados”, diz.

Como implementar a habilidade de data literacy na empresa

É importante entender que o data literacy não é uma ação direta, mas, sim, uma habilidade que torna a tomada de decisões mais assertiva. Isso quer dizer que o data literacy é algo que se aprende e se desenvolve para fomentar o crescimento.

Ou seja, não é uma ação única, são vários elementos que precisam ser utilizados para tornar os colaboradores da empresa aptos para analisarem e comunicarem os dados. É um processo, que exige investimento e preparação, mas que traz inúmeros resultados a longo prazo.

Para implementar a cultura do data literacy nas empresas, algumas estratégias podem ajudar:

Promover treinamentos

Esse é o ponto principal da alfabetização de dados. É preciso ensinar e promover treinamentos para os colaboradores que trabalham diretamente com os dados, independente do objetivo.

São diversas ferramentas e plataformas que podem ser utilizadas, além de existirem diferentes técnicas para o entendimento das informações adquiridas. Tudo isso são elementos essenciais para formar uma equipe apta.

Capacitações constantes

Assim como a tecnologia, é de se esperar que as maneiras de analisar dados e informações mudem com o tempo. Por isso, mesmo profissionais que já entraram na empresa falando dados, precisam sempre renovar seu conhecimento na área.

Investir nessas capacitações pode ser o diferencial da empresa em momentos de grandes mudanças, já que permite uma análise adequada às novas necessidades do negócio e seus clientes.

Incentivar todos os colaboradores a utilizarem os dados

Não são apenas setores específicos que podem se beneficiar com o data literacy e data driven. Toda a empresa pode passar a decidir ações a partir de dados concretos, aumentando as chances de acerto.

Por isso, quando se fala em data literacy, é preciso mudar, mesmo que aos poucos, a cultura e o mindset da empresa, mostrando para todos os colaboradores a importância de analisar dados.

Tomar cuidado com os dados sensíveis

Um tema que não pode ser deixado de lado atualmente é o de uso de dados. A empresa precisa tomar muito cuidado com armazenamento e segurança dos dados internos e de seus clientes.

Dados sensíveis (pessoais, como número de documentos e endereço) merecem atenção redobrada e transparência por parte da empresa com seus consumidores. Informações muito específicas, na verdade, não precisam ser utilizadas. Há outros tipos de informações que trazem tanto valor quanto esses.

O data literacy, como foi visto, é de extrema importância para o mercado do futuro e precisa ser uma habilidade cada vez mais valorizada e incentivada dentro das empresas. A tomada de decisão a partir dessas informações pode ser o diferencial entre as empresas nos próximos anos.


+ Notícias 

A análise de dados está por trás das principais tomadas de decisão 

Como definir o uso de tecnologias baseando-se no desejo do cliente 

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]