Pesquisar
Close this search box.
/
/
“Voucherização” da economia: a estratégia usada por empresas na pandemia

“Voucherização” da economia: a estratégia usada por empresas na pandemia

Solução é recomenda pelo Sebrae, mas é preciso ter cautela para conseguir atender todos os clientes depois que a crise for superada

Empresas de todos os setores da economia precisaram se adaptar às mudanças causadas pelo novo coronavírus. É um cenário especialmente desafiador para as empresas que vendem produtos ou serviços que não são considerados essenciais. Nesse sentido, o mercado tem apostado em uma venda orientada para o futuro. E uma das alternativas tem sido oferecer vouchers para que os clientes tenham acesso aos produtos depois que for restabelecida a normalidade.

A medida, segundo as empresas, visa manter o fluxo de caixa com alguma movimentação, afinal os consumidores tem priorizado os gastos com alimentação e saúde. É o caso de setores de turismo e beleza, que estão sendo profundamente impactados e tentam encontrar formas de gerar algum dinheiro em meio ao distanciamento social.

Bilhete Viagem

A Azul Viagens optou pela “voucherização” de seus serviços com o lançamento do programa Bilhete Viagem, em abril. A operadora de turismo da Azul está dando aos clientes a flexibilidade de escolher a data e o destino de uma viagem até o ano que vem, de acordo com a disponibilidade da malha.

Incluindo a passagem aérea, a hospedagem e o traslado, os pacotes têm 10 diferentes cidades no catálogo e opções de viagem entre 01º de julho e 15 de dezembro deste ano e entre 20 de janeiro e 30 de abril de 2021.

Em entrevista ao portal Consumidor Moderno, Daniel Bicudo, diretor da Azul Viagens, conta que, preocupada com a crise do novo coronavírus, a empresa desenhou essa solução no começo de março. E os resultados estão agradando a companhia: “estamos fechando cerca de 50% das cotações”, proporção que, antes, era bem menor, garante Bicudo.

A ideia de oferecer vouchers fez o canal de vendas online da empresa dobrar de tamanho. Se antes o produto era tido como solução temporária para encarar a crise, agora a intenção é ampliar a oferta do Bilhete Viagem e deixar o produto disponível depois da pandemia.

Solução para as pequenas empresas

O setor de beleza também está olhando para os vouchers como uma boa alternativa em tempos de crise. No Brasil, 58% das pessoas pagam para fazer algum tratamento nos cabelos no mínimo a cada dois meses, o que representa 61 milhões de indivíduos, segundo dados da Kantar. A média global é de 40% da população.

Com salões de beleza fechados devido às determinações de isolamento social, mais de 50% dos entrevistados em uma pesquisa da consultoria no Reino Unido, Estados Unidos, Espanha, Alemanha, Itália, França e Brasil disseram que vão esperar a quarentena terminar para procurar seus cabeleireiros, enquanto 19% pretendem pedir ajuda às pessoas com quem moram e 21% preferem fazer sozinhos.

Por isso, a solução de oferecer vouchers para atender os clientes depois da pandemia se torna uma boa alternativa.

“Precisamos fazer o giro acontecer”, diz Viviane Coutinho, dona do centro de beleza Viviane Coutinho Reabilitação Capilar, empresa que também adotou os vouchers recentemente. Localizado no Recreio dos Bandeirantes, Zona Oeste do Rio de Janeiro, a empresa está oferecendo um voucher que custa R$ 90 e dá ao cliente o direito de usar R$ 120 em serviços até dezembro.

“Os resultados são muito positivos. Muitos conhecem os nossos serviços ou já tinham vontade de consumi-los. Agora, com preços especiais, a procura tem sido grande”, relata a empresária.

No restaurante vietnamita Bia Hoi, em São Paulo, os clientes podem comprar vouchers de R$ 30, R$ 50 e R$ e R$ 100 para, no futuro, consumir R$ 40, R$ 65 ou R$ 140, respectivamente. Uma parceria com a Heineken tem sustentado os descontos agressivos: a marca complementa a diferença entre o valor pago e consumido pelos clientes para ajudar o pequeno negócio.

“Tivemos uma boa adesão dos clientes. Entendemos que o retorno foi bastante positivo de duas formas: no aspecto prático, gerando caixa imediato, e na divulgação do negócio para clientes que ainda não nos conheciam”, conta Dani Borges, chef e proprietária do Bia Hoi SP Vietpub.

Sebrae recomenda, mas com cuidado

Por ora, os resultados são animadores para quem está usando esta estratégia. Os vouchers estão cumprindo sua missão principal: salvar os fluxos de caixa. Mas e depois?

O Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) recomenda a “voucherização” como saída para a crise, mas alerta para alguns cuidados que as empresas devem tomar.

“O empreendedor precisa entender que venda antecipada gera obrigação futura. E para cumprir com essa obrigação precisa da manutenção de seu negócio. Precisa entender, também, que está proibido de executar os serviços, mas não está proibido de vender”, explica Felipe Chiconato, consultor do Sebrae-SP.

Chiconato compara a venda de vouchers a um empréstimo e diz que a empresa precisa se programar para atender os clientes depois que a pandemia passar.

O principal destino do dinheiro arrecadado durante a pandemia com os vales-compra é o pagamento da folha. É o que Chiconato tem observado nas empresas que atende e o que acontece no Bia Hoi e no salão de Viviane Coutinho.

“Todos os custos variáveis praticamente somem com a falta de faturamento. Os custos mais onerosos são com aluguel e folha salarial. O primeiro é negociável e tenho visto flexibilidade dos locatários. O segundo é um direito dos trabalhadores que não pode ser alterado. Por isso, a primeira prioridade dos empreendedores é honrar seus compromissos com os funcionários”, diz Chiconato.

Datas de vencimento

Vouchers que têm data para expirar são úteis para que as empresas se organizem para atender os clientes. “Se um salão de beleza tem capacidade para atender 30 clientes por mês, mas vende 50 vouchers sem uma janela para utilização, pode acontecer de todos os clientes solicitarem o serviço no mesmo mês”, justifica o consultor do Sebrae-SP.

Descontos

É preciso oferecer benefícios para que os consumidores comprem um serviço antecipadamente. Os descontos são a maneira mais comum de atrair os clientes, mas não podem ser muito agressivos.

Felipe Chiconato explica: “Existem produtos com margem elevada, onde os empresários conseguem abrir mão do ganho e ainda lucrar. Mas há casos onde as empresas abrem mão de 30% do lucro e isso é muito agressivo. Você está pegando um crédito que lhe custa 30%. A tendência natural das coisas é que o custo aumente depois da pandemia e aí, para compensar essa perda, a empresa vai querer aumentar o preço, o que já entra em uma questão ética”.

Desistência

Alguns empresários apostam na não utilização dos vouchers como uma forma de salvar o caixa das companhias, o que pode ser arriscado. É provável que nem todos os vales-compra sejam utilizados, mas pode ser arriscado contar com uma parcela de desistência e utilizar o dinheiro para outra coisa se não garantir a oferta do serviço a todos os que compraram.

O que diz o primeiro balanço do GPA após pandemia
Cargill e Grupo Carrefour: conheça as soluções tomadas no atendimento ao cliente durante a crise

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]