Pesquisar
Close this search box.
/
/
Já pensou em trabalhar e estudar na Nova Zelândia?

Já pensou em trabalhar e estudar na Nova Zelândia?

Quer sair do Brasil? Que tal viver em um dos países com a melhor qualidade de vida do planeta? Conheça 5 profissões que estão em alta no país

Há muito mais na Nova Zelândia do que as paisagens inspiradoras. O país é muito bem visto por estudantes brasileiros em busca de um sistema educacional considerado pioneiro. Todas as universidades da Nova Zelândia, por exemplo, estão classificadas entre as 500 melhores do mundo, de acordo com a classificação internacional QS World University Rankings.

O governo neozelandês exige que as instituições de ensino cumpram altos padrões de qualidade em todos os níveis – desde a educação básica até o ensino superior, incluindo cursos de inglês e profissionalizantes. A qualidade é assegurada por um sistema baseado na atuação de agências que avaliam periodicamente as instituições.

Qualidade de vida

O país do Pacífico também figura nas primeiras posições dos principais índices de qualidade de vida. Publicado recentemente pela Mercer, uma consultoria global de recursos humanos, o estudo Quality of Living coloca as cidades neozelandesas de Auckland (3ª posição) e Wellington (12ª posição) entre as melhores do mundo para se viver. Soma-se a isso um padrão mais acessível se comparado ao dos Estados Unidos e da Europa – o dólar neozelandês, moeda do país, custa em torno de R$ 2,60.

Como se isso não fosse suficiente, o país oferece ainda permissão de trabalho para os estudantes, dependendo do tipo de curso e da carga horária (mais informações aqui). Em 2015 houve aumento de 23% no total de vistos emitidos para brasileiros estudarem no país.

Mercado de trabalho

Não são só estudantes que buscam viver na Nova Zelândia, onde ensino e desenvolvimento econômico andam de mãos dadas, com integração entre a educação superior e a indústria. O país possui uma economia altamente eficiente, que se destaca em inovação tecnológica – e que é aberta ao comércio internacional.

Ocupando posição de prestígio em indústrias como engenharia, tecnologia da informação e agricultura, a Nova Zelândia conta com universidades que lideram pesquisas internacionais e atraem profissionais de todo o mundo. Confira agora as 5 áreas de atuação profissional mais “quentes” da Nova Zelândia e informações importantes sobre cada uma delas, listadas pelo Education New Zealand (órgão vínculado ao Consulado da Nova Zelândia e que representa o Governo fora do país).

Foto: Divulgação Education New Zealand
Foto: Divulgação Education New Zealand

1)    PESQUISA CIENTÍFICA

A Nova Zelândia abriga instituições de ensino de renome internacional em pesquisa científica, competindo globalmente em áreas como biotecnologia agrícola, genoma, biofarmacêutica e medicina diagnóstica. O país atua nas principais iniciativas internacionais que geram avanços significativos para a ciência. As melhores oportunidades estão em pesquisa científica aplicada, principalmente para as indústrias de agricultura e geologia, com destaque para a exploração de petróleo. A atividade vem crescendo na Nova Zelândia nos últimos anos, ampliando as oportunidades para geólogos que estudam gás e petróleo. Mais de 29.000 profissionais atuam diretamente em pesquisas científicas na Nova Zelândia, de acordo com números do governo.

2)    TECNOLOGIA APLICADA À SAÚDE

O mercado de aparelhos dedicados às mais diversas áreas da avaliação médica está em crescimento na Nova Zelândia. O país ostenta um índice de 80% de exportação dos produtos e soluções desenvolvidos nacionalmente. Estimativas do governo apontam para mais de NZD 700 milhões (dólares neozelandeses) em exportação de tecnologia médica em 2015. O setor investe, anualmente, mais de NZD 66 milhões em pesquisa e desenvolvimento.

3)    TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

O setor de tecnologia da Nova Zelândia é diversificado e compete em pé de igualdade com as grandes potências internacionais. No país, o setor é chamado de tecnologia da comunicação e informação (ICT, na sigla em inglês), e compreende infraestrutura sem fio, conteúdo digital, telecomunicações, entre outros. É um dos que tem maior representatividade da economia local – em 2014, contribuiu com NZD 30 bilhões ao PIB nacional. A digitalização crescente que atinge a maioria dos setores da economia está gerando empregos para profissionais com diversas habilidades na área, desde engenharia de software, gerenciamento de projeto e análise de negócios. Google, Facebook e LinkedIn testam produtos e novidades na Nova Zelândia.

4)    AGRICULTURA

Uma das indústrias mais poderosas da Nova Zelândia, a agricultura, que compreende o chamado agribusiness, representa 44.6% de todo o comércio internacional do país. Mesmo com a desaceleração econômica internacional de 2015, setores como carne bovina, horticultura, frutos do mar, entre outros, apresentaram crescimento. A previsão de médio prazo, de acordo com o governo, é de que os ganhos do setor cresçam 17% nos próximos três anos. Mesmo com a distância para os maiores mercados internacionais, a Nova Zelândia é o maior exportador mundial de laticínios, com uma estrutura de produção e distribuição que impressiona pela eficiência.

5)    CONSTRUÇÃO CIVIL

O setor de construção civil, de acordo com projeções, deve responder por aproximadamente um quarto de todo o crescimento na geração de empregos na Nova Zelândia até março de 2018. As construções devem continuar a crescer em todas as regiões do país, com destaque para a região de Auckland. O crescimento contínuo da população de Auckland gera uma demanda constante por profissionais da área. O governo espera construir mais de 39 mil casas na região, medida que também auxilia a conter o aumento nos preços dos imóveis. Boas oportunidades estão disponíveis para engenheiros especializados em medição de terrenos, mestres de obras, supervisores de construção, entre outros.

Com informações do Education New Zealand. Para mais informações sobre carreiras e estudo na Nova Zelândia, acesse os sites oficiais do governo: www.studyinnewzealand.govt.nz  e www.newzealandnow.govt.nz

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]