Pesquisar
Close this search box.
É HORA DE TRILHARMOS NOSSO PRÓPRIO CAMINHO

É HORA DE TRILHARMOS NOSSO PRÓPRIO CAMINHO

O mundo foi pego de surpresa por uma reviravolta abrupta no ano em que se esperavam grandes feitos. Em vez das discussões sobre as reformas econômicas que tornariam o ambiente de negócios brasileiro mais atraente, e da liberdade para o consumidor disruptivo ser o que ele quisesse ser, vieram as regras de isolamento social e os padrões rígidos de como se comportar e, mais ainda, do que não fazer.

Regras se tornaram a palavra de ordem. Para garantir a saúde, elas foram estabelecidas para o trabalho, a vida pessoal, os relacionamentos, a mobilidade, a ocupação de espaços públicos e privados. Hoje, se estenderam até para como devemos ser no futuro. Falar do “novo normal” também virou regra. Foi decretado que, o que funcionou para um, vale para todos.

A liberdade de ser e agir como quiser ficou limitada ao querer dentro dos padrões aceitáveis pelo “novo normal”. As ordens foram muitas e às vezes contraditórias: “não use máscaras” e depois “use máscaras”. O consumo pelo e‑commerce, a comida do restaurante pelo delivery, o trabalho dentro de casa, a rua em caso de extrema necessidade, os contatos sem toque.

As normas sobre como as atividades devem voltar e as previsões de como as pessoas pensarão e agirão já foram estabelecidas. Esqueceram-se que o ser humano não pode ser limitado. Quem poderia prever que, na abertura dos shoppings nos Estados Unidos, a procura por eles aumentaria? Padrões estatísticos de paridade, como a regra de que 20% ditam o comportamento de 80%, não se aplicam à realidade. É preciso pensar além das tendências para criar e desbravar novos caminhos.

O espírito livre do capitalismo pede essa postura corajosa de inovar, romper paradigmas e propor visões diferentes. Ao longo da história da humanidade, foram justamente as pessoas que quebraram as normas impostas que trouxeram à luz ideias que mudaram o mundo. A liberdade de escolha não pode ser esquecida.

O objetivo final é e será sempre o mesmo: a vida. Os caminhos possíveis, no entanto, vão muito além das imposições. Nenhum deles é fácil, e as perdas do que deixou de ser vivido são irrecuperáveis. Que país sai do isolamento? Quantos empregos sobreviverão? Que marcas profundas influenciarão as decisões dos consumidores? E em que condições as pessoas poderão consumir? Haverá fôlego para crescimento social?

Todos querem retomar a “normalidade” das suas vidas, mas isso depende das condições e da responsabilidade de cada um. Veja o isolamento em São Paulo, em vigor desde meados de março, e que muito pouco obteve em termos de resultados concretos e de conscientização da população. Fique em casa. Mas quantos puderam ficar? E agora, com a proposta de retomada, nenhum plano de ação de contingenciamento e distanciamento social para evitar o contágio em um dos maiores focos de todos, o transporte público. Afinal, como garantir o transporte dos cidadãos, com segurança em metrôs e trens abarrotados de pessoas?

São fatos que escancaram as fragilidades e deficiências de um País pobre em infraestrutura e em serviços à população, embora muito rico em termos de potencial e recursos naturais.

Mais do que nunca, é preciso olhar para as múltiplas realidades.

As pessoas sem recursos para passar meses sem trabalhar, as pequenas empresas que não conseguem manter seus funcionários com as portas fechadas ou semiabertas, os que não têm internet de qualidade suficiente para estudar online ou para aderir ao e‑commerce, as famílias inteiras que dividem cômodos apertados nas comunidades carentes, os desbancarizados. O Brasil de contrastes, mais uma vez, confirma que não há apenas um novo normal, e sim muitos antinormais.

Quando a realidade que se conhecia entra em xeque, o instinto de sobrevivência fala mais alto. O “eu” vem em primeiro lugar, seguido da família, dos amigos, da comunidade. A união e valorização da vizinhança tomam o espaço do global. A realidade que surge nunca mais será como antes, e tem em sua essência a individualidade. Precisa ser única para ser sustentável. Múltipla para além dos normais.

O futuro abrirá caminhos que ainda não foram desbravados.

Na luta incessante para salvar vidas, o apoio de cada um é importantíssimo. A solidariedade que vem surgindo de empresas e consumidores, em um ato inédito no País, merece todo o nosso louvor. O movimento corporativo vem evidenciando a alta capacidade do setor privado em se organizar e promover ações efetivas para o desenvolvimento brasileiro. Saltam aos olhos o esforço sobre-humano de empresários e todos os seus colaboradores em salvar o seu negócio e os empregos dos trabalhadores. O mesmo não se pode dizer de nossos políticos e governantes, seja na redução de seus ganhos, seja na redução de seus impostos.

É preciso estimular os pequenos empreendedores. Cada consumidor deve preferir o consumo local, que é o grande gerador de empregos. A autoexpressão pede espaço. A necessidade de se sustentar vai trazer soluções inovadoras para levar o Brasil adiante. É preciso dar voz à diversidade de ideias e opiniões. Incentivo para os jovens. Essa é a missão de todos nós: fazer nossos jovens, nossas comunidades, nosso entorno crescerem.

Ao longo dos últimos 40 anos, a crise tem sido o normal dos brasileiros, que sobreviveram a congelamentos, confiscos, desvalorizações absurdas de moeda, apagões de energia, corrupção. Temos a resiliência necessária para passar por mais esta. Novos caminhos virão.

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 282

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos a era do pós-consumidor, mais exigente e consciente e, sobretudo, mais impaciente, mais insatisfeito e mais intolerante com serviços ruins, falta de conveniência, serviços deficientes e quebras de confiança. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo, das decisões, estratégias e inovações. O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia, que critica sem consumir, reclama sem ser cliente, questiona sem conhecer. Tudo porque esse consumidor quer exercer um controle maior sobre suas escolhas e decisões. Falamos de um consumidor que quer respeito absoluto pela sua identidade – ativista, consciente, independentemente de gênero, credo, idade, renda. Um consumidor com o poder de disseminar ideias, que rapidamente se organiza em redes orquestradas capazes de mobilizar corações, mentes e manifestações a favor ou contra ideias, campanhas, marcas, empresas. Ele cria tendências e as descarta na velocidade de um clique. Acompanhar cada passo dessa evolução do consumidor é um compromisso da Consumidor Moderno, agora cada vez mais uma plataforma de distribuição de insights e conteúdo multiformato, com o melhor, mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor e inteligência relacional, ajudando executivos de empresas que tenham a missão de fazer a gestão eficaz de comunidades de clientes a tomar melhores decisões estratégicas. A agenda ESG, por exemplo, que finalmente ganha relevo na agenda corporativa, ocupa nossa linha editorial há muito tempo, porque já a entendíamos como exigência do consumidor no limiar da era digital. Consumidor Moderno também procura mostrar o que há de mais avançado em tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a gestão de clientes de modo eficaz, conectando executivos e lideranças em um ecossistema virtuoso de geração de negócios e oportunidades.

Concepção da capa:
Camila Nascimento


Publisher
Roberto Meir

Diretor-executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Cecília Delgado
Jade Lourenção
Jéssica Chalegra
Júlia Fregonese
Lara Madeira
Marcelo Brandão

Head de Arte
Camila Nascimento
[email protected]

Designer
Melissa D’Amelio

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias
assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com
autorização da Editora ou com citação da
fonte. Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright, sendo vedada a
reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados e
informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]