Pesquisar
Close this search box.
/
/
O que vai ser tendência em 2023, segundo a Economist

O que vai ser tendência em 2023, segundo a Economist

De análise quântica à cidades mais abertas, confira as tendências para 2023 apontadas pela revista britânica Economist

Depois de mais um ano de incertezas, indefinições e eventos que mudam tudo – como foi a pandemia em 2020 e a guerra na Ucrânia em 2022, ano que vem chega com um pé na dúvida e outro em tendências que já apontam alguns caminhos de comportamento e tecnologia (claro, se o mundo não virar de ponta cabeça de alguma forma outra vez). A revista britânica The Economist lançou um panorama de perspectivas para 2023, e a Consumidor Moderno selecionou algumas que vão chegar também por aqui. Confira!

eSIM

Os chips de celular – que carregam os dados que identificam você com a companhia telefônica – estão desaparecendo. A tecnologia esim substitui os chips físicos por códigos digitais que podem ser transferidos de um aparelho antigo para um novo. A tecnologia já existe desde 2017, mas o iPhone 14 somente esim forçará milhões de pessoas a começar a realmente usá-lo no ano que vem.

Assim como o mouse e telas touchscreen, aponta a Economist, a adoção da tecnologia pela Apple será o gatilho para a adoção generalizada. Isso levará as operadoras móveis de todo o mundo a migrar para esims e tornar o processo de transferência entre dispositivos menos desajeitado. A tecnologia também facilita o roaming entre as redes – é possível instalar vários esims em vez de ficar trocando de chip no aparelho.

Criptografia pós-quântica

Os computadores quânticos têm poderes que os computadores comuns não alcançam. Ele utiliza bits quânticos para realizar cálculos e algoritmos através da manipulação e da leitura de informações armazenadas em sistemas quânticos, como átomos, moléculas, prótons, elétrons e fótons. Isso inclui decifrar códigos: um computador quântico funcional, se puder ser construído, pode quebrar a criptografia que usamos atualmente para proteger as comunicações e proteger dados confidenciais.

Sua capacidade de cálculo é milhares, quiçá milhões de vezes maior que a dos melhores computadores que temos hoje. Para se proteger contra essa possibilidade, novos padrões de criptografia “pós-quântica”, projetados para serem invulneráveis até mesmo para computadores quânticos, foram aprovados em 2022, e os preparativos para sua implementação começarão a sério em 2023, afirma a Economist.

Assine nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais notícias da experiência do cliente

Realidade Mista

A Economist definiu a realidade virtual (VR) como usar uma venda digital, ao apagar o mundo real e submergir em uma realidade alternativa gerada por computador. Já a realidade aumentada, por outro lado, mescla os elementos gerados por computador ao mundo real. A realidade mista dá um passo além, ao permitir que elementos reais e virtuais interajam.

O termo é considerado menos desajeitado do que realidade aumentada, e por isso a revista aposta que tem mais chances de pegar. A questão para 2023 é como a Apple irá batizar essa tecnologia quando anunciar seu primeiro fone de ouvido ar/vr/xr – que, segundo rumores, é alimentado por um software chamado “realityOS”.

Senhas

Morte às senhas!, declara a Economist. Tokens validados com biometria vão substituir a combinação de letras, números e símbolos que a maior parte das pessoas têm dificuldade de recordar. Além da maior segurança, os tokens não podem ser esquecidos. A tecnologia, apoiada por gigantes como Apple, Google e Microsoft, é armazenada em seu telefone ou computador e protegida por impressão digital ou reconhecimento facial, para fazer login em aplicativos ou sites. Serviços online, incluindo bancos, já usam a ferramenta, e a tendência é que mais empresas adotem em 2023.

Uma chave de acesso exclusiva é gerada para cada aplicativo ou site usados, o que impede ataques comuns, como e-mails de “phishing” que induzem os usuários a inserir suas credenciais em um site falso. Isso deve melhorar a segurança online, com o benefício adicional, na opinião da Economist, de ser estranhamente emocionante fazer login dessa forma.

Leia Mais: Algospeak: ‘idioma’ próprio para burlar moderação nas redes

Paranóia de produtividade

Trabalhar em casa te deixa mais produtivo? Segundo uma pesquisa da Microsoft, a resposta é sim para 87% dos funcionários, mas apenas 12% para os chefes. O contraste sobre a percepção de eficiência no home office resulta na “paranóia da produtividade”, tanto entre os trabalhadores (que temem ser vistos como folgados) quanto entre os patrões (que receiam que os funcionários estejam se aproveitando das condições para escapar do trabalho).

O esforço dos trabalhadores em mostrar serviço e diminuir essa resistência dos chefes é chamado pela Economist de “teatro da produtividade” e vai continuar em voga no ano que vem.

Tendências de comportamento para a vida

Cidade TWaT

Os temores no início da pandemia de Covid-19 de que as pessoas nunca mais voltariam aos escritórios foram infundados. Mas também havia esperanças de que os hábitos de trabalho das pessoas eventualmente voltassem ao normal. Nem um nem outro se realizou. Cada vez mais funcionários adotam um padrão de trabalhar presencialmente somente em alguns dias da semana, em geral terças, quartas e quintas-feiras, daí o acrônimo TWaTs (Tuesday, Wednesday and Thursday).

Mesmo que as cidades não queiram acreditar nessa tendência, terão que se adaptar aos “TWaTs”, aponta a Economist. Os escritórios precisarão ser mais criativos, encontrando outros usos em dias tranquilos. Assim como operadores de transporte público também terão que se ajustar. Em vez de reduzir os serviços às segundas e sextas-feiras, eles poderiam tentar mudar a demanda cortando os preços nesses dias e aumentando-os entre terça e quinta-feira.

Conheça o Mundo do CX

Efeito Donut

A consolidação do home office em diversas modalidades após a sua popularização durante a mudou as prioridades das pessoas em relação a onde morar. Em vez da proximidade aos escritórios, o espaço doméstico ganhou protagonismo na decisão sobre onde viver. Essa transformação foi definida por Arjun Ramani, correspondente da Economist, e Nicholas Bloom, da Universidade de Stanford, como “efeito donut” nas grandes cidades. À medida em que os trabalhadores se afastam dos centros, os valores dos aluguéis nos bairros mais afastados passaram a subir, criando um anel de crescimento.

O nome engraçadinho é uma referência aos donuts americanos, que têm um buraco no meio. Já os donos de propriedades comerciais esperam que as pessoas possam ser atraídas de volta aos centros das cidades por comodidades excepcionais, como belos escritórios e vistas fantásticas. O que poderia ser uma migração para o tipo de donut britânico, comenta a Economist. Em vez de ter um buraco no meio, é recheado com geleia.

Leia Mais: Autocuidado e nostalgia são tendências para 2023, aponta Pinterest

Yimby x Nimby

Enquanto os Nimbys não querem nada construído em seus quintais, os Yimbys dizem “sim” ao desenvolvimento. Os termos se referem a movimentos que tem ganhado força pelo mundo. Yimby vem do inglês: “Sim no Meu Jardim”, e é um movimento pró-moradia e desenvolvimento que busca alterações nas políticas urbanas para ampliar a oferta de habitações para todas as classes sociais em regiões que sofreram com o aumento do custo de moradia. Esse movimento surgiu em oposição ao Nimby, que significa “Não no Meu Jardim” e que pode ser definida como a mobilização comunitária para impedir a aprovação de empreendimentos em seus bairros ou cidades.

A tendência é que os Yimby ganhem força no ano que vem, começando pela Califórnia, onde as leis Affordable Housing e a High Road Jobs Act entram em vigor em julho. Elas facilitarão a construção de residências em áreas atualmente dominadas por escritórios, lojas e estacionamentos e facilitará a separação rígida entre áreas residenciais e de trabalho criadas pelas leis de zoneamento. A Califórnia também está suavizando as regulamentações que obrigam empreendedores imobiliários a destinar tanto espaço para vagas. Essas regras valem para novos empreendimentos próximos ao transporte público, o que deve reduzir custos e preços de construção. Para a Economist, onde a Califórnia lidera, o resto do mundo tende a seguir eventualmente. Nesse caso, nos tornar um pouco mais Yimbys.


+ Notícias

Nova IA pode substituir Google

SAC humanizado traz insights que melhoram produtos na Libbs

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]