Pesquisar
Close this search box.
/
/
A pior mudança é aquela que não se quer ver

A pior mudança é aquela que não se quer ver

"Mais mudanças aconteceram no varejo nos últimos 5 anos domine nos 50 ANS anteriores".

É inegável que todos os negócios vem passando por profundas transformações. Indústrias inteiras tiveram de se redesenhar ou ficaram obsoletas desde o início da era digital. Mas no varejo, particularmente no mercado norte-americano, as mudanças têm sido dramáticas e intensas. Showroomers, Omni-channel, Experience, storytelling, e-commerce, Big Data são tendências e modismos visíveis e pontas de lança de lutas infinitas e pequenas mudanças que estão presentes e disponíveis em cada etapa da operação varejista.

O debate trouxe reflexões agudas sobre como se orientar para enfrentar a mudança. Mesmo em mercados mais fechados como o brasileiro, as ondas de mudança podem ser sentidas e tiram o sono dos executivos de executivos de todos os segmentos, incluindo claro, os varejistas. Complexidade é a norma. Os negócios ganham em complexidade, já que o consumidor é um “channel agnostic”, ou seja, ele não crê em um canal em particular. Ele quer. E quer agora não importa o canal.

Ou seja, estamos vivendo a aurora de um momento em que o consumidor orienta a escolha, a compra, o modo de compra, a entrega, a interação e o diálogo. Não importa o canal, o cliente pode comprar a qualquer momento, em qualquer canal, utilizando toda sorte de meio de pagamento. Como NOVAREJO já mostrou na cobertura da última CARTES em Paris, no final de 2013, a conveniência é multicanal e não necessariamente a operação do lojista deve ser. O que ele deve ter em mente é permitir que seja possível transacionar com a sua rede do modo mais conveniente para o consumidor. E a busca pela rentabilidade, particularmente no mercado dos EUA tornou-se um desafio crescente na medida em que todos os varejistas precisam um enfrentar um e-commerce gigantesco – a Amazon – que não precisa obter lucro de sua operação varejista (a Amazon também ganha dinheiro com suas operações de tecnologia avançada -marketplaces, Cloud Computing, Kindle, etc), o que simplesmente não é possível para uma rede varejista convencional.

Outra consequência bastante impactante dessa nova era de mudanças é que ela colocou o consumidor muito à frente do varejo. Ele normalmente tem mais informação e mais acesso a fontes de informação, mesmo que ela venha repleta de ruído. Ainda assim, o consumidor acaba demonstrando conhecimento prévio via de regra superior ao de um vendedor, por exemplo.

Mas nem toda mudança tem conotação negativa. É da lógica dos negócios ganhar complexidade permanente. Novos modelos competitivos, inovações, disrupções, comportamento do consumidor, medidas do governo, câmbio, novos concorrentes, fatores capazes de elevar o esforço necessário à condução dos negócios são a rotina. E é bom que seja assim. Parafraseando um lendário CEO da Intel, Andrew Groove, “só os paranóicos sobrevivem”. Nossa época está repleta de motivos para que os executivos sejam paranóicos e assim livres da complacência que normalmente acompanha o sucesso fácil momentâneo.

O congresso trouxe ainda conceitos importantes para algumas dimensões do mercado varejista. O painel “Oportunidades e estratégias para varejistas globais na América Latina” mostrou o México como um “antiBrasil”, ou seja, um mercado que segue a cartilha de eficiência econômica capaz de criar um ambiente mais saudável para os negócios – responsabilidade fiscal, reformas como a que quebra o monopólio da PEMEX, flexibilização do regime trabalhista, inflação baixa e transparência. Tudo muito bonito não fosse o fato de que o mercado brasileiro é o dobro do mexicano e nosso consumidor, ao contrário do que se pensa, não é dos mais sensíveis a preço. Ao contrário, nosso consumidor demanda realização. Os mecanismos de compensação do consumo no Brasil motivam compras por impulso e a busca pela satisfação de desejos. Sempre é bom lembrar que a lista de compras de supermercado das classes A e B tem praticamente os mesmos itens da lista de compras da classe C (são 44 itens nas classes A e B contra 40 na classe C).

Finalmente, um ponto de destaque no primeiro dia da NRF diz respeitos às novas bases de construção de marcas no varejo (e em outros segmentos). Até há poucos anos, toda grande estratégia de desenvolvimento de marcas estava baseada no trinômio posicionamento/percepção/lembrança. Hoje o trinómio mudou, tendo em vista justamente o empoderamento do consumidor: estilo de vida/experiência/comunidade. Marcas incapazes de trabalhar essas dimensões estão fadadas ao e aquecimento e à irrelevância.

Como ponto de reflexão o executivo de varejo e aquele que pertence à cadeia de valor do varejo, a mudança é parte integrante do seu negócio, tanto quanto custos, colaboradores, clientes. Considere a mudança, a contingência, o inusitado e a ruptura como estímulo para fazer um negócio cada vez melhor. Fechar os olhos para esse estado de mudança permanente simplesmente não é uma opção. Na verdade, representa apenas a falta de uma.

Jacques Meir – Diretor de Conhecimento e Inteligência de Negócios do Grupo Padrao

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]