Pesquisar
Close this search box.
/
/
Entenda os 5 principais tipos de políticas de crédito

Entenda os 5 principais tipos de políticas de crédito

Regras para concessão e cobrança variam de acordo com formato do negócio, podendo variar em rigorosidade nas diferentes etapas da jornada.

Políticas de crédito são normas internas que instituições financeiras e empresas de maneira geral estabelecem para correrem o menor risco possível quando vão oferecer crédito, ou seja, entregar um bem ou uma quantidade em dinheiro com uma promessa futura de pagamento. Quem explica essa premissa básica é o economista Reinaldo Cafeo, associado regional e professor convidado da Fundação Dom Cabral (FDC).

“Como quem está ‘vendendo’ esse dinheiro é a empresa ou instituição, é obvio que ela vai querer se cercar de garantias para que possa receber de volta o que está concedendo”, diz. Por isso, definir que tipo de políticas de crédito será adotado é tão essencial.

Sempre pensando nos riscos e benefícios, trata-se dos diferentes tipos de políticas que determinam as normas que serão seguidas na concessão de crédito, facilitando ou dificultando o acesso do consumidor a ele.

Bem aplicadas, essas normas ajudam a preservar a saúde financeira da organização e reduzir índices de inadimplência, ao mesmo tempo em que beneficiam clientes por meio de decisões embasadas em análises predefinidas. Ou seja, é uma relação de ganha-ganha, tanto para a empresa credora quanto para a pessoa física ou jurídica para quem ela concede o crédito.

Critérios determinantes para definição de política de crédito

A definição de uma política de crédito é um processo crucial que envolve várias etapas e a consideração de diversos fatores, a fim de garantir que a concessão seja realizada de maneira responsável e estratégica.

Além de fazer uma análise de mercado e do ambiente econômico em si e considerar os próprios objetivos financeiros da instituição, um elemento central é a definição dos critérios para a concessão do crédito.

“As empresas olham o nível de renda pessoal e familiar do solicitante, fazem uma pesquisa em bancos de dados de negativados, verificam o patamar de patrimônio, conferem o cadastro positivo e a pontualidade em que ele paga. Então, basicamente são considerados renda, patrimônio, o passado e a pontualidade. A partir disso, bancos e empresas vão estabelecer o limite”, comenta Reinaldo Cafeo.

Ele diz que, a partir dessas variáveis, que não são divulgadas, é criado um score que determina o nível de crédito ao qual o consumidor terá acesso. “É normal que as variáveis não sejam conhecidas e, inclusive, nas instituições financeiras isso é móvel, para evitar que um gerente de banco ou intermediário manipule a informação”.

As políticas de crédito ainda devem se atentar a como os procedimentos e processos serão realizados, desde o fluxo de aprovação, documentação necessária, acompanhamento e cobrança à gestão de risco, capacitação e treinamento da equipe e previsão de revisões periódicas.

Isso envolve, portanto, a colaboração entre diferentes departamentos da empresa, que têm como objetivo encontrar o equilíbrio entre conceder crédito suficiente para impulsionar as vendas e minimizar os riscos de inadimplência.

Rigorosas a liberais: tipos de políticas de crédito

O professor esclarece que, dentro dos tipos de políticas de crédito, as instituições trabalham com o conceito de serem mais liberais ou rigorosas. Normalmente, a adoção entre esses dois modelos já começa a variar de acordo com o perfil da organização.

“Empresas de varejo normalmente são menos rigorosas, porque têm menos estrutura para definir o limite de crédito. Então, acabam somente checando se a pessoa não tem alguma negativação, se não está com problemas com cheques sem fundo ou há um título que não pagou. Já as instituições financeiras são mais rigorosas”, exemplifica.

Além disso, tipos pré-definidos podem orientar as organizações a escolherem qual a melhor política de crédito para sua realidade. O especialista ajuda a defini-los.

Liberal no crédito, rigorosa na cobrança

Encaixam-se neste tipo instituições que são muito liberadoras de crédito e mais flexíveis nos critérios de concessão, mas que, na outra ponta, são rigorosas na cobrança. “Normalmente é o comportamento das financeiras, que facilitam o crédito, mas ficam em cima para receber”, fala o economista.

Rigorosa no crédito, liberal na cobrança

Do lado oposto, há as instituições que são muito rígidas para conceder o crédito, mas, quando há a inadimplência, acabam levando a negociação de maneira mais lenta. Afinal, neste processo mais rigoroso de concessão, sabem o histórico de bom pagador do cliente.

Rigorosa no crédito, rigorosa na cobrança

Aqui se encontram as instituições internacionais, que são rigorosas de ponta a ponta. “Elas são criteriosas tanto para liberar o crédito quanto no seu recebimento. Na prática, são aquelas que, passado um curto período de não pagamento, já suspendem o crédito e negativam a pessoa”.

Liberal no crédito, liberal na cobrança

Empresas que têm pouca estrutura de análise e cobrança e que confiam mais no consumidor são aquelas que demoram para cobrar uma dívida. Este tipo de política de crédito está mais presente no varejo ou em negócios que precisam aumentar o volume de vendas.

Moderada no crédito, moderada na cobrança

Por fim, existem também as organizações que optam por ficar no meio termo, as chamadas moderadas, que não são tão rigorosos nem na liberação do crédito, nem na cobrança. A intenção é buscar um equilíbrio entre risco e oportunidade de venda.

Mudanças, reavaliações e tendências nas políticas de crédito

Ter políticas de crédito bem definidas não significa ser inflexível. Elas podem, sim, ser adaptadas e a revisão é permanente, como Reinaldo Cafeo exemplifica.

“Às vezes, é uma instituição que tem uma cobrança rigorosa, mas se depara com um pequeno protesto de uma conta de energia de três meses atrás. Ela pode chamar para uma conversa, ver o que aconteceu, pode ser que tenha ocorrido uma mudança de endereço e a conta ficou pendente. Não é porque é erro, é considerar a realidade em que a política funciona”.

Além disso, novidades e inovações tecnológicas têm trazido impactos no processo de concessão e cobrança de crédito. É o caso do cadastro positivo. Com ele, uma boa parte das organizações vêm olhando não só a pessoa que não paga, mas principalmente se paga em dia.

Já a Inteligência Artificial e a automação vêm sendo utilizadas para aperfeiçoar a análise de crédito, em especial em sistemas que envolvem grande quantidade de dados ou padronização de decisões.

“A IA pode fazer um levantamento rápido sobre o histórico da pessoa, analisar plataformas, etc”, explica o economista. “Não há dúvida que de que cada vez mais vai haver mais informações sobre aquele que está pedindo crédito, pessoa física ou jurídica, e isso vai impactar no maior ou menor rigor na liberação”.

CCX

No dia 6 de agosto, o Credit and Collection Experience (CCX) reunirá especialistas, lideranças e empresários para debater e propor soluções para os desafios da jornada dos consumidores brasileiros no acesso ao crédito e na resolução de dívidas.

Diante de transformações no setor, motivadas por tecnologias recentes como a Inteligência Artificial generativa, Big Data e Machine Learning, chega o momento de aprofundar conhecimentos para construir a sustentabilidade financeira e econômica do país.

Venha transformar o crédito e cobrança no CCXConfira a programação do evento clicando aqui.

Recomendadas

MAIS MATÉRIAS

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]

SUMÁRIO – Edição 284

As relações de consumo acompanham mudanças intensas e contínuas na sociedade e no mercado. Vivemos na era da Inteligência Artificial, dos dados e de um consumidor mais exigente, consciente e impaciente. Mais do que nunca, ele é o centro de tudo: das decisões, estratégias e inovações.
O consumidor é digital sem deixar de ser humano, inovador sem abrir mão do que confia. Ele quer respeito absoluto pela sua identidade, quer ser ouvido e ter voz.
Acompanhar cada passo dessa evolução é um compromisso da Consumidor Moderno, agora um ecossistema de Customer Experience (CX), com o mais completo, sólido e original conhecimento sobre comportamento do consumidor, inteligência relacional, tecnologias, plataformas, aplicações, processos e metodologias para operacionalizar a experiência de modo eficaz, conectando executivos e lideranças.

CAPA:
YUCA | Estúdio Criativo

ILUSTRAÇÃO:
Midjorney


Publisher
Roberto Meir

Diretor-Executivo de Conhecimento
Jacques Meir
[email protected]

Diretora-Executiva
Lucimara Fiorin
[email protected]

COMERCIAL E PUBLICIDADE
Gerentes-Comerciais
Andréia Gonçalves
[email protected]

Daniela Calvo
[email protected]

Elisabete Almeida
[email protected]

Érica Issa
[email protected]

Fabiana Hanna
[email protected]

NÚCLEO DE CONTEÚDO
Head de Conteúdo e Comunicação
Verena Carneiro
[email protected]

Head de Conteúdo
Melissa Lulio
[email protected]

Editora-Assistente
Larissa Sant’Ana
[email protected]

Repórteres
Bianca Alvarenga
Danielle Ruas 
Jéssica Chalegra
Julia Fregonese
Marcelo Brandão

Designer
Melissa D’Amelio
YUCA | Estúdio Criativo

Revisão
Elani Cardoso

MARKETING
Líder de Marketing Integrado 
Suemary Fernandes 
[email protected]

Coordenadora
Mariana Santinelli

TECNOLOGIA
Gerente

Ricardo Domingues

CX BRAIN
Data Analyst
Camila Cirilo
[email protected]


CONSUMIDOR MODERNO
é uma publicação da Padrão Editorial Eireli.
www.gpadrao.com.br
Rua Ceará, 62 – Higienópolis
Brasil – São Paulo – SP – 01234-010
Telefone: +55 (11) 3125-2244
A editora não se responsabiliza pelos conceitos emitidos nos artigos ou nas matérias assinadas. A reprodução do conteúdo editorial desta revista só será permitida com autorização da Editora ou com citação da fonte.
Todos os direitos reservados e protegidos pelas leis do copyright,
sendo vedada a reprodução no todo ou em parte dos textos
publicados nesta revista, salvo expresso
consentimento dos seus editores.
Padrão Editorial Eireli.
Consumidor Moderno ISSN 1413-1226

NA INTERNET
Acesse diariamente o portal
www.consumidormoderno.com.br
e tenha acesso a um conteúdo multiformato
sempre original, instigante e provocador
sobre todos os assuntos relativos ao
comportamento do consumidor e à inteligência
relacional, incluindo tendências, experiência,
jornada do cliente, tecnologias, defesa do
consumidor, nova consciência, gestão e inovação.

PUBLICIDADE
Anuncie na Consumidor Moderno e tenha
o melhor retorno de leitores qualificados
e informados do Brasil.

PARA INFORMAÇÕES SOBRE ORÇAMENTOS:
[email protected]