Pesquisar
Close this search box.
/
/
8 atitudes essenciais para empresas que querem inovar

8 atitudes essenciais para empresas que querem inovar

Maior consultoria de estratégia do mundo compartilha aprendizado obtido a partir de centenas de projetos globais de inovação. Saiba mais

Quais são os aspectos essenciais da inovação? É possível mapear e apontar quais atitudes realmente fazem uma empresa gerar inovação? Eric Roth, sócio sênior da McKinsey EUA, viaja pelo mundo ajudando empresas a mudarem seus negócios por meio de inovação. Eric também é colaborador ativo de Clayton Christensen, maior especialista global de inovação – ambos escreveram diversas obras e ensaios sobre o tema com projeção global. Há poucos dias, ele fez uma apresentação marcante durante o Fórum McKinsey, realizado em São Paulo.

O consultor é, na mesma medida, um incansável estudioso sobre a dinâmica da inovação e de como ela pode ser utilizada para transformar negócios. Para Eric Roth, a chave é saber criar valor a partir do seu sistema e do que sua empresa faz.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

Como premissas, ele recomenda: “seja espesso, denso, considere os 99% de transpiração e não fique atrás de uma inspiração fugaz, foque no como e não no que, aloque recursos para as melhores oportunidades e saiba que não há apenas uma bala de prata ou uma receita pronta.”

Sempre o contexto

Roth afirma que o cenário atual está dominado pela velocidade digital, pela ascensão do C2B (customer to business), e diz que há disrupção em toda parte. Toda inovação parte da necessidade de se resolver um problema e, nesse sentido, vale sempre considerar três ingredientes fundamentais – o digital, o design e a experiência do consumidor.

“A inovação acontece em uma velocidade sem precedentes. Negócios digitais estão remodelando as expectativas dos clientes em personalização e serviço. Veja o nível de serviço oferecido pela Amazon como referência”, enfatiza. Para ele, a onda digital e mobile muda tudo, todos os dias. Pagers, câmeras, relógios, celulares e desktops foram segmentos rompidos por apenas um produto: o smartphone, com iPhone à frente.

O especialista da McKinsey mostrou ainda como as fortíssimas marcas da P&G, considerada a maior organização de marketing do mundo, sofrem disrupção de dezenas de competidores inovadores, surgidos em pouquíssimo tempo. “Praticamente toda marca da P&G ganha um concorrente novo todo dia”, aponta.

Por outro lado, Roth lembra os dados de uma pesquisa global que aponta que 84% dos executivos consideram inovação muito importante, mas somente 6% deles estão satisfeitos com a inovação que suas empresas produzem. A inovação em escala demanda produtos, serviços, processos e modelos de negócios. Por isso, ideias apenas são insuficientes. Paciência e perseverança importam.

Inovação, evolução e atitudes

A apresentação prosseguiu com uma provocação inquietante: por que a inovação muitas vezes precisa obedecer ao tempo correto de lançamento para ser percebida e assimilada? Thomas Edison, um ícone da inovação, criou e comercializou o modelo de lâmpada popular, a partir de uma demonstração pública em Menlo Park em 1879. Mas foi somente três anos mais tarde que a inovação fez sentido, com a formação de um sistema de produção e geração de energia acessível às populações.

Outro exemplo: o QR Code foi criado em 1994 e só começou a se popularizar somente em 2011. Essas histórias ilustram uma das questões mais importantes quando o assunto é inovação: como saber quando o mercado está pronto para uma ideia fora do comum? E como conciliar essa persistência em uma ideia em um mercado regido pelo curto prazo? É uma questão complexa, porque inovação requer tempo e acionistas requerem velocidade. Inovação também requer tempo porque demanda muitas competências aplicadas e criatividade é apenas uma delas.

O especialista então mostrou as 8 atitudes essenciais da inovação:

1) Aspiração – pense em números, em grandes mercados;
2) Escolha – faça apostas claras, lógicas facilmente compreensíveis;
3) Descubra – tenha insights a partir de ideias isoladas e combinadas;
4) Evolua – pense sempre em incrementar, aperfeiçoar, ir além para não ser vítima da extinção;
5) Acelere – faça cavalos, não camelos, ou seja, a partir de uma ideia bem formatada, persista nela, sem ceder à tentação de moldá-la excessivamente;
6) Escale – ou seja, tenha a pretensão de ser grande, seletivamente, em mercados específicos;
7) Extensão – procure ser visto como um parceiro preferencial;
8) Mobilize – vá além das estruturas internas e estruturas, trabalhe para engajar pessoas e empresas.

Inovação e cultura interna

A partir das atitudes descritas, Roth conclama as empresas e os executivos a pensarem em objetivos inspiradores, mas tangíveis. Sempre é bom lembrar de JFK, presidente americano, morto em 1963, quando, em 1961, colocou a viagem e a exploração da Lua como objetivo a ser atingido em dez anos, sendo que em cinco anos um objetivo intermediário deveria ser atingido: a construção do módulo lunar capaz de pousar na superfície do satélite.

Roth também ressaltou que a busca por crescimento exponencial ou significativo só acontece de quatro maneiras: crescimento orgânico, melhoria incremental, aquisições e, claro, inovações que busquem desconstruir negócios. O problema é que incorporar a cultura de inovação e seu ecossistema não necessariamente encontra lugar nas empresas tradicionais. E é por isso que inovar causa tanta pressão. Mais complexo ainda é alocar a inovação como eixo do negócio.

Nesse sentido, quando se pensa nas escolhas da empresa, o portfólio precisa ser monitorado e revisado regularmente. Até que ponto seu portfólio é sensível a inovações, tanto oriundas do mercado quanto da própria capacidade de propor diferença?

Como estar atento aos sinais emitidos pelos consumidores à nossa volta? O que determinados comportamentos podem dizer sobre a existência de oportunidades para inovar? Ter a mente aberta para ideias, observando onde há a intersecção de tecnologias, pessoas e modelos de negócios para detectar lacunas onde a inovação pode capturar valor é a missão de todo e qualquer executivo que busque manter marcas, produtos e serviços em evidência considerando mercados regidos pela mudança.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]