Pesquisar
Close this search box.
/
/
O blockchain como plataforma para uma sociedade mais inclusiva

O blockchain como plataforma para uma sociedade mais inclusiva

A tecnologia que assegura as transações em criptomoedas há tempos vem sendo alvo de pesquisas para outras aplicações

Talvez o leitor e a leitora não tenham tido a oportunidade de transacionar com criptomedas e seus primos, os NFTs (tokens não-fungíveis em tradução do inglês). Mas as criptomoedas hoje crescem e se multiplicam, não exatamente em valor, mas em capilaridade e alcance. Elas fazem parte de um ecossistema de inovação orientado à descentralização de informação e de transação, confrontando a regulação estatal para proporcionar novas alternativas de movimentação financeira para pessoas e empresas. No coração do desenvolvimento das criptomoedas está o protocolo blockchain, um sistema de autenticação e validação que “legítima” todas as transações realizadas nessas moedas, praticamente indevassável e à prova de hackers.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Essa característica da tecnologia blockchain, suas diversas camadas de segurança e criptografia, permitem diversas aplicações em tese. Não por acaso, a tecnologia foi incorporada às obras autorais digitais, comercializadas e colecionadas como NFTs, naquilo que a Consumidor Moderno denominou “criptoverso”, ou seja, os ambientes digitais que emulam games, com avatares de seres humanos e interações com apelo sensorial, mas com possibilidades transacionais baseadas nas criptomoedas. O criptoverso é, assim, o metaverso com funções de consumo.

O criptoverso é o metaverso com funções de consumo

Evidentemente blockchain e criptomoedas fizeram parte fundamental do conteúdo do Web Summit. Um dos painéis que chamou a atenção foi: “Como o blockchain pode criar uma sociedade mais inclusiva”, reunindo Marieke Flament, CEO da Near Foundation, da Suíça, veterana e pioneira no uso de criptomoedas, Lacey Hunter, co-fundadora da TechAid, uma startup de Web 3.0 voltada para o uso de dados em prol de ajuda humanitária e Stewart Rodgers, editor-chefe da Dataconomy e especialista global em tecnologias de imersão e blockchain.

No painel, esses experts procuraram mostrar como o blockchain pode ser utilizado para resolver grandes problemas humanitários e mesmo influenciar governantes e instituições a moldar sociedades melhores e mais inclusivas. Será que o criptoverso pode criar maior inclusão financeira e cidadania econômica? Qual a resposta?

Leia Mais: Sai o CEO, entra o ZEO: conheça a visão de liderança da Geração Z

Desafio é ampliar acesso à tecnologia blockchain

Basicamente não ter medo de realmente levar a tecnologia para essas populações. Porque a essência do blockchain é que ele ainda é inacessível para a maioria das pessoas, inerentemente inacessível para o cidadão médio. Será que popularizar carteiras digitais permitirá a adoção massiva para o uso natural e inato do blockchain? A ideia é fazer com que os usuários das plataformas atuais consigam transmitir essa simplicidade para a população em geral. A estratégia adequada aqui é tornar a inclusão possível a partir das experiências dos usuários e que eles tornem sua prática familiar para as demais.

Não há dúvida de que o blockchain assegura e traz transparência para as transações e permite que artistas em geral e empreendedores consigam acessar recursos e mercados inexplorados a partir dessa tecnologia. Stewart Rodgers manifesta ceticismo com esse “potencial inclusivo”, porque em tese, o blockchain parece intangível para os cidadãos comuns. Marieke, por sua vez, é otimista, porque todas as aplicações em torno das criptomoedas se preocupam demais com a experiencia do usuário e trabalham para que a inovação se torne compreensível como pedir um carro no Uber. A proposição de valor do blockchain é permitir a descentralização e o envolvimento e transações entre pessoas, o coração da ideia da Web3.

Leia Mais: A Inteligência Artificial está na nossa vida, cada vez mais invisível

Estamos no limiar de um futuro ainda incerto, mas que tem como destino tirar o poder concentrado das mãos dos grandes. Essa sempre foi a promessa da internet desde os primeiros dias, mas agora há tecnologias, desenvolvedores e uma geração disposta a levar essa descentralização e o compartilhamento do poder de ideias como o blockchain para cada vez mais pessoas. Essa força parece realmente impressionante e será difícil de controlar.

Carteiras digitais, criptoativos, transações P2P e NFTs são inovações que confrontam a lógica corrente acerca de como administramos investimentos e recursos. Pensar que qualquer pessoa possa criar um ativo que tenha paridade de valor com outros padrões monetários é contraintuitivo demais. Ainda assim, mesmo nesse momento chamado de “inverno cripto”, há um campo aberto para explorar a criação de valor em moedas e obras autorais digitais.

Conheça o Mundo do CX

Não adianta pensar criptoativos com base nos princípios gerais da macroeconomia, taxa de juros, liquidez, inflação, ociosidade, desemprego. Apesar de vivermos uma recessão global (ainda que o Brasil pareça bem-posicionado, por ora, nesse cenário), simultaneamente a esse “inverno cripto”, com queda acentuada das cotações, muitos dos investidores estão segurando e mantendo posições, mais do que verificamos em outras classes de ativos.

É provável que o blockchain e as criptomoedas tornem-se padrões monetários realmente acessíveis e incrivelmente democratizados, dentro dos princípios elementares da exponencialização. Vale lembrar que na teoria dos 6Ds, após o desencanto sempre vem a disrupção.

*A cobertura do Web Summit é uma parceria da Consumidor Moderno com Oásis Lab.


+ Notícias

A experiência do cliente confrontando a experiência do cliente: um paradoxo insolúvel?

Fusão entre adtech e fintech busca experiência DTC cada vez mais personalizada

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]